COMUNICADO SPFW - COVID-19

worldfashion • 13/03/20, 09:39

logo2Em função da nova classificação de pandemia do coronavírus (COVID-19), o São Paulo Fashion Week comunica o cancelamento dos desfiles previstos de 24 a 28 de abril. Diante do cenário atípico e visando preservar a saúde e bem estar de todos, a programação do Festival SPFW+ e a conferência internacional anunciada para o dia 27 de abril serão replanejadas.

A temporada SPFW N50, celebrando os 25 anos do São Paulo Fashion Week, está mantida entre os dias 16 e 20 de outubro.

da redação informações da assessoria MKT MIX

LACOSTE

worldfashion • 05/03/20, 11:16

logo

Realizado no Tennis Club de Paris, o desfile da Lacoste Outono Inverno 2020 representa o terceiro ato do diálogo íntimo da diretora criativa Louise Trotter image-anders-edstromcom o espírito ousado de René Lacoste. Considerado uma potência dentro e fora da quadra de tênis, René tinha uma sede incansável por excelência e sua dedicação e entusiasmo foram acompanhados por ninguém menos que sua esposa Simone Thion de la Chaume - ela própria uma campeã de golfe. Juntos eles eram a própria definição de power couple esportivo.

a16e870407af81508a6389f4433cd8c5lowNo desfile, foi celebrado as harmonias em seus contrastes e o lindo ricochete de referências entre a visão de ambos. Ao aplicar tecnologia moderna à uma atmosfera clássica de alfaiataria de um século atrás, surge um novo senso de estilo esportivo. Os clássicos do futuro estão imbuídos com o impulso da atemporal herança francesa da Lacoste. A coleção exala uma consumada facilidade atlética. b99771d304ab04bb64424998d8542b34lowOs tradicionais verde e azul-marinho da Lacoste se juntam ao marrom das quadras, hortelã, céu azul, rosa-doce, laranja, limão e bronze em uma paleta viva e animada que aviva nossas memórias de torneios de fim de semana, partidas amistosas e uniformes dos esportes elite. O conforto e a praticidade são o luxo de hoje: aproximando o foco do corpo, os blazers e as calças esportivas são feitos sob medida em jersey técnico e malhas e pulôveres escovados brincam com as estruturas e a escala de estampas de pied-de-poule, prince de Galles e xadrez. Retirado do léxico da cultura pop francesa, o crocodilo Lacoste espreita para fora dos forros das jaquetas em uma estampa toda em tons pastel, assim como saias de tênis em jersey japonês usadas com blusa de sedas tomadas por estampas de raquetes e tacos, e as polos apresentam golas grossas, plackets de contraste e acabamentos em couro.

3472001f7ea28d8b1bcbc5d1979576dblowAs roupas de proteção são revisitadas - a trincheira, a mochila, o casaco e o anoraque de são finalizados com pares elegantes de camisas neoprene ajustadas ao corpo, alpaca macia ou dupla face xadrez, revestida com couro, pespontos térmicos e fita fŕamis. Direto da década de 1980, o tênis T-Clip original é atualizado com contrastes em tons pastéis, enquanto cordões de golfe e caddy bags fazem um aceno explícito ao talento de Simone Lacoste.

Desenhada por René Lacoste, a polo L1212 original é apresentada em um algodão mercerizado de malha dupla. Exibida no desfile de Outono Inverno 2020, ela aparece em destaque usada pelo elenco da temporada e fotografada por Quentin De Briey, exposta em lambe lambes no Tennis Club de Paris.

* O cartão usado como tela para o show será doado à La Réserve des Arts, uma associação francesa que fornece materiais usados para lhes dar uma segunda vida. Os bancos serão reutilizados durante os próximos eventos da Lacoste.

da redação com informações da MktMix Assessoria de Comunicação   imagens/divulgação: foto da Louise Trotter by Tim P. Whitby/Getty Images, do desfile  by Yanis Vlamos

CASA DE CRIADORES 46

worldfashion • 06/12/19, 00:22

A 46º edição da Casa de Criadores aconteceu em São Paulo. de 26 a 30 Novembro último, foram 5 dias com 35 marcas que desfilaram suas coleções com variados temas. Para a Vicunha, o evento cria um  ponto de encontro dedicado à moda autoral brasileira, e traz o seu apoio a 19 estilistas que estão no line-up reforçando o incentivo a criações autênticas e revela a pluralidade de identidades, estilos e ideais, através de looks assinados por designers estreantes e marcas consolidadas, que vão de encontro ao novo manifesto da Vicunha,lançado em novembro pelo conceito “jeansidentity”.

