VAREJO TEXTIL

worldfashion • 15/11/21, 16:12

varejo-de-modaA matéria sobre o varejo têxtil aborda o crescimento e fortalecimento, durante e pós pandemia, seguindo as tendências de consumo on line e off line, oferecendo agilidade, valores, produtos, acolhimento e empatia aos seus clientes. Para atingir as metas são contratados executivos com larga experiência em gestão, marketing, comunicação integrada, processos produtivos e que tenham foco no aumento da capacidade de produção, inovação e sustentabilidade.

O Varejo físico vai acabar?  Definitivamente NÃO

Artigo de Juliana Neves *

O varejo físico vai morrer? Definitivamente não. O varejo físico não vai morrer. No entanto, já começa a passar por várias transformações significativas, e todos nós participamos ativa ou passivamente dessas mudanças.

juliana-neves1No entanto, essa primeira transformação que o varejo sofre não é por causa da pandemia e sim em função do e-commerce. A entrada do varejo online fez com que o papel da loja física mudasse.

Nós começamos a observar que as lojas físicas vão perder a relevância enquanto um veículo de transação comercial. O tal do ponto de venda vai deixar de ter uma importância grande para venda porque, afinal de contas, a venda pode acontecer em qualquer mídia: WhattsApp, e-commerce, Facebook e, também, loja física, entre outros. Então, vamos começar a ver a loja física tendo um papel muito mais importante de marca, construção de valor de marca. A loja física sendo um hub de comunidade, um ponto de encontro de uma tribo em torno de um mesmo propósito.

Vamos perceber este ponto ganhando uma relevância significativa para a forma que as pessoas percebem essa marca, e então sim através desse ponto de venda ou ponto de encontro ou ponto de experiência físico vamos construir um novo valor para a marca.

Hoje em dia todas as marcas querem ser uma love brand. Mas o que percebemos é que o próximo passo serão as love brands se transformando em caring brands, marcas que se importam, se preocupam e que cuidam. E os espaços físicos, onde os amantes dessa marca podem se reunir têm um papel fundamental, super relevante e importante.

No entanto, apesar do futuro ser a loja mudando um pouco seu papel, perdendo um pouco essa função comercial, sabemos que até se chegar a esse ponto no Brasil muita ‘água vai rolar’. E hoje, mais do que nunca, podemos reafirmar a importância do design estratégico de varejo.

A disciplina de design estratégico de varejo de projeto de arquitetura comercial ajuda o cliente a vender mais. Ao expor um bom produto, iluminá-lo bem, entender como atrair um cliente para dentro da loja e alguns truques e armas secretas que usamos em nossos projetos, se deixa tudo na loja mais atrativo comercialmente e mais vendedor.

O design estratégico de varejo é essa disciplina que abraça a arquitetura e o visual merchandising e tenta transparecer no espaço físico da loja todos os conceitos da marca.

Design estratégico de varejo

É uma disciplina dentro da arquitetura de interiores que trabalha os projetos comerciais (lojas, bares e restaurantes). Tem algumas especificidades, está de mãos dadas com o marketing o tempo todo, poque quando criamos os projetos de identidade de uma marca no varejo físico, temos que transparecer a identidade dessa marca.

Nós arquitetos e designers de interiores, temos que deixar de lado os nossos gostos pessoais e entender para quem é a marca, quem é a persona dessa marca, como é a casa dessa persona, qual é a atmosfera, quais são os principais valores que ela tem e que precisão ser impressas nesse ponto de venda.

Na medida que você entende que a marca é um encontro de pessoas com o mesmo propósito, que tem os mesmos ideais, a loja é a casa dessa marca, é esse ponto de encontro físico dessas pessoas em torno desse propósito que a marca defende.

Design estratégico de varejo entende e dá visibilidade aos conceitos da marca, através de seu espaço físico. Esse espaço físico é projetado a muitas mãos, principalmente pelo arquiteto e designer que está à frente do projeto de interiores. Ele é o maestro dessa orquestra, mas também existe o visual merchandiser, o profissional de comunicação de marca que vai trabalhar as artes e a comunicação dentro do ponto de venda para assim passar uma mensagem muito coesa e concisa do porquê, para quem e como essa marca se posiciona em todas as suas mídias. A loja é uma mídia superimportante porque é imersiva. A pessoa literalmente entra dentro e esse posicionamento é impactante para essa marca.

*Juliana Neves – Vice-presidente da ABIESV (Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos e Serviços para o Varejo) e sócia-diretora da Kube Arquitetura. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRJ e mestre em Design pela PUC-RJ, com pesquisas em Design e Emoção, com ênfase em Design para todos os sentidos. Foi pesquisadora na Brown University e possui especialização em Branding e Design e Trends Forecast. Hoje é professora convidada do curso de Retail Design & Branding da PUC-RJ, do curso líbero de Retail Design e de Projetos Comerciais no curso Saperfare de Interiores, ambos no IED Rio.

da redação  imagem: foto divulgação

flavia-altheman-640x631A Pernambucanas*, marca varejista nacional pioneira em inovações, anunciou a contratação de Flavia Altheman como nova Diretora de Marketing da varejista. A partir setembro, a executiva assumiu a liderança das seguintes áreas: Comunicação Integrada, Experiência do Cliente, Trade, CRM, Comunicação Corporativa e Produtora Som e Imagem.

