Convenio APEX BRASIL e ASSINTECAL

worldfashion • 19/07/18, 18:31

img_6312-480x640Foi assinado no último dia 17 de julho de 2018, às 19h, dentro do evento Inspiramais_II que se realizou no  Centro de Eventos Pro Magno - Avenida Profª Ida Kolb, 513, Casa Verde, o convênio entre a Apex- Brasil e a Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal) no valor de R$21,4 milhões com setor coureiro-calçadista e prevê retorno de US$ 676 milhões em exportação.

O convênio terá duração até abril de 2020 e inclui setor de máquinas e reforço aos pequenos e médios. Entre as metas está colocar o Brasil como referência em moda e design

Junto com a assinatura dos convênios da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento s) com a Assintecal e com o CICB, com duração de 2018 a 2020 (abril/2020) tendo como objetivo geral tornar os setores de componentes de moda, tecnologia, químicos e máquinas para calçados e curtumes conhecidos internacionalmente por meio do design, inovação e sustentabilidade, posicionando o Brasil como um mercado referência em moda.

img-apexDurante esse período, a Apex-Brasil injetará no setor R$ 21,5 milhões,  sendo R$ 12,9 milhões em ações de exportação e R$ 8,5 milhões  destinado ao Projeto Comprador  - onde são realizadas rodadas de negócios com compradores internacionais. A projeção de retorno em exportações para o setor coureiro-brasileiro é de US$ 676 milhões, sendo previsto já em 2018 um retorno de 298 milhões.

download4Outro importante destaque é a inclusão das empresas da vertical de máquinas, através da cooperação entre Assintecal e a Abrameq (Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas para Couros e Calçados), ao qual o projeto agora responde como By Brasil Components Machinery and Chemicals.

O trabalho será integrado com quatro verticais: Químicos para Couro, Moda, Tecnologia, e Máquinas para calçados e curtumes. Para cumprir com o objetivo do convênio, o projeto By Brasil deverá focar em estratégias como: agregar valor à venda dos produtos, potencializar negócios por meio de plataformas virtuais B2B, fortalecer estratégia de posicionamento do setor por meio do design, inovação e sustentabilidade, transformar o perfil das empresas para exportadoras contínuas, com ênfase no atendimento diferenciado para as Micro e Pequenas Empresas.

Atualmente, o trabalho de exportação já envolve 337 empresas exportando para mais de 100 países, e já somam 125 diferentes produtos exportados por ano. Para entendermos mais sobre a importância deste trabalho, as exportações do projeto By Brasil (programa promovido pela Apex-Brasil) representam hoje 46% do setor de componentes brasileiro. Em 2017 foram exportados mais de US$ 285 milhões.

Além das exportações, o convênio garante uma série de ações para as pequenas e médias empresas durante todo o projeto. Atividades como o Projeto Comprador (que realiza rodadas de negócios) envolveram mais de mil compradores desde o início dos convênios, que se iniciaram em 1998.

apexHoje são mais de 195 participações em feiras internacionais e missões realizadas na Coréia do Sul, EUA, Alemanha, Itália, Portugal, Japão, China, Suécia, Bélgica, Finlândia, México, Colômbia, Guatemala, Vietnã, França, Indonésia e Turquia.

Foi realizada na mesma data a cerimônia de posse da nova diretoria para o Biênio 2018-2019 e as perspectivas para a nova gestão.Posse da diretoria

594_big_comunicado-assintecalHá 35 anos a ASSINTECAL ( Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos) representa o setor de componentes com a missão de impulsionar o mercado brasileiro e levar os nossos produtos para além das fronteiras.

Juntos com os associados, trabalham para o crescimento competitivo e sustentável do setor, levando novas ideias, tecnologias inovadoras e suporte criativo, estratégico e financeiro para as empresas.

Gerando mais valor para o negócio do associado e desenvolvendo toda a cadeia produtiva, reflete na evolução do setor como um todo.

Hoje atuam nacionalmente em diversos polos calçadistas com mais de 300 empresas associadas, com a visão de entregar soluções em tecnologia, design, sustentabilidade e eficiência operacional de classe mundial

Após o período de 2016 e 2017, a Assintecal apresentou a nova diretoria, que é renovada a cada dois anos, o mandato da nova gestão será para o período 2018-2019.

O Milton Killing, presidente da Killing, permanece como presidente da entidade. Essa será sua terceira gestão à frente da Assintecal.

Entre as novidades, a diretoria contará com a proximidade dos polos calçadistas, e a chegada de integrantes locais de Nova Serrana (MG), Franca (SP), Paranhana (RS), Birigui (SP) e São João Batista (SC) – que assumem como vice-presidentes setoriais.

DIRETORIA

Milton Killing Killing Presidente

Gerson Berwanger Bertex Vice-Presidente Executivo

José João Dewes Dewes& Link: Consultoria e gestão Vice-Presidente Executivo Administrativo/Financieiro

William Marcelo Nicolau  Cipatex Vice-Presidente Institucional

LisianeKnust            Artecola Vice-Presidente Mercado Internacional

Cláudia Madrid Braskem Vice-Presidente de Inovação

Saulo Pucci Bueno Amazonas Vice-Presidente Sustentabilidade

Gilmar Haag Cofrag Vice-Presidente Design

José Claudio Blos Intexco Vice-Presidente Setorial Calçado

Viviane Kogler MK Química Vice-Presidente Setorial Couros

Atson Rodrigues Melo   Atta Injetados Vice-Presidente Nova Serrana/MG

Renato Raimundo Stick Fran Vice-Presidente Franca/SP

César Kerschner Injepar Vice-Presidente Paranhana/RS

Aécio Junior J R Dublagens Vice-Presidente Birigui/SP

Luciana Clemes Injeplan Vice-Presidente São João Batista/SC

CONSELHO FISCAL

Tanha Schneider Lauermann Schneider - Auditoria & Consultoria

Oseias Schroeder PVC Sul Plásticos

Rogério Walmor Cervi  REP Seguros

da redação do WF        fonte: Agência Cápsula      imagens: divulgação

CUSTO BRASIL

worldfashion • 05/04/18, 16:22

da925314-4eb8-48d6-bfbb-3d9c9ddd5d76-640x480A ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção)  divulga que em fevereiro 2018, a produção física de produtos têxteis caiu 4,4% e a de vestuário e acessórios, 1,7%, em relação a janeiro. Esta retração ficou bem acima da média geral da indústria de transformação brasileira, que foi de 0,1%. Na comparação com fevereiro de 2017, observa-se acentuado recuo na fabricação de roupas, de 7,5%, ante crescimento de 1,3% dos produtos têxteis e de 4,1% da manufatura em geral.