Publicamos abaixo imagens dos desfiles e o conceito segundo a marca ou estilista, que informaram, em ordem alfabetica

akaz_i20_011CASA DE CRIADORES 46akaz_i20_019

Alex Kazuo

hfar_i20_064hfar_i20_068hfar_i20_066AmniSoul Eco + Canatiba por Helena Faria

banj_i20_002banj_i20_008banj_i20_011

Bispo dos Anjos - A marca apresenta um adentrar nos desejos mais íntimos do homem, a partir de uma inquietação, de um descontentamento e questionamento quanto às restrições e limitações dentro do trajar masculino atual; seus valores morais, estéticos e comportamentais. Para a 46a edição da Casa de Criadores, a marca tem como intenção reafirmar a sua proposta e identidade, adentrando a passarela com um novo frescor para atender as mais diversas faces e pluralidades das masculinidades existentes.

bstra_i20_021bstra_i20_039bstra_i20_043

A Bold Strap é uma marca que celebra a diversidade da comunidade LGBTQIA+, em suas diferentes fantasias e fetiches. Dedicada inicialmente às jockstraps, hoje a marca expandiu para acessórios de fetiche e streetwear. Fofo, porém piranha. Esse é o fio criativo que guia a coleção “Hard Candy”. Nela, a marca propõe uma imagem de inocência e perversão construída com elementos lúdicos e pueris como unicórnios, ursinhos, nuvens, asinhas e arco- íris aplicados em peças provocativas e contrapostas com elementos pesados como correntes, motocross, tribais e acessórios de fetiche, com styling de João França Ribeiro. Nas peças, utilizou-se materiais como plush, pelúcia, renda, nylon e plástico em candy colors, reforçando a atmosfera de brinquedo girly, e pesando com couro, arrastão e vinil na cor preta.

cho_i20_005cho_i20_007cho_i20_017

CHO PROJECT com apoio da Vicunha  apresentou - “Naneun eobu” ou “Eu pescador” é uma extensão de mim mesma… Resgato aqui memórias que foram traduzidas em palavras, imagens e em indumentária. A memória é rala mas os sentidos não falham. O cheiro da maresia abraça os odores que permeiam o mercado de peixes que acontecem alí mesmo, há alguns passos do porto de onde chegam as cargas pesqueiras. Consigo ouví-los (os pescadores) berrando em busca da clientela, dos fregueses que chegam pela madrugada em busca da melhor mercadoria. Entre elas, senhorinhas semi-corcundas com um lenço enrolado na cabeça. A sensação é abafada e úmida. Robustos e um tanto sem delicadeza, pescadores transitam de um lado ao outro descarregando bacias cheias de peixes de seus barcos. Transcrevo através dessas memórias, desenhos em forma shapes, silhuetas, mangas e calças cocoon. “Naneun eobu” retrata pessoas que dependem do mar para sobreviver. Compartilho aqui um pouco da essência de famílias do mundo ou, pessoas do mar. De homens e mulheres cuja vivência é diretamente influenciada pelas marés e pelos cardumes de peixes.

