MARCA - US Top

worldfashion • 10/08/23, 14:34

A US Top volta ao mercado, pelas mãos de um dos maiores grupos industriais do País, a Cia do Jeans (*), o primeiro índigo blue brasileiro pede passagem resgatando ícones da memória afetiva daqueles que viveram a consolidação desse segmento no Brasil, desde a década de 1970 até o início dos anos 2000.

A Cia do Jeans, holding mineira responsável pela produção e comercialização de marcas como Wrangler e Vilejack, adquiriu este ano a marca US TOP da Alpargatas e desenvolve uma linha de produtos com o melhor da tecnologia têxtil disponível no mercado.

Focada em ícones como a calça de cinco bolsos, as jaquetas e as camisas, a US Top pretende reconquistar o mercado nacional e chegar em 2024 com 30 mil peças distribuídas mensalmente, em multimarcas de todo o País.

A nova US Top será produzida com matéria prima nacional no polo de Colatina (ES) onde a empresa mantém suas plantas industriais certificadas pelo selo OURO da ABVTEX - Associação Brasileira do Varejo Têxtil (**)  com tecnologia de ponta e processos de confecção e lavagem nos padrões ESG.

As calças seguem a modelagem reta, tradicional como as jaquetas, em tecidos denim 13,5OZ 100% algodão ou com mistura de elastano (com poucas lavagens), as calças sarja em 6 diferentes cores, terão ainda camisas e camisetas em meia malha e piquet fabricados em Santa Catarina.  Serão comercializadas em  lojas multimarcas no Brasil além das vendas on line, com duas coleções/ano Verão e Inverno, com grade aberta em tamanhos que vão do 36 a 48. A campanha de lançamento será toda digital.

Será uma autêntica “democratic label” ou seja, uma marca com preço justo (R$ 179,00 a R$ 199,00) e estará presente em todo o território nacional, com qualidade, informação de moda e o life style, que faz parte da sua história.

COMO NASCEU A MARCA US TOP

Essa história tem início com um projeto secreto desenvolvido pela Alpargatas, e internamente o nome dado foi US, referência aos Estados Unidos, onde o jeans já era um sucesso, sobretudo para o público jovem. O ano era 1972, e o consumidor brasileiro estava ansioso por uma calça que desbotava de verdade, como aquelas que já povoavam os filmes de cinema e as séries de televisão.
Até então, circulavam no Brasil marcas que tentavam imitar as grandes labels internacionais, porém sem o principal: o índigo. Era o caso da Topeka, produzida pela própria Alpargatas.
Quando os executivos da empresa discutiam qual seria o nome da nova marca, optaram por usar o Top (de Topeka) junto com o US, do projeto. E batizaram Top US. Mas a agência de publicidade, que atendia a empresa inverteu a ordem e nasceu US Top.
Em princípio sem concorrentes no mercado nacional, o primeiro jeans brasileiro rapidamente ganhou o coração e os corpos dos consumidores. Em tempos de liberdades vigiadas, a marca também aprendeu a dialogar com o seu público e inovou na comunicação.

TOP OF MIND

“Liberdade é uma calça velha, azul e desbotada”, ditava o jingle em propagandas de televisão estreladas pela juventude embalada pelo iê-iê-iê da Jovem Guarda, com os festivais de MPB e o cinema de James Dean e Marlon Brando.
Mesmo com a natural chegada de outras etiquetas, nacionais e internacionais, a marca trilhou uma estrada de sucesso sem par. Até 1995, momento em que já estava longe dos intervalos comerciais do horário nobre,  a US Top era Top of mind, ou seja, primeiro nome que surgia na cabeça do consumidor quando o assunto era jeans.