not-producao-de-texteis-evolui-em-maio-10071715332779No acumulado do primeiro bimestre de 2018, fica clara a tendência de queda das confecções, cuja produção física recuou 2,7% no período, no qual os têxteis cresceram 5,1% e a indústria de transformação como um todo, 5,4%.  A entidade considera que o desempenho é reflexo da baixa competitividade da economia nacional, juros altos, elevada carga tributária, câmbio e o custo Brasil, e destaca também a concorrência desleal exercida por alguns países asiáticos.

foto015A despeito de todos esses problemas, a indústria têxtil e de confecção tem sido uma das que mais estão contratando trabalhadores na manufatura nacional. O seu saldo positivo, de 8.217 vagas no primeiro mês do ano, é o segundo melhor da indústria de transformação. Em 12 meses, quando houve saldo positivo de 83.539 empregos no País, o setor teve o terceiro melhor desempenho em toda a indústria de transformação (3.804 postos de trabalho).

da redação WORLDFASHIONREVISTA  fonte: Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação fotos: divulgação

INFORMAÇÕES ABIT

worldfashion • 10/08/17, 15:22

da925314-4eb8-48d6-bfbb-3d9c9ddd5d76-640x480

1 - Balança comercial de Janeiro a Julho de 2017

A  ABIT  - Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções divulgou nesta quarta feira, que a balança comercial do setor de Janeiro a Julho de 2017  das importações do setor têxtil e de confecção (sem fibra de algodão) aumentaram 25% em volume entre janeiro e julho deste ano, e 6% na comparação entre julho de 2017 e o mesmo mês de 2016. Mas por outro lado, as exportações caíram 7% em volume no acumulado dos sete primeiros meses deste ano e 2,6% na comparação entre julho de 2017 e o mesmo mês do ano diretamente anterior.

A associação apurou, ainda, que as importações de vestuário tiveram crescimento expressivo na comparação entre julho de 2016 e 2017, de 68,5%. Nos sete primeiros meses deste ano, a evolução foi de 36%.

Já o volume de exportações neste segmento cresceu 2% nos sete primeiros meses de 2017, em comparação ao mesmo período do ano passado. Na comparação entre junho de 2016 e o mesmo mês de 2017, por outro lado, houve aumento de 5% no volume exportado.

De acordo com o balanço da Abit, segmentos como camisetas, saias e meias mostraram forte alta no volume importado de janeiro a julho deste ano, de 227,9%, 355,8% e 135,2%, respectivamente.

O preço médio pago por estas mercadorias mostrou forte queda, de 62,92%, 54,84% e 28,32%, respectivamente.

2 - WORKSHOP sobre “sistemas de compliance”

No próxima quarta-feira, dia 16/08, a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) reunirá empresários do setor em workshop para discutir os “Sistemas de Compliance”.

A discussão faz-se necessária devido ao andamento da Lava Jato e às profundas transformações pelas quais o Brasil está passando. O cenário exige que as empresas fortaleçam seus códigos de ética e transparência ou, para as que ainda não têm, fica clara a necessidade de criarem programas de governança e compliance.

fernando_pimentel-460x3001“Durante o ano em que a Abit comemora seu 60º aniversário, programamos uma série de eventos para compartilhar com os nossos associados, e compliance é um dos temas mais importantes para o setor e para esta época em que estamos. As boas práticas precisam ser compartilhadas e servir de exemplo para as empresas que ainda não têm nenhum sistema de governança ou código de ética”, afirma Fernando Pimentel, presidente da Abit.

SERVIÇO:

Workshop Abit: Sistemas de Compliance

Quando: 16 de agosto de 2017 (quarta-feira)

Onde: Rua Marquês de Itu, 968, Higienópolis – São Paulo

Valor: R$ 50 para associados e R$ 150 para não associados

Inscrições: fernanda.tamburus@abit.org.br

Da redação do World Fashion         informações para imprensa: Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação     Fotos: divulgação

2ª EDIÇÃO DO TOP5

worldfashion • 26/07/17, 17:18

download-176x104

O IN-MOD (Instituto Nacional de Moda e Design) foi criado em 2004, é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, que tem como missão trabalhar, no mercado interno e externo, pelo reconhecimento e visibilidade da moda e do design brasileiros como segmentos de valor agregado. Desde sua fundação, o IN-MOD trabalha para integrar esforços públicos e privados em torno de um planejamento sustentável de médio e longo prazo para a moda e o design brasileiros, gerando desenvolvimento através da Economia Criativa.

Em 10 anos, o IN-MOD já promoveu 09 rodadas de Encontros de Economia Criativa, eventos internacionais, 54 exposições, instalações, festivais de cultura, livros, documentários e outros.

O Top5 é uma das iniciativas realizadas pelo Instituto Nacional de Moda e Design (IN-MOD) em parceria com o Sebrae Nacional por meio do convênio “Contextualizar na Moda III” voltado para a construção e fortalecimento de relações sustentáveis na cadeia produtiva da moda.

O IN-MOD e Sebrae anunciam as cinco marcas da 2ª edição do TOP5, que participarão do programa de aceleração de negócios da moda neste ano. São elas: Borana (ES), Kalline (SC), Karine Foury (RJ), Led (MG) e Vankoke (RN). Estas marcas beneficiadas desfilarão juntas no SPFW44 em agosto próximo, contarão com consultorias mercadológicas especializadas em Conceito de Produto e Gestão de canais multimarcas e marca canal de alto valor agregado e no final as duas de melhor desempenho, durante o programa apresentarão suas novas coleções no SPFW45 em março de 2018

721bb3de71eb2f64dce57f651a428572-640x427-21“O Top5 é um amplo processo de aceleração, que tem como principal objetivo transformar estas empresas em cases de inspiração regionais e nacionais e utilizá-las como modelo de sucesso, motivando outros empreendedores a replicarem processos semelhantes para a indústria da moda”, explica Heloisa Menezes, diretora técnica do SEBRAE Nacional.

marcia-matsuno-640x4391Nesta edição, os empreendedores receberão consultoria e acompanhamentofoto-olivia-merquior-634x6292 em gestão empresarial e de branding com a especialista em Marketing, Marcas e Novos Negócios, Márcia Matsuno, bem como consultoria em desenvolvimento de produto com Olivia Merquior, diretora da Dacri Deviati, empresa de interpretação e análise de informações para melhorar os processos criativos do setor. Além disso, cada marca contará com um showroom em São Paulo para apresentar a coleção a possíveis compradores e auxiliar o direcionamento comercial dos produtos a serem desenvolvidos por meio de relatórios e observações sobre a coleção.

Por fim, como esses pequenos negócios são atendidos pelo Sebrae, eles continuarão participando das ações estratégicas de atendimento para gestão de negócios nas agendas dos projetos da entidade, fortalecendo ainda mais a trajetória de sucesso que já está sendo trilhada.

paulo-borges-640x480“O programa se propõe de forma prática a estruturar coleção, conceito do produto e preço, e melhorar o networking de fornecedores e a participação em plataformas de imagem e comunicação”, complementa Paulo Borges, criador do SPFW e um dos curadores do IN-MOD.