Com trinta anos de atuação no mercado de marketing, comunicação, varejo e financeiro, a executiva já teve passagem por diversas empresas como Track&Field, Via Varejo, Extra Hipermercados, Lojas Americanas, Postos Ipiranga, GetNet, entre outras. Graduada em Propaganda e Marketing pela UNIP, Pós-graduada em Planejamento Estratégico na FGV com MBA em Varejo e Mercado de Consumo pela UBS e Cursos de Extensão em Branding pela HSM e Gestão e Liderança pela FGV. Flavia traz em seu currículo o prêmio Women To Watch Brazil, eleita uma das principais profissionais de Marketing e Comunicação do país em 2015.

Flavia chegou com o grande desafio de fortalecer ainda mais essa marca centenária, tão presente na memória afetiva e dia a dia dos brasileiros em um momento em que a inovação e o pioneirismo têm feito cada vez mais parte dos principais projetos da companhia. Além disso, a executiva também contribuirá com a consolidação da marca nas regiões Norte e Nordeste, locais em que a varejista ingressou em 2021 e planeja amplos investimentos para os próximos anos.

“É gratificante ingressar em uma marca tão tradicional e ao mesmo tempo tão contemporânea que tem se dedicado a entregar uma experiência de compra alinhada às preferências e necessidades dos clientes, sempre comprometida com a diversidade, inclusão, inovação e sustentabilidade. É um orgulho fazer parte de uma empresa onde as mulheres representam 75% do quadro de colaboradores”, conta Flavia Altheman, Diretora de Marketing da Pernambucanas.

download*Há 113 anos, a Pernambucanas evolui junto com a família brasileira. Referência no varejo nacional, a companhia tem como marca registrada o pioneirismo e a contribuição para o progresso de diversas cidades do país. Conta com um time de estilistas que identificam as principais tendências mundiais da moda e oferece uma ampla variedade de produtos em moda, beleza, lar, eletroportáteis, telefonia e informática.  Está presente em mais de 300 cidades, em doze estados e no Distrito Federal, com mais de 430 lojas e cerca de 15 mil lojacolaboradores. Além do varejo, a companhia tem a sua fintech, a Pefisa, braço financeiro do grupo, responsável pelo desenvolvimento e gestão dos produtos como a Conta Digital Pernambucanas, PIX, Carteira Digital, cartões, empréstimo pessoal e seguros. Sempre se reinventando e acompanhando às necessidades de seus clientes, a Pernambucanas oferece uma inovadora plataforma digital de relacionamento em varejo e produtos financeiros, com aplicativos, compra online, tablet (concessão de crédito 100% digital em 7 minutos), emissão instantânea de cartão com chip, atendimento digital e Wi-Fi grátis em todas as lojas.

da redação com informações da Edelman SP - foto: divulgação

alianca-empreendedoraDois importantes braços sociais do varejo brasileiro, o Instituto C&A (*) e o Instituto Lojas Renner (**) , se uniram para apoiar a etapa do programa Tecendo Sonhos – iniciativa de empreendedorismo da organização Aliança Empreendedora (***). A nova fase da iniciativa, iniciada em junho, que também conta com o apoio da MasterCard Center for Inclusive Growth e da Associação Brasileira do Varejo Têxtil - ABVTEX(****), tem como grande objetivo desenvolver e capacitar 18 oficinas de costura localizadas na capital paulista e pertencentes a microempreendedores abvtexmigrantes participantes do projeto visando, por fim, a formalização do grupo em uma associação.

O desejo de formar uma rede de pequenas facções de costura, apoiadas pelo Tecendo Sonhos em uma associação, surgiu em 2020 durante a pandemia. A grande demanda por produção de máscaras de tecido e a consequente necessidade desses profissionais se unirem para atender aos pedidos com agilidade de forma coletiva, deu origem a nova etapa do Tecendo Sonhos.

Nos próximos dois anos, os microempreendedores migrantes das 18 oficinas participantes da iniciativa receberão capacitações e mentorias nas áreas de logística, comercialização, desenvolvimento humano e financeira, além de assessoria jurídica e contábil. Em meados de 2023 a expectativa é que esses profissionais estejam preparados para a formação da primeira associação de microempreendedores migrantes do varejo de moda nacional.

Em sua maioria bolivianos, os migrantes que chegam ao Brasil trabalham inicialmente como costureiros, mesmo sem nunca terem atuado com esta profissão em seu país de origem. De acordo com a Aliança Empreendedora, estima-se que, somente na capital paulista, a comunidade boliviana seja de aproximadamente 400 mil pessoas, sendo que a maioria atua com costura.

cristina-filizzola“Eles trabalham nas facções como costureiros até juntarem um pouco de dinheiro e abrirem suas próprias oficinas para terem maior liberdade e mais renda, porém se deparam com todos os desafios de gerir um negócio, além das jornadas de trabalho bastante exaustivas. Por isso, a necessidade de agregarem valor em suas oficinas visando acessarem um mercado mais justo, pagando melhores valores para terem uma condição digna de trabalho”, explica Cristina Filizzola, diretora da Aliança Empreendedora.

Desde sua criação, há sete anos, o Tecendo Sonhos já beneficiou cerca de 2.500 pessoas de forma direta e mais de 12 mil pessoas indiretamente. Dentre os apoiadores do projeto está o Instituto C&A, parceiro desde 2015. Especialmente em 2020, o braço social da C&A Brasil contribuiu para a expansão da iniciativa para o agreste pernambucano por conta do polo de produção e comercialização têxtil da região.

gustavo-narciso_icea“Depois de alguns anos apoiando o Tecendo Sonhos, estamos muito felizes por nos unir ao Instituto Lojas Renner na busca de soluções que enderecem um desafio que ambas as instituições possuem: a melhoria das condições de trabalho na indústria da moda. Por meio do nosso pilar de empreendedorismo, estamos investindo para que estes negócios prosperem, se estruturem, e ofereçam oportunidades de emprego mais justas e decentes”, conta Gustavo Narciso, Gerente Executivo do Instituto C&A.