coet_i20_011coet_i20_031-1coet_i20_033

Coetânees - Coetâneo adjetivo substantivo masculino 1. que ou o que é da mesma idade; coevo; 2. que ou o que é da mesma época; contemporâneo. Grupo formado pelos multi artistas Pri Mastro, Renan Soares e Novíssimo Edgar e que encontram na fusão de suas linguagens e produções um modo de realizar intervenções coletivas que evocam sistematicamente temas como upcycling, reciclagem, sustentabilidade como suportes para discorrerem sobre assuntos da atualidade. Como continuidade do circuito de ações e intervenções artísticas que vem sendo realizado desde o início de 2019 em São Paulo, o grupo Coetânees, Novíssimo Edgar, Renan Soares e Pri Mastro, apresentaram para a 46a edição das Casa dos Criadores o projeto: Didáticas de Refúgio. Um percurso performático de ações coletivas que propõem através de narrativas que utilizam as linguagens do teatro, dança, música, artes visuais e moda, gerar visibilidade a temas emergenciais e que de certa forma já se encontram diluídos em sua urgência na sociedade em geral. didática substantivo feminino 1. arte de transmitir conhecimentos; técnica de ensinar. 2. parte da pedagogia que trata dos preceitos científicos que orientam a atividade educativa de modo a torná-la mais eficiente. refúgio substantivo masculino 1. lugar para onde se foge para escapar a um perigo; asilo, retiro. 2. aquilo que serve de amparo, de proteção. As narrativas contadas pelas ações serão divididas em três atos: - Constelação Familiar: o apagamento histórico e cultural da constituição do povo brasileiro e de sua diversidade racial, de gênero, ideológica, política e religiosa (enfatizando a ideia de visibilidade e reflexão através de materiais que interagem com a luz); - Modus Operandi: abordar a violência e o extermínio da população negra (utilizando de ironia e inversão de papéis); deflagrar como atuam os sistemas e as estruturas de exclusão; - Nau Frágil: os colapsos sociais e ambientais e as constantes tensões que vem gerando no mundo, como processo migratórios e a sucessão de desastres ecológicos. Demonstrados sob a perspectiva do abandono paterno e do amparo espiritual. O Projeto contou com corpo cênico composto por 32 jovens de 18 a 30 anos, do Capão Redondo zona sul de São Paulo. São jovens artistas, empreendedores, produtores que por consequência da ausência de recursos que amplificam suas potências, lutam diariamente para pertencer a todos os espaços que lhe são de direito.

dmir_i20_015dmir_i20_019dmir_i20_024

O estilista Dario Mittmann, tem como uma de suas principais inspirações a cultura urbana e o mundo artístico, mesclando em seu trabalho o streetwear com métodos de produção atelier. Suas criações ricas em detalhes trazem toques de um mundo fantástico ao concreto urbano. Na Casa de Criadores, com apoio da Vicunha, Dario apresenta a coleção MIRA ME - Movimentos que tiveram seu início nos subúrbios dos países latinos hoje ganham destaque no mundo da arte, da música, dança e moda. Uma nova geração surge empoderando-se com orgulho de suas origens e movimentando a cena contemporânea, exaltando signos do passado em uma visão futurista. Elementos da cultura jovem periférica antes marginalizados, hoje ganham destaque como tendências comportamentais pelo mundo. A estética e sonoridade do reggaeton, do funk e do contemporâneo trap são o que há de mais fresco na atualidade.

dlee_i20_014dlee_i20_016dlee_i20_022

David Lee - A marca tem o foco em moda masculina, através de uma linguagem urbana que mescla alfaiataria, sportwear e indumentária militar com elementos artesanais, principalmente o crochê. A marca David Lee constrói uma estética vibrante e gráfica. A coleção trata sobre o arquétipo do artista passional e inspirado e a sua relação com seu trabalho orientam esta coleção, definida também por uma intensidade ainda maior no jogo de oposições recorrentemente proposto pela marca. O vestuário de serviço equilibra a silhueta ampla com detalhes impregnados de referências ao workwear. Macacões, calças, jaquetas e casacos - que exploram o lado mais funcional das formas da roupa - foram deliberadamente contrapostos à caprichosa construção dos crochês. Neste jogo sinuoso de avançar e recuar, de operar com técnicas tradicionais e de experimentar, entra também a alfaiataria executada em tecidos pesados e leves. São eles: sarja, denim, tricoline e crepe de malha. A cartela de cores para o Inverno compreende branco, off white, azul claro, mostarda, bordô, laranja e preto.

dfav_i20_011dfav_i20_019dfav_i20_001

A Diego Fávaro foi criada em maio de 2013 com a intenção de oferecer produtos em malharia, eram peças fabricadas com uma grade baixa, valorizando a criação, qualidade e a exclusividade. Nesta temporada com apoio da Vicunha, iremos apresentar nossa coleção de uma forma diferente, ao invés do desfile tradicional que sempre fizemos, será uma coreografia com dançarinos profissionais coreografado por Flávio Verne. A coleção batizada de PLACEBO, é uma experiência de construção com um novo olhar sobre como vestimos nossos corpos. O Placebo é conhecido como tratamento alternativo para buscar a cura em determinadas doenças, físicas ou emocionais. Pensando desta forma, vemos que nossa mente controla absolutamente tudo o que acontece em nosso corpo, o mesmo poder que ela tem de destruir, ela tem de curar. Com isso, estamos trabalhando pensando em corpos, em anatomias e criando técnicas manuais de estamparia que transforme cada peça, única.