“Nossa expectativa é que o TOP5 nos ajude a crescer e contribua para desenvolvermos nossa identidade de marca, para conquistarmos uma posição melhor no mercado, chegando a mais mulheres”, afirma a empresária e estilista Adriana Patrícia da Vankoke, uma das marcas escolhidas pelo programa. Vários outros pequenos negócios acabam sendo envolvidos no Top5, já que essas pequenas empresas participantes também têm como fornecedores outros pequenos negócios, que são igualmente beneficiadas, recebendo estímulos para o desenvolvimento e sofisticação nessa cadeia de valor. Em média, é possível dizer que para cada uma das empresas selecionadas, outras quatro são impactadas positivamente na produção de acessórios, bolsas, bijuterias, maquiagem, estamparias, etc.

As marcas beneficiadas participaram de um processo de pré-seleção que contemplou 60 marcas indicadas pelo Sebrae – quatro de cada UF.  E, nas seletivas, conseguiram se destacar entre 20 empresas pré-selecionadas, que representaram produções do nordeste, sudeste e sul do País: Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Santa Catarina.

ffwmag-revista-festa-onde-comprar-graca-cabral-640x427“Na pré-seleção desta edição, tivemos uma participação de maior capilaridade pelo Brasil e um retrato da variedade de segmentos do nosso mercado, como moda praia, jeans, festa, streetwear, moda feminina e até propostas mais criativas. Foi possível notar também que as empresas estavam muito interessadas na busca de conhecimento e abertas aos feedbacks. Nosso formato de seletiva consegue promover um contato frente a frente com vários especialistas e esperamos que as considerações recebidas já signifiquem inspiração e aprendizado aos participantes”, destaca Graça Cabral do IN-MOD e uma das idealizadoras do TOP5.

“A troca de informação que temos é incrível. E o projeto pode ser um ponto de virada para o que estamos precisando no momento, principalmente em permear novas possibilidades de usar e fazer moda”, ressalta Célio Augusto Dias Jr. da Led.

Os consultores participantes acreditam que cada uma das empresas selecionadas se sobressaiu em algum elemento diferencial. A marca de moda praia Borana, por exemplo, tem apelo brasileiro, mas com toque original. É leve, descontraída e jovem. A Kalline é uma empresa consolidada que tem um produto de muita qualidade e que está à frente do desafio de valorização da marca própria. Já a Led, mostra vocação para o design e uma vontade de criar uma assinatura atemporal para a marca. A Karine Foury conquistou seu espaço com um caminho muito particular de coleção com peças de design focadas no potencial de crescimento e desenvolvimento no setor de resort, que tem bastante espaço num país como o Brasil. Completando a lista, a Vankoke é uma marca que tem estrutura e agilidade dentro de um mercado já consolidado de moda feminina e que demonstra vontade de explorar caminhos mais autorais.

Para chegarem nesta lista, o grupo de jurados analisou critérios importantes como design, qualidade, originalidade e visão de negócios. Fazem parte do júri do TOP5: Márcia Matsuno, executiva com 22 anos de experiência nos mercados de Moda & Design e Luxo em empresas como Alpargatas, Zoomp, Loungerie – atua como consultora do TOP5 para gestão e branding; Olivia Merchior, diretora da Dacri Deviati, focada em análise de informações para melhorar os processos criativos de empresas de moda – atua no programa como consultora de desenvolvimento de produto; Sandro Rego, especialista com 20 anos de atuação em varejo de moda; Graça Cabral, co-fundadora do SPFW e uma das idealizadoras do IN-MOD; Camila Yahn, editora-chefe do FFW e FFWMAG; e Augusto Mariotti, diretor de Conteúdo do FFW.

spfw-43Em dezembro de 2017, as empresas deverão apresentar uma coleção cápsula dentro do processo de orientação dos consultores do TOP5 quando será avaliada a evolução de cada marca. As duas empresas que mais se destacarem e responderem aos estímulos recebidos, apresentando consistência e mostrando que estão aptas a dar um salto qualitativo serão premiadas com um desfile coletivo a ser realizado no SPFWN45, em março de 2018, onde cada marca apresentará 15 looks da sua coleção para imprensa especializada, formadores de opinião e convidados. Este desfile marcará a apresentação destas empresas ao mercado, uma primeira experiência na passarela, como também o encerramento do projeto.

borana-top5_385-427x640Borana, Espírito Santo

Com inspiração no colorido naturalmente brasileiro, a Borana nasceu em 2010, no Espirito Santo, quando uma das sócias da marca buscava biquínis com estampas mais expressivas e jovens e que as peças, além dos tamanhos, pudessem ser compradas separadamente. Assim, com a experiência da família em confecções, os primeiros biquínis Borana foram produzidos. As peças fizeram sucesso e logo chegaram as primeiras encomendas. Entre os anos de 2013 e 2014, a marca cresceu com o seu DNA de originalidade e leveza, e começou a produzir roupas. Hoje a Borana já conta com lojas físicas na Praia do Canto, em Vitória e outra no Shopping Vila Velha, e-commerce e revendas em todos os estados do Brasil, além de exportações para Japão e Portugal.

kaline-top5_138-427x640Kalline, Santa Catarina

A Kalline surgiu em 1990, em Santa Catarina com a expectativa de ser referência no mercado de couro. A ideia surgiu quando os criadores Nivaldo Rizzotto e Jaqueline Rizzotto enxergaram um modelo de negócios em meio a um mercado escasso em produtos de couro. Com a persistência dos donos, a empresa cresceu e ao longo dos anos se transformou em modelo na moda em couro, além de ser sinônimo de qualidade, produção local e tradição de um material durável.

karine-foury-top5_092-427x640Karine Fouvry, Rio de Janeiro

Criada no fim de 2014 com o desafio de produzir uma alfaiataria impecável, a proprietária da marca, Karine Fouvry, uma francesa apaixonada pelo Brasil, que vive no Rio de Janeiro, na praia do Flamengo, apresentou a sua primeira coleção, nômade, lançada em abril de 2015 durante o Minas Trend. As peças da marca têm corte irretocável, além de acabamento primoroso e um cuidado excepcional com tecidos. Já em seu primeiro ano, a label conseguiu ser comercializada em multimarcas no Brasil e em Nova Iorque. São três coleções por ano, todas sob encomenda. A flexibilidade do atelier permite atender pedidos personalizados e hoje com mais de seis coleções criadas, é vendida em 13 lojas multimarcas pelo mundo.