RETORNO DO CLÁSSICO COM RENOVAÇÃO

O jeanswear brasileiro, desde a criação da US Top, passou por intensas transformações. O varejo, os grupos empresariais, o marketing e as estruturas de produção atuam hoje em ritmo globalizado, na velocidade da comunicação digital. Mesmo assim, alguns valores resistem ao tempo. O mundo do jeans continua associado ao jovem, que hoje continua jovem em qualquer momento da vida. É uma questão de estado de espírito e não de idade. E acompanhamos as tentativas de ingresso no mundo do luxo, mas o jeans é um símbolo de pluralidade, democracia, despojamento ou outra convicção resgatada nesse mercado que é a ideia de vestir bem com preço justo. Não faz sentido, pagar uma fortuna, tampouco arriscar em um produto que não mantém suas características com o uso.
Por fim, o mercado está voltando o olhar, com especial atenção aos processos produtivos, de olho na responsabilidade com o meio ambiente e a sociedade. E desta forma o mercado foca para a retomada de clássicos, como aquele jeans mais encorpado, com corte reto, que desbota com o uso, como uma espécie de RG de quem usa.
Essa será sempre a receita da US Top!  “Liberdade é a calça azul e desbotada naturalmente” e não há melhor momento para o resgate, do jeans com o desbote único, pessoal e intrasferível para mais uma jornada de sucesso.

(*) Sobre a Cia do Jeans, é um grupo empresarial mineiro, foi fundada por Fernando Abras, em 1998, e no ano de 2002 foi licenciada para a produção e distribuição das calças Vilejack. Com o aumento da demanda, e a necessidade a empresa em 2011,  iniciou as suas operações no polo industrial de Colatina (ES), onde hoje concentra sua produção em fábricas com o melhor da tecnologia em confecção e um Centro de distribuição com 7,4 mil metros quadrados.  A experiência do licenciamento da marca Vilejack levou a Cia do Jeans a investir em um conjunto do marcas, assim em 2013 comprou a Vilejack e criou marcas próprias como a Scanner, focada em peças sustentáveis e a Jeans.com, marca com presença marcante no nordeste brasileiro, identificada com o público jovem, a partir dos 19 anos.   No ano de 2017, além das marcas próprias, o grupo deu início a importação, produção e venda da marca Enrico Rossi. Em 2018, a Cia do Jeans obteve o licenciamento da marca Wrangler, propriedade da VF Corporation.

A Cia do Jeans, emprega mais de 700 funcionários (entre diretos e indiretos), com produção na casa de 380 mil peças mensais no Espírito Santo e importa outras 45 mil peças importadas, constituindo um dos maiores conglomerados têxteis do Brasil, com crescimento anual em produção e faturamento em taxas sempre acima dos 15%.

(**) Selo ABVTEX Associação Brasileira do Varejo Têxtil surgiu com o objetivo de identificar as empresas participantes do Programa ABVTEX  representa o esforço setorial das redes varejistas para a implantação das melhores práticas de compliance entre seus fornecedores e subcontratados. Lançado em 2010, o Programa foi uma resposta da ABVTEX a favor do uso do trabalho digno na cadeia produtiva dos artigos de moda, e vem sendo aprimorado ao longo do tempo. A meta é tornar-se referência internacional nos próximos cinco anos. Inicialmente restrito à cadeia de fornecimento das varejistas signatárias, que aderem voluntariamente ao Programa assumindo o compromisso de auditar e monitorar 100% de sua cadeia e somente adquirir produtos das empresas aprovadas nas auditorias, o Programa ABVTEX ampliou o seu caráter inclusivo. A versão atual do Regulamento contempla a condição de realizar auditoria sem ter vínculo com varejista e ser classificado como “Auditado”. Oferecendo a possibilidade a todos os interessados em passar por auditoria e se habilitarem a fornecer às redes varejistas. Poderá ser utilizado por fornecedores e seus subcontratados durante o prazo de validade do Certificado de Aprovação, em acordo com as regras estabelecidas pelas Normas de Uso do Selo ABVTEX do Regulamento Geral. O Programa possui um Comitê Gestor para regular sua atuação e conta com o apoio de um Conselho Consultivo formado por entidades representativas da sociedade e do Governo. Os participantes reúnem-se periodicamente para analisar os avanços obtidos e apresentar valiosas contribuições para o aprimoramento do Programa.