Fundado em 2008, o Instituto Lojas Renner já apoiou mais de 900 projetos espalhados pelo país, beneficiando cerca de 215 mil pessoas. Proporcionar capacitação para quem está envolvido com o setor de moda sempre foi um dos focos do trabalho realizado. Desde 2016, por exemplo, o Instituto desenvolve um programa de acolhimento de refugiadas, oferecendo formação em modelagem e costura ou atendimento para o varejo, o que contribui para a inclusão social destas refugiadas e sua profissionalização.

eduardo-ferlauto“Nosso propósito é transformar a vida de mulheres e suas famílias por meio da moda. Nossa atuação está focada no fomento de ações para o fortalecimento da liderança comunitária e do empreendedorismo, gerando renda e proporcionando condições para que as pessoas possam se desenvolver e viver de acordo com suas próprias aspirações. Por isso, entendemos que nos unir ao Instituto C&A e aos demais parceiros para contribuir com o Tecendo Sonhos era um caminho natural”, relata o diretor executivo do Instituto Lojas Renner, Eduardo Ferlauto.

“Temos a satisfação de participar ativamente desta iniciativa de impacto positivo na promoção do trabalho digno na cadeia têxtil nacional. O estímulo ao empreendedorismo sustentável está em consonância com edmundo-limao propósito da ABVTEX e suas mais de 100 grandes marcas associadas, que mantêm a iniciativa de promover o fornecimento responsável dos produtos de moda do País, por meio do Programa ABVTEX”, aponta Edmundo Lima, diretor executivo da entidade.

logo-ca-instituto

*Instituto C&A - braço social da C&A Brasil - atua no fortalecimento de comunidades por meio da moda no voluntariado corporativo e no fomento ao empreendedorismo dos grupos sociais que lutam para afirmar seus direitos (populações periféricas, LGBTQIA+, mulheres negras, migrantes e refugiados, entre outros). A instituição também realiza ajudas humanitárias em situações de calamidade pública e crises emergenciais. Com 30 anos de história o instituto tem como principal objetivo promover impacto social nas comunidades no entorno das lojas, centros de distribuições e escritório central em todo território brasileiro.

instituto-lojas-renner**Instituto Lojas Renner  desenvolve a apoia projetos que promovem o empoderamento econômico e social da mulher na cadeia de valor têxtil. Desde sua fundação, em 2008, já investiu cerca de R$ 75 milhões – oriundos das verbas repassadas pela varejista e também provenientes de leis de incentivo fiscal. Os recursos possibilitaram o apoio a mais de 900 projetos espalhados pelo país, beneficiando 215 mil pessoas, incluindo os mais de R$ 6 milhões que foram destinados em ações de combate à Covid-19. O Instituto Lojas Renner faz parte do guarda-chuva do selo Re, que representa o compromisso da Companhia com a moda responsável.

***Desde 2005, a Aliança Empreendedora sabe que todas e todos os brasileiros podem empreender por meio de relações justas, e acredita no empreendedorismo como forma de transformar o Brasil. Para isso, capacita e apoia gratuitamente microempreendedores formais e informais em comunidades de baixa renda de todo o país, co-criando protagonismo econômico e social, em parceria com empresas, governos, organizações sociais e interessados na causa. Está presente em todos os Estados brasileiros e já concretizou 271 projetos, treinou 134 organizações e apoiou mais de 100 mil empreendedores.

****Fundada em 1999, a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX) reúne 26 das mais representativas redes de varejo nacionais e internacionais, contemplando mais de 100 marcas que comercializam vestuário, calçados, acessórios de moda e artigos têxteis para o lar.

da redação com  as informações da Máquina Conh&Wolfe/ Instituto C&A e Aliança Empreendedora,  FSB Comunicação/ Instituto Lojas Renner e da ADS Comunicação Corporativa/ABVTEX

loja1A Marisa(*), maior rede de moda feminina e lingerie do Brasil, deu início no mês de outubro a uma ação importante dentro da pauta de economia circular. As clientes que doarem roupas e acessórios usados e em bom estado vão ganhar 15% de desconto em compras. Além disso, a cada 10 peças doadas a Marisa ofertará mais uma. Toda a arrecadação será repassada para a ONG Gerando Falcões(**), ecossistema de desenvolvimento social que atua em rede para acelerar o impacto em favelas de todo o país.

Os postos de coleta estarão disponíveis pelos próximos três meses nas lojas da Marisa, localizadas na Avenida Paulista - número 412, no Itaim e em Santo Amaro, em São Paulo. O desconto de 15% é válido unicamente para as lojas participantes da ação. Após a doação, o cupom de desconto será gerado mediante a leitura de um QR Code.

loja-falcoesAs peças doadas pela Marisa serão comercializadas no bazar-escola da Gerando Falcões, um negócio de impacto social, que dá acesso a bens de consumo para população de baixa renda, com valores até 70% mais baratos quando comparados aos praticados no mercado. Todo o resultado das vendas é reinvestido em programas de transformação nas periferias e favelas.

paula-martins-de-oliveira-head-de-marketing-integrado-da-marisa-1621368530514_v2_3x4“Ao participar dessa corrente de doações, a Marisa e suas clientes vão atuar #BemJuntas em prol de comunidades por todo o Brasil. Além de contribuir com essa importante ação de impacto social, fortalecemos o pilar de sustentabilidade da Companhia, com o estímulo à economia circular”, explica Paula Martins de Oliveira, head de marketing da Marisa

mayara-lyraPara a Gerando Falcões, o apoio de empresas com a estrutura da Marisa é essencial para o fortalecimento da ONG: “É uma parceria muito relevante, porque incentiva as doações para o nosso Bazar, que é uma fonte de renda importante. E por ser um projeto piloto, que começa em três lojas, enxergamos um grande potencial de expansão para outras unidades de São Paulo. Nossa expectativa é que essa parceria traga grandes resultados”, ressalta Mayara Lyra, Diretora de Negócios Sociais da Gerando Falcões.