led-top5_218-427x6401Led, Minas Gerais

Desde que surgiu em 2015, a brand mineira LED, fundada pelo designer Célio Dias, tomou como prioridade a expressão de uma moda unissex, jovem, atenta à não-categorização de gêneros e em busca de seus próprios padrões de beleza. Com ideias e conceitos plurais, a LED carrega em sua trajetória um total compromisso com a liberdade de escolha, valor embutido em todas as peças de design sem gênero definido. Para desenvolver seus pilotos, a LED busca inspiração nas ruas, nas relações que se dão na cidade e na expressão daqueles que compõem a cena urbana. Além da sua proposta no gender, a marca inova no próprio movimento, dando ao sem gênero um viés leve e alegre.

vankoke-top5_165-427x640Vankoke, Rio Grande do Norte

Com DNA potiguar, a Vankoke nasceu em 2006 a partir da visão da empresária e estilista Adriana Patrícia de redirecionar o olhar da label para um mercado de moda com maior valor agregado. Sensível aos desejos do universo feminino, a Vankoke possui cultura corporativa sólida e uma gestão voltada para o encantamento, que busca sempre superar as expectativas dos clientes ao fazer da moda um instrumento de expressão da individualidade.

Com agilidade na criação, produção, distribuição e difusão de novas tendências, a marca produz moda para mulheres que buscam estilo, contemporâneas, sofisticadas e elegante. Uma fast fashion antenada, criando tendências e atendendo desejos de suas consumidoras.

da redação do WORLD FASHION   Contato para Imprensa IN-MOD Edelman Significa / Sebrae Carlos Abreu   Fotos: divulgação

Sinditêxtil-SP

worldfashion • 08/06/17, 17:56

coletiva-de-imprensa-prefeitura-sinditextil-sp-640x360Em solenidade realizada na manhã desta quinta feira (8/6) na sede da prefeitura com o prefeito de São Paulo, João Doria e o presidente da Sinditêxtil-SP, Luiz Arthur Pacheco,foi anunciada a doação ao município de São Paulo, de 54.500 peças de vestuário viabilizadas por meio de empresas associadas do setor têxtil e de confecção do Estado, que serão divididas entre colaboradores das 32 prefeituras regionais totalizando 300 colaboradores e os 2.500 agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Os uniformes da prefeitura serão entregues em julho e da CET em setembro.

Para Pacheco, o apoio a solicitação feita às empresas no início do ano pelo prefeito João Doria, presente ao ato, mostra o comprometimento do setor têxtil e de confecção com as causas consideradas justas. “Quando as causas partem de iniciativas nobres como esta, nós só temos de apoiar e elogiar. É importante enfatizar a atitude desses empresários, que em um momento de profunda crise, depois de dois anos de muita recessão e fechamento de postos de trabalho no Estado de São Paulo, se colocaram à disposição para realizar esse gesto e doar os uniformes”, salientou Pacheco.

O presidente do Sinditêxtil-SP ressaltou, ainda, que as doações obtidas pelo empresariado somam aproximadamente 3 milhões de reais, valor ainda mais expressivo considerando o momento delicado vivido pela indústria de têxteis e confeccionados, prejudicada pela crescente pirataria e importações desleais. Ele também destacou o apoio institucional e técnico recebido da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), que possibilitou a agregação das empresas envolvidas e fez a interface com a Prefeitura.

O dirigente enfatiza que não foi recebida qualquer contrapartida da prefeitura para aderir à causa, mas reforçou solicitação antiga do setor em relação a administração municipal para pleitear a retomada de uma comissão tripartite com o objetivo de combater a sonegação fiscal, importações desleais e a pirataria.

reuniao-doacao-de-uniformes-sinditextil-e-associados-640x470“É essa contrapartida que os governos podem nos dar, porque as empresas que estão realizando suas doações são idôneas, empregam, registram seus funcionários e recolhem seus impostos em dia, mas diariamente vêm sofrendo uma concorrência predatória e muito desleal. É o que nós esperamos do governo municipal, estadual e federal”.

Seguem a lista das empresas que farão as peças das prefeituras regionais: Bivik (Casaco Masculino), DL (Casaco Feminino), Kabriolli (Camisas Masculinas e Femininas), Lorsa (Calças Masculinas e Femininas), Malharia Vitória (Suéteres Masculinos e Femininos), Paramount Têxteis (Fios para malharia) e Pixie (Saias). Já para os uniformes da CET, foram feitas pelas empresas: Capricórnio (Camisetas), CHT (Produtos Químicos), DM (Tecidos Reflexivos), Irmãos Perfeitos (Botões), Leal e Ideal (Confecção de Calças), MN (Tecidos Fluorescentes), Moais (Confecção de Camisas), Vectra (Confecção de Camisas) e Vicunha (Tecidos Básicos).

da redação do WORLD FASHION   Informações para imprensa: Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação fotos:divulgação

Abepem - Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda

worldfashion • 12/05/17, 17:06

abepem_coloquiodemoda_plateia1

A Abepem Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda, surgiu após cinco anos da organização do Colóquio de Moda. O grupo de professores que já vinha realizando o encontro, entendeu que que era possível ampliar o alcance de discussões e de pesquisas na área.

kathia-castilho-presidente-abepem-moda“Como professores, entendemos que esta era uma excelente oportunidade de incentivarmos a pesquisa da Moda. Assim, criamos a Abepem, uma instituição sem fins lucrativos”, explica Kathia Castilho, presidente da associação.

E assim desde 2009, a Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda – Abepem (www.abepem.com.br) tornou-se a principal rede no país para reflexão e estímulo do setor. Reune estudiosos para aprofundar e difundir pesquisas sobre Moda, um dos mais relevantes setores da economia mundial, e no Brasil, gera emprego e riqueza e representa 5% do Produto Interno Bruto – PIB.

A associação com sede em Perdizes, zona Oeste de São Paulo,  já realizou 179 cursos, sendo 126 tecnológicos e 53 de bacharelado, cresce em todo o país o interesse pelo campo da investigação científica em Moda e Design,  é parceira de universidades e institutos de pesquisa nacionais e internacionais.

Produz e compartilha conhecimentos e estudos na área de Moda para o mercado e para a sociedade por meio dos eventos que realiza, como o Colóquio de Moda, que é um encontro internacional e já está em sua 13ª edição, e a cada ano acontece em um Estado brasileiro e reunindo, aproximadamente, 1300 congressistas entre associados, gestores, professores, profissionais e alunos, estudantes de diferentes níveis da graduação e alunos de pós-graduação, de mestrado e de doutorado.