EMPREENDEDORISMO - NORDESTESSE

worldfashion • 07/07/23, 10:53

A Nordestesse é uma plataforma colaborativa que tem como missão fomentar o talento de criativos dos nove estados do Nordeste, que se destacam pelo resgate de tradições e matérias-primas da região e pelo impacto social e ambiental que geram em suas comunidades

À partir de julho, com a curadoria do Nordestesse, o Instituto C&A - pilar social da C&A no Brasil, conectou dez marcas nordestinas lideradas por mulheres que terão suas peças comercializadas no marketplace da varejista, o Galeria C&A, são elas Demodé, Sherida, Funlab, Carnávalia, Vivian Lazar, Vem Meu Bem, Seja Balbina, Casa de Maria, Xique-xique e Carlotte, são coleções que trazerm em sua essência elementos urbanos, elegantes e atemporais.

As peças autorais, com identidades e tendências diversas, unem crochê, pop art e minimalismo a elementos da cultura nordestina como a literatura de cordel e as xilogravuras. Além disso, atendem a categoria body positive e com uma grade de tamanhos que variam do P ao GG.

“Além de oferecer mais visibilidade às marcas, comercializar os produtos no marketplace da C&A é importante para democratizar o acesso e conhecimento às produções destas marcas tão ricas culturalmente. Esse trabalho feito a muitas mãos foi necessário para criar conexão e fortalecer o objetivo de entregar uma moda com propósito que cause, de fato, uma mudança de paradigmas”, comenta Gustavo Narciso, Diretor Executivo do Instituto C&A.

Conforme Daniela Falcão, sócia-fundadora da Nordestesse, a escolha destas levou em conta a distribuição geográfica, de modo que os nove Estados fossem contemplados; o resgate de tradições artesanais ancestrais como o crochê, bordados e a cestaria; o impacto social e ambiental causado pelas marcas e o exemplo de serem dirigidas por mulheres e/ou empregarem majoritariamente mulheres em sua cadeia. “Procuramos trazer um time de marcas com estilos diversos, em sintonia como caráter democrático do Galeria C&A, mas que carregassem alguma dessas características em seu DNA. Boa parte delas tem menos de 4 anos de vida, são nomes que podem e devem ser mais conhecidos nacionalmente”, diz.

Sobre as marcas selecionadas

As dez marcas selecionadas têm estilos variados, mas que dialogam com as principais tendências de moda da atualidade. A Demodé, marca do Maranhão, especializada em roupas íntimas, busca criar um ecossistema positivo usando tecidos sustentáveis, certificados e valorizando o artesão na produção. Já a Sherida, do Ceará, tem como um de seus grandes trunfos conseguir unir símbolos regionais de uma forma pop e contemporânea, com práticas ancestrais como por exemplo, a do bordado.

Outra marca conhecida pelo seu mood divertido, pop e jovem é a Funlab, do Rio Grande do Norte. Com foco na moda activewear, a marca vai muito além da academia e exibe peças para uma mulher ativa ao mesclar em suas malhas, frases e elementos da cultura nordestina como a xilogravura e literatura de cordel. Vinda da Paraíba, a marca Carnávalia, se descreve como um shot de dopamina, com peças experimentais capazes de reinventar realidades através da roupa.

No mundo das tramas do crochê, a sergipana Vivian Lazar – que emprestou seu nome a marca - é especialista em peças feitas na arte ancestral que aprendeu com sua mãe, ainda aos 10 anos e, hoje, exibe peças modernas que vestem não só as pessoas, mas, também, as casas. Ainda no crochê, a marca pernambucana Vem Meu Bem, idealizada pelas irmãs Bruna e Renata Malta, ressignificam a técnica fazendo a cabeça dos jovens com seu crochê pop e contemporâneo.