*A Marisa é a maior rede de moda feminina e lingerie do Brasil. Com mais de 70 anos de experiência, construiu uma forte relação de cumplicidade e intimidade com sua consumidora, conhecendo e acompanhando suas necessidades e anseios. O propósito da marca é fortalecer a autoestima da mulher. Ao longo de sua história, a Marisa é conhecida e reconhecida por seu slogan “De Mulher para Mulher”. Está presente hoje em todas as regiões do Brasil e conta com aproximadamente 344 lojas nas melhores ruas e shoppings do país. É uma das pioneiras do setor no e-commerce, oferecendo seus produtos pela sua loja virtual há 20 anos. A Marisa também possui uma divisão de produtos e serviços financeiros, o MBank, criado para prover o financiamento de produtos às suas clientes.

**A Gerando Falcões é um ecossistema de desenvolvimento social que atua em rede para acelerar o poder de impacto de líderes de favelas de todo país que possuem um sonho em comum: colocar a pobreza das favelas no museu. Seu foco são iniciativas transformadoras, capazes de gerar resultados de longo prazo. O projeto entrega serviços de educação, desenvolvimento econômico e cidadania e executa programas de transformação sistêmica em comunidades, como o Favela 3D.

da redação com informações da Agência Lema  imagens: fotos/divulgação

download1A Aramis(*), uma das líderes do mercado nacional no varejo de moda masculina, segue no seu compromisso com a evolução e dá mais um passo importante na sua história. Após passar por rígido processo de auditoria interna e também com sua cadeia de fornecedores, a marca se torna signatária plena do Programa ABVTEX(**), liderado pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil que é referência no combate ao trabalho análogo ao escravo e infantil na cadeia do varejo de moda.

A partir de agora, a marca se junta a outros varejistas de moda do país e fortalece o importante movimento de moda nacional que busca práticas e processos ambientalmente e socialmente responsáveis através de iniciativas e regulamentação de toda a cadeia produtiva.

abvtex1Apesar dos impactos econômicos causados pela pandemia em todo o setor, a Aramis teve um resultado de crescimento fora da curva e isso proporcionou a oportunidade de investimento e dedicação em iniciativas que conversam com o seu propósito “Impulsionar Pessoas e Transformar Histórias”. E foi nesse cenário que a marca em tempo recorde promoveu uma verdadeira revolução in house e auxiliou todos os seus fornecedores a se adequarem e se certificarem na Associação, chegando hoje à marca de fornecedores 100% certificados pela ABVTEX que fiscaliza e orienta as melhores empresas do mercado.

bernardo-garios“É muito satisfatório participar desse processo e contribuir para que a marca e seus fornecedores chegassem a esse resultado. Essa iniciativa é de extrema importância para nós e para todo o setor de moda e garante processos mais honestos, dignos, rentáveis e sustentáveis em toda a cadeia de produção. Estamos muito felizes de participar desse movimento que fortalece o mercado nacional e proporciona boas condições de trabalho e remuneração a todos da cadeia têxtil”, afirma Bernardo Garios, gerente de compras da Aramis que esteve à frente de todo o processo.

*A Aramis, que completou 25 anos em 2020, tem como propósito impulsionar pessoas e transformar histórias. Por meio do mote ‘Expressão em Movimento’ entende o homem contemporâneo como protagonista da sua própria história e amplia suas narrativas para se transformar em uma plataforma de conteúdo, moda e estilo de vida. Liderada por Richard Stad, está presente em todo o Brasil com mais de 90 lojas, entre próprias e franquias, além de outlets e 900 multimarcas pelo país.

**Considerado um “divisor de águas” no combate ao trabalho análogo ao escravo e infantil na cadeia de valor do varejo de moda, o Programa ABVTEX representa o esforço setorial das redes varejistas para a implantação das melhores práticas de compliance entre seus fornecedores e subcontratados. Lançado em 2010, o Programa foi uma resposta da ABVTEX a favor do uso do trabalho digno na cadeia produtiva dos artigos de moda, e vem sendo aprimorado ao longo do tempo. A meta é tornar-se referência internacional nos próximos cinco anos.

Ao aderir voluntariamente ao Programa ABVTEX, as varejistas signatárias assumem o compromisso de monitorar 100% de sua cadeia fornecedora e somente adquirir produtos das empresas aprovadas nas auditorias, conforme estabelecido no Regulamento Geral do Programa.

da redação com informações da FSB Comunicação

1A Track&Field(*)CO S.A. (B3: TFCO4) consolida seu desempenho positivo ao apresentar seus resultados do terceiro trimestre de 2021. Além do expressivo aumento nas vendas, atingindo R$ 217,9 milhões, número 83% superior ao mesmo período em 2020 e 89,3% maior quando comparado com 2019, a companhia registrou Receita Líquida total de R$ 124,8 milhões e Lucro Líquido ajustado de R$ 20,1 milhões, crescimento de 209,7% em relação ao mesmo período em 2020 e 86% superior ao terceiro trimestre de 2019.