Além do Colóquio de Moda, que está consolidado como o maior congresso científico de Moda do Brasil, a Abepem realiza o Fórum Nacional das Escolas de Moda, o Seminário Internacional de Estudos e Pesquisas em Consumo (SIEP Consumo), o Seminário Internacional de Estudos e Pesquisas de Figurino (SIEP Figurino) e Congresso Internacional de Iniciação Científica, o Congresso MoDe – Moda e Design (parceria com a Secretaria de Estado de Pessoas com Deficiência de São Paulo), o Congresso Internacional de Moda e Design (Cimode), evento anual internacional em parceria com a Universidade do Minho, em Portugal além de apoiar e participar do Conselho de outros importantes congressos e eventos.

abepem_evento_coloquio_de_moda_premios1É responsável pela revista acadêmico científica dObra[s] (https://dobras.emnuvens.com.br/dobras) onde são publicados estudos de pesquisadores nacionais e internacionais. A revista é impressa e também está totalmente digitalizada com acesso gratuito. Uma das edições do ano é dedicada à premiação Gilda de Mello e Souza destinada aos melhores artigos, resultados de estudos de mestrado ou doutoramento apresentados nos Grupos de pesquisas de diversas áreas.  A publicação, que já acumula 20 edições, é bem conceituada pelo Ministério da Educação (MEC) por meio da  Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes).

Kathia ressalta que a revista é “um importante meio de acesso e difusão que permite o crescimento científico da Moda e de todas as áreas que com  ela se relacionam como o Design, a Comunicação, a História e a Educação, entre outras que refletem também os Programas de Pós Graduação onde objetos de estudos na moda são acolhidos e aceitos”.

maria_de_fatima_mattos-diretoria_abepem_apoiadoresEntre as ações da Abepem há também o desenvolvimento e apoio a cursos. Entre os mais recentes, o lançamento da pós-graduação no importante pólo de produção têxtil em Santa Catarina. O curso Ensino de Moda: Didática e Práticas Pedagógicas, lançado pela Fundação Educacional de Brusque – Centro Universitário de Brusque (UNIFEBE) tem como objetivo contribuir para que os professores possam aprimorar o domínio de habilidades e conhecimento do ensino e de aprendizagem no âmbito da Moda e Design.

Aos sete anos de atuação, a Abepem se estabelece como a principal entidade de incentivo e difusão da produção de conhecimento acadêmico e científico de pesquisas de Moda e Design, promovendo maior interação e relacionamento na área, sobretudo com apoio nacional e internacional entre professores e pesquisadores.

Da redação do WORLD FASHION   Assessoria de imprensa: Sandra Vasconcelos       Fotos: divulgação

MINAS TREND ANO.DEZ

worldfashion • 16/03/17, 15:33

mdes_v15_0001O line up dos desfiles individuais da temporada Primavera-Verão/2018 no Minas Trend que acontece de 4 a 7 de abril, em Belo Horizonte, está pronto.

Com realização da FIEMG - Federação das Indústrias de Minas Gerais o evento denominado “ano.dez”, será dedicado às comemorações da primeira década de existência da Semana de Moda Mineira, considerada uma das principais da América do Sul para lançamentos e negócios dos setores de vestuário, bolsas/sapatos, joias/bijuterias e acessórios.

p1040183-2-640x480As marcas Bob Store, Manzan e Unity7 fazem sua estreia na passarela mineira, enquanto Anne est Folle volta a desfilar no evento. As marcas Ellus, Plural, Natalia Pessoa e Victor Dzenk estão no line-up.

Confira as datas e horários dos desfiles que são exclusivos para convidados e profissionais de imprensa:

04/04/2017

17h - Ellus

19h - Natalia Pessoa

21h - Plural e Anne Est Folle

05/04/2017

17h - Lucas Magalhães e Bob Store

19h - Unity 7 e Manzan

21h - Victor Dzenk

Salão de Negócios - Minas Trend – Primavera-Verão 2018

Data: 04 a 07 de abril de 2017 – 3ª a 6ª feira

Horário: terça a quinta das 10h às 20h e sexta das 10h às 17h

Local: Expominas – Belo Horizonte – MG

da redação do WORLD FASHION  Informações a imprensa: namídia assessoria de comunicação  Fotos: divulgação

SCMC - Santa Catarina Moda e Cultura

worldfashion • 06/03/17, 12:04

Na última quinta-feira (23), a presidente do Santa Catarina Moda e Cultura (SCMC), Amélia Malheiros, esteve na Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) para apresentar os resultados da plataforma nos últimos anos e as propostas para a continuidade das ações.Durante o encontro, Amélia destacou os resultados do SCMC na transformação do olhar das indústrias locais para questões importantes como o design, a inovação e a sustentabilidade. Também falou sobre os programas de integração entre alunos, professores e profissionais das empresas, que confere um novo perfil de profissional transformador para a indústria do futuro.

img_1969-640x4276

img_1359-640x427img_1623-640x427O Santa Catarina Moda e Cultura (SCMC) é uma plataforma colaborativa que conecta empresas e universidades de moda e design para capacitar pessoas, fomentar a inovação, estimular ambientes pulsantes e ressignificar protagonismos.

Em mais de 10 anos de atuação, mais de 50 empresas catarinenses já passaram pelo SCMC e 25 instituições de ensino aderiram à plataforma através da participação dos seus alunos. Foram mais de 400 eventos de capacitação que impactaram cerca de 30 mil profissionais e acadêmicos. Juntas, as empresas associadas faturam acima de R$ 4 bilhões.

Atualmente, 16 empresas fazem parte da plataforma: Altenburg, Audaces, Cia. Hering, Círculo, Copa&Cia, Coratex, Cores e Tons, Dudalina, Fakini, HI Etiquetas, Karsten, Lepper, LOA Underwear, Marisol, Meu Móvel de Madeira e Tecnoblu.

Este movimento dos empresários catarinense mobilizou indústrias têxteis e do vestuário do Ceará com o evento Ceará Moda Contemporânea (CMC) e de Minas Gerais  AMEM - Associação Mineira das Empresas de Moda

1-640x4271“Ficamos muito felizes! Quando começamos, há 12 anos, o compartilhamento de informações entre as indústrias e o crescimento conjunto mesmo entre concorrentes era impensável. Hoje, percebemos que existe um movimento neste sentido que é benéfico para todos os envolvidos”, comenta Amélia. Ela complementa ainda que os executivos do SCMC acreditam que é possível não só que plataformas como essa se apliquem a outros estados na área de moda, mas também em outros segmentos.

da redação do WORLD FASHION   Informações para imprensa: Marina Melz     Fotos: divulgação

CSMAT Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios Têxteis

worldfashion • 22/02/17, 14:24

xx1

Uma das primeiras atividades da indústria a se implantar no Brasil, foi a fabricação de máquinas e acessórios têxteis metalmecânica. As primeiras iniciativas desse setor datam do início do século XX, surgidas para dar suporte à florescente indústria têxtil que se havia desenvolvido no País a partir, principalmente, dos primeiros anos da primeira República.