dgam_i20_015dgam_i20_019dgam_i20_007-1

Diegogama com apoio da Vicunha

esoc_i20_003esoc_i20_026esoc_i20_028

Estamparia Social - Dia de visita é o dia mais esperado da semana. Ele costuma ser aos finais de semana. É a passarela da cadeia. Um evento. Modificamos o corte de cabelo, de barba. Trocamos até de roupa com quem nos visita. O dia de visita é bom para quem tem familiares, mas pra quem não tem, é o maior veneno. Como não temos contato com nenhum familiar, o dia de visita pode nos deixar mais ansiosos e angustiados, até porque não sabemos quem virá. Das 9 às 14hs é a confirmação de alguém aparecer. É o único tempo que temos em contato com o mundo externo. Se não aparece ninguém, todo o processo de espera, saudades e solidão começa novamente até o próximo dia de visita. Uma cela que deveria ser para doze, se torna um espaço para quarenta. No dia de visita podemos receber até duas pessoas por preso. Imagina quanta gente vem neste dia. Se este processo é sofrido pra gente, também é para os nossos familiares. Eles precisam chegar de madrugada e esperar numa fila, na entrada, passar pela revista e talvez esperar em outra fila. São oito pavilhões ao todo, com presos que irão receber seus familiares. Volto a reafirmar, se é difícil pra gente, é bem pior pra eles. Escolher o dia de visita para o tema da nossa coleção somente destaca a sua importân cia. É o único contato que temos com o mundo externo. É aquele momento em que sabemos dos nossos familiares, dos nossos amigos e das nossas comunidades. Pequenos gestos se tornam grandiosos, como quando um familiar ou um amigo manda uma pasta dental. Ser lembrado nos faz sentir especiais e confirma que estamos vivos para o mundo. Assim como o dia de visita é esta confirmação. A passarela é importante porque nos dá a oportunidade e a vitrine pra mostrar, pra todos, a realidade do que passamos. E O quanto este projeto tem valor. A Estamparia Social vem para olharmos para o futuro, é um processo de reintegração. E reintegrar para mim é isso, voltar a dar sentido e oportunidades a estas pessoas. Reingressar na sua vida, dos seus familiares e da sua comunidade. Nesta segunda coleção, recebemos um desafio da Sou de Algodão: trabalhar com resíduos de jeans. A Estamparia Social sempre foi voltada a trabalho com serigrafia. Ter este estímulo nos abre novas oportunidades, que servem para levar este projeto a um maior número de egressos, tanto homens, quanto mulheres. A ideia é exatamente esta, repensar nossas ações e minimizar o impacto deste resíduo, dando a ele uma nova vida. Estamos investindo em tecnologia social, um projeto de baixo custo, de fácil aplicação e com um resultado significativo.

esti_i20_006esti_i20_008esti_i20_012

Estileras Fudidamente Insertas é uma estrutura artística guiada pela dupla não binária de artistas performáticas, transdisciplinares e multimeios, Boni e Brendy. Por meio da metáfora de uma “empresa”, projetam uma sátira metalinguística das estruturas tradicionais criando narrativas onde indivíduos dissidentes tornam-se protagonistas. Se debruçam sobre processos através da performance em contato com os resíduos da indústria da moda para construir novos corpos e existências. Nessa Casa de Criadores, as Estileras continuam a narrativa que nasceu na edição anterior com a colaboração de diversos artistas dissidentes e dos coletivos artísticos FudidaSilk (RJ) e Inserto (SP), que desenvolveram e aplicaram as estampas. Lá foram apresentados os ‘Manuais Estileras’, uma performance onde 30 pessoas por mais de 6 horas construíram ao vivo e na hora o que seria visto na passarela do evento. Os processos de estampar, recortar, talvez costurar, fazer styling, maquiar, colocar próteses e se alimentar, tudo aberto para que o público que circulava pela Praça das Artes pudesse acompanhar a realidade de uma produção como essa. Após focar no processo e suas relações, o olhar se dirige para os detalhes e as linhas gráficas que são a união dos três coletivos. A proposta não é produzir mais roupas mas afirmar o ‘reuso’. Repensar o que já está feito. Deformar expectativas para emergir novas perspectivas. E ampliar a visão da moda, onde os meios e formatos discursam junto aos corpos e tecidos. Com segurança reforçada novamente pelas Unusual.BR, as Estileras Fudidamente Insertas se apresentam em: ‘A Continuação…’