Entrando em outro universo, mas ainda falando sobre ancestralidade, a marca Seja Balbina mostra em suas peças todo o talento e dedicação das mulheres da cidade de Feira de Santana, na Bahia, ao misturar manualidades como fuxico e patchowork a tecidos minimalistas e naturais como o linho, algodão e viscose, feitos para vestir todos os tipos de corpos.

E, para fechar, não poderiam faltar as marcas de bolsas, Casa de Maria, do Pernambuco, que é braço empreendedor e de design no Aria Social, ONG que educa e profissionaliza através da arte; A piauiense, Xique-xique, que explora as técnicas manuais das artesãs experts em tear da comunidade de mesmo nome presente no Piauí e, a marca Carlotte, que tem em sua essência elementos urbanos, e trabalha a valorização dos materiais nobres, artesãos locais e a manufatura minuciosamente elaborada.

Sobre o Instituto C&A

O Instituto C&A - pilar social da C&A Brasil - atua na construção de novos futuros por meio da moda. Com esse propósito, em suas frentes de Voluntariado Corporativo, Empreendedorismo e Empregabilidade, fortalece comunidades de todo o Brasil, atua em sustentabilidade na cadeia e fomenta o acesso a trabalho digno e justo para pessoas e grupos que lutam pela afirmação de seus direitos: comunidades periféricas, pessoas negras, indígenas, LGBTQIAPN+, mulheres, refugiados e migrantes. Com mais de 30 anos de história, a instituição também realiza apoios humanitários em situações de calamidade pública, atuando nas necessidades mais urgentes após uma crise. Saiba mais no site.

Sobre a Nordestesse

É um hub criativo que registra, amplia e fomenta a produção, as discussões e o talento de marcas e serviços de empreendedores nordestinos. São quatro pilares: moda, design, artes visuais e gastronomia, sempre com produtos e serviços que preservam nossos saberes ancestrais, sem jamais cair no caricato. As peças de nossos designers e estilistas podem ser encontradas na Casa Nordestesse, nossa primeira loja física, que fica na Alameda Lorena, 1.601, nos Jardins, em São Paulo.

da redação com informações da INDEX

E-COMMERCE - MERCADO LIVRE

worldfashion • 30/06/23, 14:43

Em um ambicioso projeto ainda em fase piloto, a empresa vai adotar uma série de iniciativas para angariar novos empreendedores que atuam na região do Brás e impulsionar os negócios dos vendedores que já estão na plataforma.  A iniciativa faz parte de uma movimentação iniciada pela companhia nos últimos anos, que além de apostar na atração de grandes marcas para a plataforma, visa apoiar empreendedores locais, atendendo a crescente demanda do segmento de moda no varejo online, diversificando cada vez mais o sortimento de produtos com foco no aumento da recorrência de clientes e, consequentemente, da rentabilidade da plataforma. Como reflexo dessa movimentação, na comparação entre o primeiro trimestre de 2022 e o mesmo período de 2023, o número de vendedores desta categoria cresceu 21%,  já as vendas tiveram um aumento de 27%.

Por meio da ação, os empreendedores que estão ingressando na plataforma poderão contar com um pacote robusto de benefícios do Mercado Livre que inclui um consultor dedicado a ficar in loco com o vendedor durante três meses, oferecendo um suporte direto para contribuir com as operações no dia a dia; condições comerciais diferenciadas; auxílio para cupons; campanhas exclusivas e fotos dos produtos em alta qualidade; frete grátis acima de 79,90, entre outros. Além disso, para uma melhor operação dos vendedores, o Mercado Livre contará ainda com um ponto fixo de coleta dentro de um dos principais shoppings da região, assim como outros pontos já existentes próximos ao Brás.