Um evento de grande significado histórico que comprova o pioneirismo desse segmento da indústria mecânica em nosso país, foi a fundação, em 1937, do então Syndicato dos Fabricantes de Machinas Textís que seria transformado, alguns anos mais tarde, no Sindicato da Indústria de Máquinas do Estado de São Paulo e, posteriormente, no atual Sindicato Nacional da Indústria de Máquinas.

img_2923-480x640A CSMAT- Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios Têxteis, congrega os fabricantes de máquinas e acessórios para a indústria têxtil nos segmentos de beneficiamento da fibra, fiação, tecelagem, acabamento e confecção do vestuário. Além do amplo espectro do setor têxtil abrangendo vestuário, cama e mesa, decoração, tecidos técnicos como os para elementos filtrantes, embalagens e aplicações em engenharia, entre outras, o segmento interage também com os setores de máquinas agrícolas, química e petroquímica, de onde recebe insumos básicos para produção de artigos têxteis (fibras naturais e sintéticas).

No último dia 16 de fevereiro de 2017 na Sede da ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) foi realizada a 1º Reunião Ordinária da Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios Têxteis de 2017, e o  Sr Ricardo Rossi, Presidente da CSMAT,  anunciou aos presentes o novo Presidente Interino Sr. Marcos Lichtblau da Automatisa, que dará continuidade aos trabalhos da CSMAT,  devido a sua nova função que assumiu na Promotora de Eventos e Feiras  FCEM.

E a estrutura organizacional ficou definida conforme segue:

marcos-2-640x427Presidente Interino - Marcos Lichtblau da empresa AUTOMATISA SISTEMAS LTDA

e os Vice-Presidentes - Fábio Kreutzfeld  da DELTA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS LTDA, Geison Trevisan Castilho e Silva da empresa CASTILHO MÁQUINAS TÊXTEIS LTDA.,Valdir Schick da empresa INDÚSTRIA E COMÉRCIO SCHICK BIN ACESSÓRIOS DE MÁQUINAS LTDA.e Roman Reisky da empresa REISKY MÁQUINAS - EIRELI - EPP

Da redação do WORLD FASHION  Informações da  CSMAT -  DIA  - DIVISÃO DE INTEGRAÇÃO ASSOCIATIVA da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos    Fotos: acervo e divulgação

2º ID FASHION em Curitiba

worldfashion • 28/11/16, 17:12

img_3787-640x4802

Movimento! Esse é o tema que norteou o 2.º ID Fashion, que aconteceu no dia 24 de novembro, no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. A segunda edição do evento, que é um retrato da moda paranaense com identidade própria, buscou inspiração na leveza, na liberdade e na instabilidade positiva, que gera mudanças e impulsiona a criação.

A indústria têxtil e do vestuário é um setor muito importante na economia do Paraná. Formado predominantemente por indústrias de micro e pequeno porte, é o segundo segmento industrial que mais emprega no estado, com aproximadamente 84 mil trabalhadores. São mais de 5,2 mil empresas no setor de vestuário e mais de 800 no têxtil.

Para mostrar esta força é realizado anualmente pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e do Sebrae/PR (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná). Em 2015 reuniu mais de 2,3 mil pessoas. “O ID Fashion é uma verdadeira vitrine para as marcas do Paraná. É um espaço para gerar tendências, além de uma oportunidade rara de estabelecer contato com o consumidor final e especialistas”, ressalta Luciana Bechara, coordenadora do Conselho Setorial da Indústria do Vestuário da Fiep.

Diferentemente de outras iniciativas do gênero, que têm o acesso restrito a convidados, profissionais do ramo e formadores de opinião, o ID Fashion é aberto ao público e gratuito. Para participar, os interessados poderão se inscrever pelo site, duas semanas antes do evento.

_dsc3033-640x4271Agnaldo Castanharo (Consultor do Sebrae-PR), Luciana Bechara (coordenadora do Conselho Setorial do Vestuário da Fiep), Edson Campagnolo (presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná - Fiep). Foto de Kraw Penas

O 2.º ID Fashion reuniu 16 marcas representativas do mercado da moda no estado – selecionadas por uma curadoria formada por especialistas da área e formadores de opinião – assim foi mostrado a essência de seus trabalhos em duas ações que formam a espinha dorsal do evento: a passarela (Catwalk) e a exposição interativa chamada de Living Lab - Laboratório Vivo da Moda.

Confira as marcas participantes da segunda edição do ID Fashion:

15122936_358080427878446_3445972214892072608_o-427x640Andressa Castro - Criada em 2012 pelas irmãs Andressa e Pércia Castro, a marca feminina de Cianorte (PR) nasceu com baixo investimento e sonhos grandiosos. Com vasta experiência em criação, depois de atuar nas maiores empresas do ramo, Andressa uniu seus conhecimentos aos de sua irmã, que sempre se destacou como excelente vendedora e comunicadora. A grife se inspira no dia a dia para aliar versatilidade, conforto e modernidade no vestir. Com foco no público jovem, teve peças selecionadas para compor o visual de personagens da atual temporada de Malhação (Pro Dia Nascer Feliz), com grande presença nas redes sociais. Participa pela segunda vez do ID Fashion, com uma coleção na qual trabalha com tecidos diferenciados – jacquard, viscose, tweed, chiffon e crepe – e estampas clássicas como o tweed, além da mistura de texturas como animal e floral misturadas. O preto e o cáqui predominam nos tecidos lisos, enquanto o rosa pontua a coleção com delicadeza nas estampas e fundos. Siga a marca no Instagram: @andressacastrooficial.

artha-editada-640x512Artha - Fruto da sociedade entre o publicitário Christopher Nascimento e a estilista Mariana Bassetti – que trabalhou como assistente de criação em três edições do São Paulo Fashion Week –, a Artha foi criada em 2007 e faz moda feminina. Na loja própria da Rua Fernandes de Barros, 1.080 – Hugo Lange, oferece peças casuais para o dia a dia e vestidos de festa para ocasiões especiais, que podem ser customizados. A marca oferece ainda a possibilidade de exclusividade total, com vestidos únicos de festa e noiva feitos sob medida. As peças têm uma pegada vintage e fogem do convencional, aliando conforto a uma boa dose de romantismo e atitude. São leves e descontraídas, com estamparia exclusiva e acabamentos manuais. No ID Fashion, vai mostrar a coleção Sunset Sons – Verão 2017, com peças que incorporam elementos multiculturais e da natureza, com cores inspiradas no pôr do sol refletido no mar (areia, dourado, coral e azul). Informações: www.facebook.com/arthapormarianabassetti.

nr-321-de-1128-640x427A DTZ Couture vai “jogar em casa” neste ID Fashion. O estilista Daniel Tzaschel se formou em Design de Moda pela Faculdade de Tecnologia do Senai Curitiba – um dos organizadores do evento. Mas a ideia surgiu durante um intercâmbio em Paris, quando Daniel cursava Relações Internacionais. Suas criações seguem uma linha mais contemporânea para a moda festa, com materiais e técnicas inovadoras de modelagem para obter shapes e recortes que valorizem o corpo da mulher. No ID Fashion, a inspiração dos seis looks serão as obras arquitetônicas do japonês Tadao Ando, que em seus projetos promove interações de elementos como luz, perspectiva e intervenções artísticas, fazendo com que ela interaja com o ambiente. As peças são feitas sob medida e vendidas exclusivamente no ateliê, na Rua Hermes Fontes, 364, com hora marcada. Outras informações no site www.danieltzaschel.com.