etra_i20_009etra_i20_018etra_i20_024

Estúdio Traça - A marca criada em 2015 pelo estilista Gui Amorim, faz um jeans com identidade e consciência. Para a coleção, a marca apresenta EDELZUITA - uma situação-homenagem que reúne laços familiares, fotografias antigas, festas oitentistas, e recortes de revistas de moda da década de 50 em uma grande cartografia sentimental, elevando em sua máxima potência a trajetória de uma mulher, que hoje recebe esse manifesto de amor e carinho.

ffan_i20_001ffan_i20_005ffan_i20_039

Felipe Fanaia com apoio da Vicunha traz desfile  com inspiração no tradicional ABC bailão, localizado no centro de São Paulo, ele reúne gays com mais de 40, 50 anos, um espaço democrático, onde não existe padrão de beleza e vestimenta a ser seguido. Através dessa ótica vamos recriar na passarela essa atmosfera, e trazer esses personagens tão importantes da história e cultura gay para ocupar um espaço de protagonismo, afinal eles foram a linha de frente para nós ocuparmos os espaços que ocupamos hoje.

fcoz_i20_002fcoz_i20_020fcoz_i20_031

Brasileira, a marca Fernando Cozendey nasceu em outubro de 2011, possui um processo cuidadoso na confecção de cada peça onde constrói estampas, franjas e babados, através de recortes de diferentes cores, espessuras e texturas em múltiplos tecidos com elastano. Cada coleção representa um momento do estilista e assim ele aproveita para buscar renovação criativa, pesquisando sempre novas formas de trabalhar o tecido que é sua paixão. A nova coleção é composta por 28 looks inspirados no extremo oriente com uma cartela de cor super colorida.

idan_i20_032idan_i20_026idan_i20_004

Esta não é apenas mais uma coleção, esse projeto representa um novo passo na marca Igor Dadona e também um novo ciclo na minha vida pessoal. A dor passou, continuo enxergando beleza por onde meus olhos possam alcançar, mas dessa vez, deixo de lado toda a dor, todas as sombras, todo meu lado obscuro, para me permitir, no meu trabalho e em minha vida, ser feliz de fato. A coleção, com o apoio da Vicunha, com base nas festas de formatura de filmes românticos, faz uma alusão ao momento em que todo sofrimento é recompensado, e tudo finalmente se encaixa. Diante de tempos difíceis e da constante sensação de desajuste, concluir mais um trabalho, mais um ano, mais uma vida, merece festa, mesmo que tenhamos chegado até aqui meio desalinhados, somos resistentes e vamos continuar dançando, mesmo que queiram abaixar o volume da nossa música! Me sinto leve, me sinto centrado, sempre existirão algumas vozes persistentes na mente tentando me colocar para baixo, mas preciso tirar todos os monstros para dançar, talvez não possa eliminá-los para sempre, mas posso aprender a atribuir pesos menores ao que de fato pensa muito antes, aprendi com a luz do final da tarde entrando pela janela enquanto uma música que amo tocava, a mesma que eu não conseguia há tempos, sentir o brilho. Os pequenos detalhes fazem total sentido, quando de fato você percebe a grandiosidade da vida. A dor nunca é permanente, permita-se ser feliz. Prometo tentar também

jvie_i20_011jvie_i20_022jvie_i20_020

A Jal Vieira Brand tem como foco o desenvolvimento de roupas e acessórios pautados na cultura negra e sertaneja, e nas suas formas de expressão no universo feminino. Por meio do experimento, redefinimos nossa maneira de criar e atingir o nosso público, buscando combinar a utilização de materiais incomuns no desenvolvimento de roupas - como cadarços, borracha e palha - a tecidos e acabamentos refinados. A coleção Inverno 2020, com apoio da Vicunha, Jal Vieira Brand optou, nesta temporada, por mexer em suas próprias feridas. Naquilo que mais lhe sangrou nos últimos tempos. Vivendo um tempo em que dizer que não se está bem tornou-se tabu, a estilista revira suas maiores emoções e traz para a passarela suas dores e o medo da ausência.