O contínuo desenvolvimento da omnicanalidade, unindo o físico com o digital, somado ao fortalecimento do vínculo com os públicos identificados com a marca, estão entre as estratégias da empresa que contribuem para alavancar estes resultados. A agilidade logística e a expansão da rede de lojas também são essenciais. Reforçando a forte tendência de crescimento, excluindo o efeito de abertura de novas unidades, a companhia registrou neste trimestre um aumento de 81,7% nas vendas provenientes da base de lojas que operava no mesmo período em 2019.

fernando-tracanella-cfo-e-diretor-de-ri-da-trackfield-min“O movimento de retomada da economia, com a reabertura gradual de todas as lojas, foi muito importante para o nosso negócio. Para nos adaptarmos a este novo cenário, investimos muito na digitalização e apostamos forte nas iniciativas omnichannel. Somado a isso, criamos novas formas de relacionamento e ampliamos o nosso ecossistema de experiências para os clientes”, destaca Fernando Tracanella, CFO e diretor de RI da Track&Field.

Com 12 novas lojas inauguradas no período, sendo 11 franquias e uma loja própria (outlet), a empresa totaliza 280 unidades em todo o País. Em setembro, a primeira Experiencie Store da marca foi inaugurada no Shopping Iguatemi São Paulo. A loja de 230 m², que conecta os clientes a um universo de experiências ligadas ao bem-estar e à vida saudável, conta ainda com o primeiro minimarket e café, o TFCoffee, que oferece um espaço de convivência, cardápio e curadoria de produtos.

Ao mesmo tempo em que amplia a capilaridade física, a venda digital cresce de forma alinhada com a rede de lojas próprias e franquias. No trimestre, 48% das vendas captadas pelo e-commerce foram faturadas por lojas físicas.

fred-wagner“Fechamos mais um trimestre muito otimistas, acelerando projetos importantes para o futuro. Estamos avançando no desenvolvimento da vitrine infinita, que transformará nosso e-commerce em um grande marketplace. A plataforma TFSports - que reúne todas as nossas iniciativas de wellness - ganha cada vez mais relevância, com 712 treinadores já conectados aos 227 mil usuários, oferecendo aulas e clínicas em 40 categorias” afirma, Fred Wagner, CEO da companhia.

unnamed1Para dar suporte à estratégia de expansão e crescimento da empresa, a Track&Field anuncia a chegada de Marcelo Toledo como novo Diretor de Operações. O executivo será responsável por todos os processos produtivos, com foco no aumento da capacidade de produção, inovação e sustentabilidade. Profissional com ampla experiência na indústria têxtil e de vestuário, Toledo atuou por mais de 20 anos na Cia. Hering.

Ainda neste ano, a companhia vai realizar seu primeiro evento voltado para investidores. No dia 8 de dezembro, das 10h30 às 12h, o CEO Fred Wagner e os principais executivos da Track&Field vão apresentar, em transmissão online e aberta ao público interessado, o planejamento, as estratégias e visão da empresa a partir de 2022.

*A Track&Field é uma das líderes no segmento de wellness no Brasil, com a missão de conectar pessoas a um estilo de vida ativo e saudável através de seus produtos e serviços. A empresa, atualmente, tem 280 lojas, sendo 31 próprias, 10 outlets e 239 franquias espalhadas por todo o território nacional. Está presente em 125 cidades e 25 Estados, com mais de 964 funcionários diretos, além de aproximadamente 1.500 colaboradores dos franqueados.

da redação com informações da ANK REPUTATION   imagens: foto divulgação

img-6274A Tip Top (*), rede de franquias de roupas e acessórios para bebês e crianças com mais de 125 lojas em diferentes estados do país, continuou expandindo sua rede de franquias antes mesmo da retomada da economia. Durante a pandemia, foram 18 unidades inauguradas e a meta é abrir 40 lojas ao longo dos próximos meses. O foco está, principalmente, nas seguintes praças: Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Maceió (AL), Natal (RN), Piracicaba e Marilia (SP), Porto Alegre (RS), Fortaleza (CE), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), Salvador (BA), Vitória (ES) e Campos dos Goytacazes (RJ). “É claro que não descartamos oportunidades em diferentes localizações, desde que com mais de 100 mil habitantes”, afirma Rogério Morais, gerente de expansão da Tip Top. A rede oferece três formatos de loja: Tradicional (com roupas e acessórios infantis), Mega Store (especializada em carrinhos, cadeirinhas, enxovais e, é claro, roupas) e Outlets (ofertando coleções passadas). O investimento inicial é a partir de R$ 300 mil.

rogerio-morais“A pandemia nos mostrou um grande interesse por parte dos franqueados em abrir lojas de rua, o que nos deixou bastante surpresos”, revela Morais. “A maioria dos nossos pontos de venda estão está dentro dos shopping centers, porém percebemos que agora está muito fácil de negociar o ponto de rua. É muito bom, porque também podemos marcar presença em cidades que não possuem shoppings”, comenta.

Paralelamente ao processo de expansão, em 2020, à beira de completar 70 anos de vida, a Tip Top, com o apoio de um time de experts em branding e varejo, observou o mercado, a concorrência, a própria história da Tip Top, as características da marca, conversou com os consumidores e olhou para as lojas. “Tudo isso para entender como a marca se posiciona no mercado e ter insights de como ela poderia se posicionar, levando em conta a razão de sua existência”, explica Daniela Boll, head de marketing da Tip Top.