15252535_358082014544954_6183249839149717377_o-640x427Elyane Fiuza Luxury Bags - Exclusividade é a palavra de ordem na Elyane Fiuza Luxury Bags. Especializada em bolsas e acessórios em couro para homens e mulheres, tem como diferenciais a personalização e o fato de não haver nem sequer duas peças iguais. Os modelos são clássicos, atemporais, com atenção especial à qualidade da matéria-prima e do acabamento – o que permite a garantia vitalícia. O atendimento é personalizado, e o cliente ainda pode participar da escolha de todos os materiais da sua peça (cor do couro e forro, modelo, metais etc). Esse nível de exclusividade chamou a atenção da Rede Globo, que convidou a marca curitibana a criar modelos para personagens icônicas de suas novelas. A primeira foi a bolsa de melancia da Dona Redonda, personagem de Vera Holtz no remake de Saramandaia. As criações também puderam ser vistas em Geração Brasil, Amor à Vida, Sete Vidas, A Regra do Jogo e atualmente compõem o visual da it girl Fedora Abdala, personagem de Tatá Werneck em Haja Coração. Informações: www.elyanefiuza.com.br.

nr-585-de-1128-640x427Feito a Mãe - A marca curitibana de moda infantil estará no ID Fashion pela segunda vez e é conhecida pelas roupas alegres, coloridas e descoladas para meninas de 2 a 10 anos. As peças são desenvolvidas a partir de um processo criativo livre, inspirado nas próprias crianças e em seu universo mágico, e têm a modelagem, as cores e o conforto como principais características. É outra marca adepta do Slow Fashion, com produção em pequena escala, de forma sustentável e com matéria-prima de alta qualidade. Outras informações no site www.feitoamae.com.br.

nr-343-de-1128-640x4271Garota Chic -Comandada pela estilista curitibana Letícia Birolli, a marca tem 10 anos no mercado e faz roupas para meninas pré-adolescentes, na faixa dos 8 aos 14 anos, e também com numeração especial. A Garota Chic produz ainda modelos mais sociais, como vestidos longos para festa, saia e blusa cropped com aplicações e bordados etc. Os tecidos mais utilizados são renda, tule bordado, neoprene e viscocrepe. As peças da marca podem ser encontradas em lojas próprias no Polloshop Alto da XV e Shopping Palladium. Mais detalhes no site www.garotachic.com.br.

15137430_358083614544794_8844325607458942987_o-427x640Izabel Angeli - Marca de Marialva para o mercado plus size feminino no estilo boho chique. De 1993 a 2008, era uma linha de produção que prestava serviços para confecções da região, e de 2008 a 2009 atuou na moda infantil. Tendo como público alvo mulheres de 25 a 30 anos de manequim do 42 ao 52, vai trazer ao ID Fashion uma coleção de roupas despojadas com bordados e estampas exclusivas, com cores e elementos da natureza. Os tecidos são chiffon, rendas, viscose e sarja, e a paleta de cores inclui off white, preto, laranja, bege e verde tiffany.

15167609_358084304544725_4177504916605796766_o-427x640Jacu - Criada em 2014, a irreverente marca curitibana de moda fminina é ousada até no nome – afinal, “jacu” é sinônimo de brega ou cafona, o que também remete a algo regional, da terra. O desejo da marca é levar ao público as referências que nos cercam. A confecção é orientada pela valorização do mercado nacional, e desconsidera de suas referências soluções rápidas e unilaterais, ditadas pelo topo da pirâmide de consumo. Prefere trabalhar na criação completa – da estampa ao acabamento, do computador às mãos das costureiras. É outra marca que participou da primeira edição do ID Fashion. Mais detalhes no site www.jacustore.com.br.

15235877_358084574544698_4003108740750097660_o-640x427Jhenniffer Breenstup - A marca de Pato Branco (PR) leva o nome da estilista Jhenniffer Breenstup e traz em seu design sofisticação e bom gosto, construídos com todo cuidado para garantir singularidade e luxo. Uma marca jovem, inovadora e eclética, que cria peças que se adaptam a qualquer situação, desde a mais casual até a mais fina. Trabalha com roupas, bolsas e acessórios para o público feminino. É conhecida pelas bolsas que se desmontam, com sistema de troca de partes, que no lugar das costuras tradicionais utiliza sistema de zíperes e mosquetões, e vai participar do ID Fashion pela segunda vez. Mais detalhes no site www.jhennifferbreenstup.com.

nr-564-de-1128-640x427Leveza do Ser - Marca curitibana de comfortwear criada pelas irmãs Adília e Angélica Sanches em 2013. Destinada ao público feminino, trabalha com peças casuais e versáteis, adequadas tanto ao trabalho quanto ao lazer. A estilista Angélica Sanches foi diretora-criativa da Drop Sista, linha feminina da Drop Dead, marca curitibana de skatewear de renome nacional. A marca é vendida no showroom próprio, na Rua Coronel Dulcídio, 2.281, casa 2, em Curitiba. Pela segunda vez no ID Fashion, a Leveza do Ser faz uma prévia do Inverno 2017, em que a palavra de ordem será o DNA da marca: conforto. A ideia é levar para as ruas o aconchego das roupas usadas em casa. Saiba mais no site www.levezadoser.com.br.

nr-484-de-1128-640x427OpenStudio - Marca curitibana de moda masculina jovem comandada por Rodrigo Sasi, responsável pela direção criativa. A OpenStudio é um estúdio aberto dedicado ao estilo casual cool. O perfil do público é o cosmopolita local, atento às novidades sem perder de vista as raízes. A qualidade da marca rendeu inserções em revistas como VIP, GQ Brasil e China e L’Officiel e a levou a ser usada por celebridades como Chay Suede, Bruno Gagliasso e Marcos Mion. Outra característica é a preocupação com a sustentabilidade: a marca tem investido em um tricot feito com sobras de fios e na malha eco – feita de garrafas pet, mas com caimento igual ao do algodão –, que se decompõe em até três anos quando descartada no meio ambiente. As matérias-primas da minicoleção apresentada no ID Fashion são quase todas naturais, com cores que passam pelo bege, azul celeste, laranja e terracota. Após o desfile, todas as peças estarão disponíveis para compra exclusivamente no site www.openstudio.com.br.