“No Mercado Livre, estamos constantemente investindo para ampliar e
fortalecer a vertical de moda. Sendo o Brás uma região com muitas PMEs,
identificamos a oportunidade de oferecer serviços locais que ajudem os vendedores a acelerar a curva de crescimento de vendas no Mercado Livre.
Ao mesmo tempo que democratizamos o acesso à moda, levamos opções acessíveis de produto e preço para população de todo o país, unindo
a diversidade de produtos e tendências”,
conta Julia Rueff, VP de Marketplace do Mercado Livre no Brasil.

O Projeto Piloto no Brás é um reflexo da estratégia de fidelização de vendedores que o Mercado Livre já vem priorizando ao longo dos últimos anos, buscando fomentar o empreendedorismo e materializando seu propósito de democratizar o acesso ao comércio. Com média de 40 compras por segundo, o marketplace coloca toda a força de seu ecossistema à disposição do vendedor para ensiná-lo na prática como lucrar com a plataforma e evoluir em seu negócio.

Além de todas as condições especiais oferecidas aos lojistas do Brás, todos os vendedores da plataforma contam com a  Central de Vendedores, que traz conteúdos como estratégias de finanças e precificação, marketing, cálculo de margem de lucro, atendimento ao cliente, reputação digital, logística, tributação, crédito, meios de pagamento, gestão de indicadores e organização de estoque.

Outra ferramenta disponível é o Programa de Vendedores, no qual o Mercado Livre oferece uma trilha de aprendizagem com módulos específicos para as diferentes fases de um negócio. O primeiro módulo, chamado “Você Chegou”, traz conteúdos voltados a empreendedores iniciantes ou que estão pensando em começar a vender na plataforma. O segundo, “Você Vendeu”, tem temas direcionados a quem já está vendendo, mas busca profissionalizar o negócio para obter mais resultados. O terceiro, “Você Cresceu”, tem temas dirigidos a quem já conhece bem as ferramentas da plataforma, mas deseja escalar ainda mais o seu negócio. Já a jornada de conteúdo “Você Venceu” é pensada para vendedores que desejam ampliar ainda mais seus resultados, mas com um direcionamento mais inspiracional, com importantes nomes do e-commerce.

Sobre o Mercado Livre

O Mercado Livre é a companhia líder em tecnologia para e-commerce e serviços financeiros na América Latina, que oferece soluções para que pessoas e empresas possam comprar, vender, anunciar e enviar produtos por meio da internet, assim como soluções de pagamento, crédito, investimentos, seguros e gestão de benefícios. Além da plataforma de e-commerce e do banco digital Mercado Pago, a empresa conta com os serviços do Mercado Envios, Mercado Livre VIS (Veículos, Imóveis e Serviços), Mercado Ads e Mercado Shops. Maior e mais completo marketplace da América Latina, o ecossistema do Mercado Livre atingiu mais 148 milhões de usuários ativos na região em 2022, sendo 73 milhões de compradores e 3,3 milhões de vendedores, permitindo alcançar 509 visitas, 36 compras e 173 transações a cada segundo. Em 2022, sua receita líquida atingiu US$ 10,5 bilhões, quando também alcançou US$ 34,4 bilhões em vendas, superando a marca de mais de 1 bilhão de produtos enviados. Fundado em 1999 e presente em 18 países, o Mercado Livre superou a marca de 39 mil colaboradores diretos na região, mais de 15 mil apenas no Brasil, seu principal mercado. Atualmente, é uma das 10 melhores empresas para trabalhar no país, dentre as 10 melhores em tecnologia, sendo ainda a melhor para as mulheres.

da redação com informações da  Edelman SP

E-COMMERCE

worldfashion • 19/06/23, 14:09

A SHEIN, e-commerce chinês, preocupada com a poluição mundial da moda, lançou uma iniciativa e vem atuando na redução do impacto ambiental de seus produtos com a ambição de ter a maioria dos itens da marca SHEIN, em acordo com o padrão evoluSHEIN by Design, até 2030.