Como consequência, mudou toda a sua identidade visual. Do logo ao projeto das lojas, agora completamente repaginadas, apenas um aspecto se mantém: a Tip Top ainda se orgulha em ser a marca dos balõezinhos, tão presentes na memória do consumidor. De acordo com Daniela, “os balõezinhos ressaltam coisas boas da infância, como festa, brincadeira, sonho e felicidade”.

daniela-bollUma marca forte e verdadeira une aspectos emocionais e negócios, e esse era um dos objetivos do rebranding: resgatar a essência das relações que permeiam a Tip Top. “A gente constrói relacionamentos com o consumidor. A relação de família é a principal para nós, afinal a Tip Top foi criada por uma família para atender outras famílias - nossos clientes sabem que podem contar com a gente para comprar da roupa do dia a dia ao look mais incrementado, de festa”, pontua Daniela.

Algumas das lojas da rede, como a do Shopping Bourbon, em São Paulo (foto), já aderiram ao novo padrão visual.

Outra mudança da Tip Top no início da pandemia foi a implantação da venda omnichannel. Tendência já popularizada em grandes redes, traz a vantagem da venda multicanal possível tanto para consumidores quanto para franqueados que aderiram à modalidade de venda. “Se o comprador está no Rio de Janeiro e realizar uma compra em nosso e-commerce, o pedido pode tranquilamente sair da Bahia, por exemplo. Assim trabalhamos com um estoque único, em parceria com o franqueado, e todo mundo sai ganhando: franqueadora, franqueado e, principalmente, o cliente, que vai receber o que ele quer e não vai sofrer com falta de estoque”, explica Vivian Koch, head de E-commerce da Tip Top.

f69a0008-hdrf69a9783-hdr1

Fundação: 1952

Início da expansão por franquia: 2008

Associado ABF - Associação Brasileira de Franchising desde: 2008

Investimento incial: A partir de R$ 300 mil

Faturamento médio mensal: R$ 90 mil

Lucro médio mensal: De 10% a 13%

Prazo de retorno do investimento: De 24 a 36 meses

da redação com informações da  Content/MD   imagens: fotos/divulgação

12-rcz_7022Em um momento tão vulnerável, o Verão22 da Lafort (*), traz a suavidade feminina aliada à alfaiataria moderna, proporcionando o futuro funcional: roupas com tecidos tecnológicos e utilitárias – funcionalidade em bolsos e zíperes e versatilidade de uso. É a coleção POESIA, peças que pedem momentos mais leves, por mais tempo para o corpo e alma.

A cartela de cores, divididas por blocos, traz tons vibrantes 10-2110gilf_044_2269como o rosa e laranja, os tons amanteigados de amarelo e verde, além do cinza urbano, azul profundo e roxo violeta. As estampas transitam nos tons de destaque e são inspiradas na natureza – flores e animal print - e padrões gráficos como as listras e o xadrez. Roupas desenvolvidas com os tecidos tecnológicos e exclusivos da Lafort, como o Technoblock®, Edge Block, Malha Chamois, os tricots, incluindo o novo fio Sedine – extremamente sofisticado e resistente as trações e fios puxados.

9-2110gilf_043_2226Um dos destaques da estação é o jeans, aliado aos básicos elevados – peças essenciais com caimento impecável, o que traz impacto nas produções.

As novas peças da coleção Poesia podem ser apreciadas presencialmente na loja no Shopping Higienópolis, e agora também em sua segunda loja no Shopping Villa-Lobos e em sua primeira loja conceito em São Paulo, no JK Iguatemi, ambas inauguradas em outubro. Mantendo o mesmo padrão, as novas unidades têm 80 m²  e projeto feito pelo arquiteto Adriano Attia, do escritório Cast Arquitetura, com características de design clean e moderno.

irit-gzermy-schillis“Nossa estética visual é mais limpa, com informação na medida certa para que as peças sejam o centro das atenções e no espaço físico isso não poderia ser diferente. Por isso, cada detalhe foi pensado para criar essa atmosfera na loja, e também deixar o lugar aconchegante onde as pessoas se sintam bem-vindas.”, conta Irit Czerny Schilis, diretora criativa e fundadora da Lafort (foto à direita)

*Inovação em alfaiataria e Tricot Premium representam a Lafort. Suas roupas possuem modelagens e caimento impecáveis. São confeccionadas com fios e tecidos exclusivos e tecnológicos como o Technoblock®, que não amassa, não marca o corpo, possui conforto térmico e traz praticidade para a mulher contemporânea que preza por elegância. A marca possui lojas próprias em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, além de estar presente em mais de 140 multimarcas em todo o Brasil.

da redação com informações da JUPUGLISI+  imagens: fotos/divulgação

VANS SURF

worldfashion • 15/06/20, 10:37

A Vans®, parte da VF Corporation (NYSE: VFC), é a marca original dos tênis, vestuários e acessórios para action sports. As coleções autênticas da Vans® são vendidas em 84 países através de uma rede de subsidiárias, distribuidoras e lojas parcerias. A Vans® possui mais de 2.000 lojas ao redor do planeta, incluindo lojas próprias, franquias e portas parceiras.

A marca Vans® é a expressão criativa na cultura jovem com os action sports, arte, música e cultura de rua além de entregar plataformas progressistas como o Vans Park Series, Vans Triple Crown of Surfing®, Vans Pool Party, Vans Custom Culture e o hub cultural e espaço para a música internacional House of Vans.