15157014_358086661211156_3498865388881675744_o-427x640A Ovelha Negra Underwear é uma marca curitibana de lingerie que procura por meio de seu conceito reforçar a autoaceitação e incentivar a liberdade pessoal, empoderando suas clientes e procurando ajudá-las a se amarem, a cada dia, um pouquinho mais. Criada em 2013 pela estilista Maria Eduarda Malucelli, a Ov está há dois anos no mercado produzindo peças para um público vanguarda com recorte diferenciado, material tecnológico e modelagem estruturada, estudada para favorecer o corpo. Saiba mais no site www.ovstore.com.br.

nr-515-de-1128-1-640x427Reptilia - Concebida em 2012 como um projeto de moda autoral da arquiteta Heloisa Strobel, no ano seguinte a Reptilia foi premiada no concurso BtoBe, iniciativa do programa TexBrasil que seleciona os estilistas brasileiros mais promissores para representar a nova moda do país no exterior. A proposta da marca é conciliar design e qualidade com produção ética e sustentável, novidades tecnológicas com técnicas e texturas artesanais. As influências da arquitetura e da construção de elementos também é visível no DNA da marca, reflexo da formação da estilista. Para o ID Fashion, vai trazer modelagens sem gênero e silhuetas sobrepostas, valorizando a geometria e as composições em blocos. Conheça mais no site da marca, www.reptilia.name.

nr-476-de-1128-640x427Vale da Seda - Pela segunda vez no ID Fashion, a marca de roupas e acessórios em seda nasceu de um projeto desenvolvido na Incubadora Tecnológica de Maringá (PR) e representou o Paraná duas vezes na loja-conceito montada na São Paulo Fashion Week, a FFWShop – além de ter estado na passarela, numa parceria com Ronaldo Fraga. Este ano, desenvolveu em conjunto com outras cinco marcas paranaenses (Abbici, MUST, NovoLouvre, Scalon e Via Tolentino) uma cápsula de blusas em seda para a feira Who’s Next, de Paris – que estará no Living Lab. O Paraná responde por 92% da produção de casulo de bicho da seda no Brasil – e é a região que mais produz seda no Ocidente. Trabalha em parceria com a empresa O Casulo Feliz, que produz fios de seda de maneira artesanal, e com o designer Enéas Neto, que propõe para o Inverno 2017 produções em alfaiataria, feitas com tecido aveludado 100% seda. Outras informações no site www.valedaseda.com.br.

nr-622-de-1128-640x427Veine - Parceria do chef de cozinha Erich Zelazowski com o estilista Robson Dalazen, ex-sócio da marca Jacu, a Veine (“veia”, em francês) foi criada no ano passado e faz moda unissex voltada ao sportwear e ao lifestyle urbano minimalista. Adepta do movimento slow fashion, mira no público AB, urbano, casual, moderno, sem preconceitos, relativamente jovem e com espírito alternativo e vanguardista. No ID Fashion, vai apresentar a coleção de verão chamada Plage Isolée, um “paraíso idílico” onde o caos urbano convive com a natureza de encher os olhos de uma praia tropical. A cartela de cores é alegre, com tons de verde e azul, rosa, nude e amarelo; preto e vermelho fazem o contraste em blocos, listras, gráficos, padronagens e transparências. Tudo isso em tecidos leves como tule, viscose e tricoline, complementados por couro sintético e neoprene sublimado. Mais detalhes no www.facebook.com/veine.exert.chaos.

15167541_358091151210707_398424218929996056_o-427x640Via Tolentino - Há quase 16 anos no mercado, a marca maringaense Via Tolentino produz moda para a mulher evangélica e executiva. As peças são modernas, confortáveis e têm estilo agregado a` modelagem, além de acabamento de alta qualidade. A empresa também investe em novas tecnologias na produção e facilidade de acesso, com franqueados espalhados por 25 estados mais o Distrito Federal, além de e-commerce pelo portal Via Evangélica www.viatolentino.com.br

ID Talk

nr-244-de-1128-640x427

O objetivo do ID Talk é construir conhecimento e provocar a reflexão sobre temas pertinentes à moda e ao consumo contemporâneos. Neste ano os convidados foram Dario Caldas, especialista em pesquisa e análise de tendências e criador do Observatório de Sinais, João Berdu, presidente do Instituto Vale da Seda, principal porta-voz dos sericicultores do Brasil e representante no comércio internacional da seda e Eduardo Dugois, relações públicas e consultor de comunicação das marcas Ellus, Ellus 2ndFlorr e Alexandre Herchcovitch, . Para mediação foi contratada  Carol Garcia, jornalista, semioticista, acadêmica das áreas de tecnologia, moda e design, coolhunter e consultora internacional.

User Experience – Desafio Passarela Senai fechou a programação com a final da competição promovida entre os alunos do curso de Tecnologia em Design de Moda

O User Experience mostra aos participantes como é o mundo por trás da indústria da moda e permite interação e experimentação durante o evento e a apresentação final da competição promovida pelo Curso de Tecnologia em Design de Moda do Senai.

_mg_0017-640x427“Funciona assim: cerca de 100 estudantes de todos os períodos do curso participam de uma prova-surpresa na faculdade, com um tema específico que eles só ficam sabendo na hora. Dali são selecionados 10 alunos, que têm 48 horas para confeccionar as peças que vão participar do desfile, a última atração na passarela do ID Fashion”, explica Edson Korner, coordenador do curso. Foto Daniel Sorrentino

ganhadora__480x340_acf_cropped1Todas as etapas foram acompanhadas online, que começou no dia 21 de novembro e no dia 24 de novembro, aconteceu a performance e premiação do melhor look na passarela do ID Fashion, que foi escolhido por oito jurados especialistas em moda selecionados pela organização que escolheu o melhor trabalho cujo autor foi premiado com um ateliê de costura completo  no valor de R$ 9.000,00

Serviço:

ID Fashion

Quando: 24 de novembro de 2016

Onde: Museu Oscar Niemeyer.

Realização: Fiep (Conselho Setorial da Indústria do Vestuário do Paraná) e Sebrae/PR (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná)

Coordenação Geral: Senai PR

Patrocínio: Senai-PR e Sesi-PR

Sindicatos: Sindialfa, Sindicouro, Sinditêxtil, Sinditêxtil Londrina, Sivale, Sindiwest, Sinveste, Sindivest, Sivepar, Sindvest e Sinvespar.

Produção geral e direção artística: Feito Produções/ Coletivo Tangerina.

Produção de moda: Bubble

Da redação do WORLD FASHION       Assessoria de Imprensa Talk Assessoria de Comunicação    Fotos: divulgação - desfile de Nilson Russo e Daniel Sorrentino