Atelier Chilaze

worldfashion • 19/02/20, 10:55

claudia-e-sandraApós o sucesso da apresentação da coleção do Atelie Chilaze no desfile do Sindijoias, no Minas Trend, em outubro passado, as irmãs Claudia e Sandra Chilaze (na foto de Marcel Streich) - da terceira geração da família que começou com importação de bijouterias nos anos 1940, fornecendo para lojas de departamentos –,  apostam cada vez mais no design autoral.

0372-chilaze-m4687A bola da vez é a coleção Eletrozônia, que traz peças que reinterpretam as culturas tribais do Alto Xingu, combinando resina processada artesanalmente, sem produção de descarte, com matérias-primas naturais, ao lado de best sellers da brand: maxicolares, correntes de elos largos, brincos e pulseiras em uma variedade grande de cores. E ampliam as propostas em linhas de homewear, de cestaria, e de bolsas confeccionadas em bambu, palha e corda tingidos artesanalmente, arrematados por detalhes como aplicações em madeira e alças em macramê ou resina, e à partir de agora as peças podem ser adquiridas em São Paulo no corner na Bemglô Rua Oscar Freire 1105, um espaço de multimarcas paulistana de Gloria Pires e Betty Prado que foca na moda chique sustentável. E no Rio a grife, que dá sequência a uma história de varejo familiar de mais de 70 anos, inaugura, após o carnaval, a sua primeira loja-conceito no coração de Ipanema, bairro carioca que faz parte da sua trajetória.

1-480x640Os novos pontos de venda vão reunir tanto as linhas de maxi colares, braceletes, viseiras e bolsas quanto as de aneis couture e de decoração – novidades! –, solidificando o crescimento da marca, que anda colhendo bons resultados na contramão do mercado. “Neste último trimestre, nossa participação nas feiras foi significativa”, afirma Sandra Chilaze, diretora comercial: “Crescemos 20% no Minas Trends e 18% na Bijoias, entre outubro e novembro”, completa, enquanto se prepara para abrir flagship no coração de Ipanema

Como destaque, a carioquice de suas criações, que valorizam o mix de exuberância, brasilidade e sustentabilidade. Até aquilo que começa como livre exercício criativo, de experimentação, vira sucesso. Por exemplo: explodiram em vendas os espelhos exclusivos com revestimento de corda e os cestos decorativos naturais. Todo o estoque levado para o Minas Trend acabou bem antes de o salão de negócios terminar. “Nossa linha inspirada na Amazônia, “Eletrozônia”, teve ótima aceitação e se destacou na passarela do Sindijoias, pelo colorido e acabamentos. Agora, ela vai direto para a Bemglô”, ressalta Claudia Chilaze, diretora de estilo da grife.

Em 2013, quando a grife começou a produzir peças em resina – hoje carro-chefe da brand –, foi  selecionada pela curadora Ana Luiza Pessoa de Queiroz para participar do evento que celebrou a moda brasileira  – “Le Brésil Rive Gauche” –, no Le Bon Marché, uma das mais tradicional loja de departamentos parisiense. Foram 120 marcas escolhidas a dedo, dentre elas, gente graúda como Lenny Niemeyer, Osklen, Farm, Phebo, Granado, Adriana Barra, Schutz, Melissa e Havaianas. O interesse dos franceses pelas peças do Atelier Chilaze acabou garantindo um pedido de 2000 peças feito pelo magazine, e ainda abriu frentes de exportação para clientes europeus, como a Polônia.

atelier-chilaze-divulgacao-10528-chilaze-m4866-qA criatividade de Claudia Chilaze é inesgotável, ela acaba de desenvolver novos itens da linha de correntes, atualizando o design dos aros de resina, além da Linha Gumos, com peças foscas, em textura lalique e em colorações naturais, que se inspira nas terapias corporais feitas com pedras vulcânicas.

“A massagem com pedras quentes é uma terapia milenar usada tanto por chineses e monges budistas quanto indígenas sulamericanos em rituais sagrados e de cura, que envolve todos os sentidos porque inclui óleos aromatizados. Percebi que o bem-estar que esses procedimentos proporcionam ao corpo e à alma tem a ver com a autoestima que nossas coleções estimulam nas mulheres. O calor, o contato e a pressão da massagem liberam endorfina e serotonina, causando a mesma sensação de felicidade que nossas clientes têm quando se olham diante do espelho, ao portar uma criação nossa”, filosofa Claudia Chilaze, que finaliza: “É um processo de embelezamento que surge a partir da autodescoberta e da aceitação. A mulher que usa um acessório Chilaze ou já descobriu seu empoderamento ou segue plena nessa rota. Além disso, fiquei surpresa quanto tive o insight que me permitiu vislumbrar o quanto as rochas vulcânicas usadas nessa terapia, o nosso design e as textura que desenvolvemos com a resina convergem numa mesma plasticidade”.

As peças da Atelier Chilaze, estão pelo Brasil, principalmente nos estados de Pernambuco, Alagoas, Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina,

da redação    com informações da Scena Ludica Style Design / Alexandre Schnabl e Janete Santos            com imagens: fotos da Agência New Age