71121f25bbd2137d7a01140557a02ecdlowA surfista Leila Hurstda é da ilha de Kauai no Havaí e sempre priorizou seus objetivos, concentrando-se em sua profunda conexão com o oceano e estilo de vido ativo - característica que é destacada em sua última coleção-cápsula, que enfatiza o conforto diário, as energias boas e divertidas.

Divertida e apaixonada, a surfista de alma havaiana é incrivelmente dedicada aos seus objetivos e à sua busca pelo sucesso. Membro da família Vans Surf desde 2007, Leila é muito mais do que uma surfista, sendo voluntária em organizações sem fins lucrativos como a “Life Rolls On Foundation” e atuando como mentora de novas surfistas todos os dias.

A coleção cápsula tem o Slip-On SF como principal tênis da coleção, apresentado numa estampa delicada inspirada na vida animal em combinação com tons suaves e neutros. Construído com um cabedal de lona e algodão reforçado, além de possuir o calcanhar dobrável, essa releitura do Classic Slip-On é extremamente prática, confortável e funcional para os momentos de passagem antes da sessão (da rua para a praia) e após sessão ebc58e5b701007f328f7a0af1dddd252low(da praia para a rua).  As palmilhas UltraCush removíveis proporcionam conforto superior. A silhueta desenvolvida pela divisão de surf da Vans também conta a icônica sola Waffle e é finalizada com tintas e cola à base de água. E a estampa animal exclusiva da surfista Leila Hurst ainda pode ser encontrada em mais duas silhuetas da coleção (Style 36 e UltraRange EXO), assim como nas peças de vestuário.

d9fbba7a68451eec82d731d1c8755c08lowO moletom com capuz da coleção apresenta um corte mais curto, detalhes estampados em toda a peça e o logo da Vans bordado no peito. A camiseta, também de comprimento curto é construída de algodão e recebe uma estampa frontal exclusiva da coleção-cápsula. Além do tênis e das peças de vestuário, complet a coleção a mochila Ranger Backpack, desenvolvida de poli-cetim com estampas minuciosas de padrão animal, tiras ergonômicas e funções essenciais (capa para notebook, bolsos frontais com zíper e bolsos laterais para garrafas d’água).

A nova coleção em colaboração com a Vans carrega o seu entusiasmo e espírito cativante, inspirando mulheres ao redor do mundo.

A coleção cápsula Vans X Leila Hurst já está disponível em surf shops autorizadas e em vans.com.br.

da redação com informações da  MktMix Assessoria de Comunicação imagens: fotos/divulgação

27º Backstage do Varejo

worldfashion • 08/11/18, 15:19

img_6695-640x427

O 27º Backstage do Varejo realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos e Serviços para o Varejo – Abiesv, ocorrido no dia 26 de setembro, no auditório da FAAP, deu destaque a dois temas diretamente ligados ao bom desempenho do ponto de venda: Iluminação e  Visual Merchandising.
O primeiro deles, conduzido por Antônio Carlos Mingrone, da Mingrone Iluminação, abordou com conteúdo científico e casos práticos de diversos projetos a questão “Como a img_7052-640x427iluminação vem transformando os espaços de vendas”.
Na segunda metade, foi promovido o debate “Visual merchandising e iluminação”, sob a coordenação de Sônia Paloschi, diretora da Purchase Comunicação & Marketing e diretora de Marketing da Abiesv, com a participação de Ariane Cristine Diniz, gerente geral de Visual Merchandising do Grupo Riachuelo; de Carolina dos Santos Rodrigues de Melo, responsável pelo setor de Visual Merchandising junto ao Departamento de Franchising da Morena Rosa; de Milton Bueno, gerente de Visual Merchandising da Alô Bebê, e de Rogério Pacheco da Cunha Cruzatto , gerente de Visual Merchandising do Conceito & Store Design do Grupo de Lojas Marisa.
O painel ressaltou que para um trabalho efetivo de VM há a necessidade de se considerar a evolução tanto das técnicas, com uso de inovações e tecnologia, quanto da formação dos profissionais, o que resulta principalmente nos processos internos de trabalho.
Nesse novo processo, os profissionais de Arquitetura e de VM hoje trabalham juntos, como uma verdadeira dupla de criação. São perceptíveis os resultados tanto de vendas quanto da melhoria visual das lojas, tornando-as mais convidativas aos clientes.
Marjorie Lee, professora de VM do Lim Institute em Nova York, formada pela Universidade do Texas e pelo FIT (Fashion Institute of Technology), falou sobre “A Influência da Arte & Fashion no Visual Merchandising”.  Eric Feigenbaum, por sua vez, conselheiro editorial e diretor da New York Magazine, diretor de Workshops da WindowsWear, e presidente da Associação de Visual Merchandisiers,  abordou “O design é o desejo.
img_6739-640x427A Revista World Fashion entrevistou a consultora e palestrante Sônia Paloschi, com 30 anos de atuação na área de varejo e hoje à frente da Purchase Comunicação & Marketing, responsável por projetos de Store Design e Visual Merchandising, além de diretora de Marketing da Abiesv. A executiva tem contribuído de forma positiva para a evolução da importância do VM nas organizações varejistas, também na Moda.
VM e sua importância hoje: Visual Merchandising é um vendedor silencioso, faz com que o produto seja visto pelo cliente de forma bem atrativa, ou seja, ajuda a fazer com que a venda aconteça. Parto do princípio que o VM tem que ser visto como um trabalho estratégico. É a junção de compras, marketing e a operação da loja, que entra para dar suporte para uma boa arquitetura, e uma boa exposição de produto e uma boa compra.
O momento atual para o Varejo: Hoje, a tecnologia digital é vista como ameaça à loja física. Isso tem gerado certo medo em lojistas e funcionários, mais pelo desconhecimento do impacto real das consequências dessa inovação. Essa percepção não é a realidade total. Claro que o varejista não pode achar que a loja física vai continuar como é hoje. O digital vem com força de inovação e o lojista tem de fazer sua parte. A moda tem um desafio único que é a experiência de provar no próprio corpo, ver o que fica melhor, o que não fica bem, o que combina com o que, etc. A loja tem de fazer seu papel, que é atrair o cliente. O primeiro passo é o projeto arquitetônico considerar que trabalha com o sonho da mulher – isso vale também para a loja ou departamento masculino. O VM começa com a vitrine e tem de equilibrar a arquitetura da loja com a iluminação nos diversos espaços da loja para expor os produtos conforme sua posição naquele cenário.
img_6738-640x427A(o) cliente: Conforme pesquisa, reconhecida no mercado e mencionada em diversas publicações, inclusive do Sebrae, a cliente demora entre 2 a 5 segundos para decidir se entra na loja a partir da vitrine. Mesmo lojas do tipo open front (sem a vitrine) a porta é a VM e faz às vezes de vitrine. Também 50% das que entram numa loja viram a vitrine antes.
Confecção 4.0: A tecnologia está impulsionando a confecção a se modernizar, para a chamada Quarta Revolução Industrial, a chamada 4.0. Haverá necessidade de total integração Fornecedores – Confecção – Varejo – Clientes. Nesse caso, o VM terá que incorporar – hoje é ainda em casos isolados – maior participação do Gerente de Produtos orientando para as tendências de cada coleção, trabalhando em conjunto com colegas arquitetos, VM e estilistas.
Nesse trabalho, o Gerente de Produtos (GP) terá a função de: 1) definir as tendências da coleção e as fontes de inspiração e, conforme sua experiência… 2) apostar qual a tendências de Valor Alto, a de Valor Médio e a de Valor Baixo. É uma aposta que o GP elege para o êxito da coleção; 3) as apostas precisam obedecer aos seguintes critérios: a tendência de Valor Alto deve orientar a vitrine; a de Valor Médio deve ficar nos pontos focais e mais importantes da loja e a de Valor Baixo, distribuída pela loja.  Esse serviço é fundamental ser prestado ao varejo pela confecção, seja monomarca ou multimarca. Portanto, trata-se de um processo inovador e necessário.
por Tadeu Dix        fotos:divulgação