Está trabalhando com fornecedores que utilizem práticas responsáveis, além de promover a sensibilização de seus seguidores globais e entusiastas da moda.

A coleção evoluSHEIN by Design, lançada recentemente com a Anitta, principal nome de uma nova geração da música latino-americana. Assumindo o posto de maior popstar brasileira no mundo, a artista possui mais de 64 milhões de seguidores no Instagram e quase 17 milhões de assinantes no YouTube, acumulando mais de 6 bilhões de visualizações. Recentemente, Anitta foi nomeada pela primeira vez para o Grammy na categoria “Best New Artist” e está entre os 15 músicos mais influentes do mundo nas redes sociais pela Billboard, apresenta os três pilares do programa de uso de materiais orientados para o meio ambiente que a SHEIN lançou no ano passado:

• Modelos feitos com poliéster reciclado que apoiam a transição do poliéster virgem e contribuem para a estratégia de descarbonização da SHEIN.
• Uso de viscose segura para as florestas e que também faz parte do compromisso da SHEIN em obter fibras derivadas da madeira de fornecedores que não colocam em risco florestas ancestrais.
• Criação de edições limitadas fabricadas a partir de tecidos recuperados que sobraram de outras marcas de moda. De forma criativa, materiais excedentes de alta qualidade que seriam dispensados em aterros ou incinerados ganham vida nova.

“Estou muito feliz pelo fato de a SHEIN estar dando esse passo importante em sua jornada de sustentabilidade e pensando em seu impacto ambiental de maneira global”, destaca Anitta. “Todos nós queremos estar na moda, mas é preciso respeitar as pessoas e, ao mesmo tempo, o nosso planeta.”

Nesta iniciativa, cada peça é fabricada de acordo com a norma evoluSHEIN by Design, que exige que os produtos sejam compostos por, pelo menos, 30% de materiais preferenciais e que sejam fabricados por fornecedores que tenham passado por uma elevada verificação de conformidade social e ambiental através de auditorias de terceiros. Além disso, todos os artigos da coleção são enviados em embalagens feitas também com materiais reciclados.

“O evoluSHEIN by Design apoia um sistema mais circular que mitiga os resíduos têxteis e reduz o consumo de novas matérias-primas”, afirma Caitrin Watson, diretora de Sustentabilidade da SHEIN. “O nosso objetivo é continuar a reduzir o impacto ambiental dos nossos produtos, ao mesmo tempo que colaboramos com outros líderes da indústria para impulsionar a economia têxtil circular. O lançamento desta coleção com a Anitta é uma oportunidade para promover escolhas de moda alternativas e conscientes de uma forma envolvente para os nossos clientes e trazê-los para a nossa jornada evoluSHEIN.”

À medida que a SHEIN continua o desenvolvimento do seu negócio com a visão de construir um futuro da moda desejável e acessível a todos, a produção do evoluSHEIN by Design, aborda diversas prioridades de impacto positivo da empresa. Entre essas prioridades estão o fornecimento responsável de produtos, a otimização da eficiência dos recursos e as oportunidades de circularidade, além de promover melhoria de vida nas comunidades em que está inserida em todo o mundo. Essas ambições, entre outras, estão descritas no Roteiro evoluSHEIN - uma abordagem holística da SHEIN para enfrentar os desafios sociais e ambientais mais críticos que a indústria da moda enfrenta atualmente.

Sobre a SHEIN - Uma varejista global online de moda, beleza e lifestyle, comprometida em tornar a beleza da moda acessível para todos. Utilizam tecnologia de produção sob demanda que conecta os fornecedores à ágil cadeia, reduzindo o desperdício de estoque e permitindo entregar uma variedade de produtos acessíveis a clientes em todo o mundo. Dos escritórios globais, alcançam consumidores em mais de 150 países.

da redação com informações da BCW Global