BABY BUM - 25ª EDIÇÃO

worldfashion • 18/10/17, 09:39

feira-baby-bum-geral-640x426Em São Paulo, acontece a feira, pioneira no segmento infantil para varejo, que reúne grandes marcas de vestuário, decoração, gastronomia e acessórios para mães e bebês, em um galpão na Vila Leopoldina, em São Paulo. Mais de 100 marcas com características autorais, inovadoras e criativas nas áreas de vestuário e moda praia, decoração, gastronomia, puericultura, enxoval, festa, fantasia, brinquedos, joias, acessórios e maternidade, para mães, pais, bebês e crianças de até 12 anos. casa-monica-4-640x640112-640x6401E a cada edição, novas marcas passam pela curadoria das idealizadoras e sócias do evento Graziella Ades Soubhia,e Daniela Schiller para garantir que sempre haja novidades para o público.

Realizada de quarta-feira a sábado e com entrada gratuita, a feira surge como uma ótima oportunidade para as mães e pais que trabalham fazerem a visitação de forma a aproveitar o horário de almoço ou o período noturno, ou ainda irem com mais tempo no sábado acompanhados pelos seus filhotes. Além disso, para tornar a experiência de compra mais agradável e conveniente, a Baby Bum utiliza o sistema de voucher, portanto os pais conseguem passear e comprar à vontade e, no final, efetuar o pagamento no caixa central. E ainda, podem escolher retirar as sacolas pessoalmente ou utilizar o serviço de acompanhamento onde for mais apropriado para eles, seja no restaurante, valet, no local das atividades ou no estacionamento.

image4-640x640image3-640x640A Baby Bum ocupa 3.500 metros quadrados do galpão dedicados a estandes com as marcas, espaço de amamentação e fraldário em sala reservada, restaurante e atividades para os pequenos, incluindo a área de brincadeiras organizada pela Cadêbebê – um espaço de vida, brincadeira e arte onde as mães poderão deixar seus filhos com segurança pelos valores de R$ 15,00/ 30 minutos e R$ 20,00/ 60 minutos.

Presentes no mercado há 12 anos, a Baby Bum é um modelo de negócios que atende principalmente o consumidor final e não somente a lojistas. E se consagrou como um dos maiores e mais conceituados eventos do segmento e a cada edição atende mais de cinco mil visitantes.

Serviço:

Entrada: Gratuita

Datas: 25 a 28 de outubro de 2017

Horário: das 10h às 20h (todos os dias)

Av. Mofarrej, 1505 – Vila Nova Leopoldina

Formas de pagamento: Cartões de crédito e débito: VISA e Mastercard

Não aceita cheques.

Espaço para amamentação e fraldário disponível em sala reservada.

Área de brincadeiras Cadêbebê: R$ 15,00 por meia hora / R$ 20,00 por uma hora

Valet Parking: R$ 35,00 – com área de recepção coberta e seguro para carro importado ou estacionamentos com outras opções de preço no quarteirão seguinte.

da redação do WORLD FASHION    fonte: NAMIDIA assessoria de comunicação    fotos: divulgação