jfei_i20_005jfei_i20_012jfei_i20_032

Jorge Feitosa - Sentir-se pressionado por uma ideia, pressurizado, de modo a ser anulado é o ponto de partida da coleção Inverno 2020 do designer Jorge Feitosa, que é responsável pelo desenho, modelagem e costura de todas as peças da coleção, fortalecendo assim o seu papel de costureiro. Cápsulas podem proteger, mas também conter. Depende do que está fora ou dentro. Na coleção, Jorge usa a ideia de cápsula para convidar ao sentimento de sair de dentro dela. “Só assim penso que podemos criar as constantes novidades do mundo”, conceitua o designer. “Permanecer estático, para muitos, é sinônimo de segurança, mas acredito que a nossa evolução depende do movimento, da mobilidade e do hibridismo que podem gerar a mutação infinitamente orgânica. Mesmo o que é estático cria uma relação de mudança com o que está à sua volta. Adaptar, aderir, misturar, são ações estabelecidas na Natureza, como nos ensina a Biomimética, atuando inclusive no campo da Inteligência Artificial, a partir do estudo e observação de algo que a humanidade rejeita: a diversidade”, finaliza Jorge Feitosa. Viva o diferente.

koia_i20_022koia_i20_031koia_i20_008

Koia - A coleção Caule com apoio da Vicunha foi projetada baseada na paixão, forma e textura presentes em aquarelas botânicas de diversas espécies. Das tulipas aos cardos, das rosas as hortênsias. Assim como a KOIA, a coleção enfatiza a forma no vestuário, no primor do acabamento e união do inusitado ao convencional. É sobre volumetria, sobre dobraduras, novos shapes e novas possibilidades. Assim como a anatomia estrutural de uma flor, formada por caule, folhas, flores e frutos, a coleção é composta pela dualidade entre o estruturado e o leve, o liso e o texturizado, fomentando a percepção de que as peças estruturadas dão suporte e abrigam as volumetrias mais fluidas. As formas e cores foram resignificadas de recortes das próprias ilustrações, de uma forma lúdica e irreverente. As cores começam neutras no off White, ocre, passam pelos tons rosês e preto, e terminam em uma explosão púrpura no qual foi desenvolvido um trabalho de impressão digital com a arte baseada em uma ilustração botânica e seus estudos de forma.

mart_i20_005mart_i20_011mart_i20_035

Martins - PAUSA é o tema da minha nova coleção, nela abordamos mudanças, términos e recomeços, onde fiz da minha casa meu refúgio e meu ponto de encontro comigo mesmo, dessa vertente vem os tecidos, que trazem a ideia de conforto e a sensação de colocar uma roupa e não querer tirar nunca mais. Trabalhamos o matelassê, tratamento dado a maioria das colchas e edredons. A cartela segue uma linha extremamente clean, preto, branco, off-white, cinza, azul marinho e bege. Contou com o apoio da Vicunha

mcar_i20_032mcar_i20_034mcar_i20_038

Mateus Cardoso com apoio da Vicunha e com foco no masculino, a marca procura investir em um novo design para este setor, através de estudo de novas formas, combinações, cores e tecidos. A coleção fala sobre a inquietação pessoal do estilista sobre masculinidades contemporâneas o levou a analisar o vestuário tradicional de seu público para se chegar a novos resultados. Com foco no processo, o ponto de partida para o desenvolvimento da coleção foi estudos de formas através da desconstrução da alfaiataria, resultando em produtos com novas proporções, combinações e um novo design. Grande parte do desenvolvimento da coleção é voltado para estudos de acabamento, com o objetivo se sempre melhorar a qualidade das peças. Grande parte dos tecidos usados são a base de algodão, mesclados à algumas peças de lã. Todas os estudos, desenvolvimento de modelagens e pilotos, são feitos pelo próprio estilista.

nequ_i20_009nequ_i20_039nequ_i20_027

A NotEqual, fundada em NY em 2013, explora a inovação criativa através da moda e da arte. Suas roupas artesanais desafiam a alfaiataria tradicional através de um novo sistema de medidas, que foge dos tradicionais, métrico e imperial, indo buscar na proporção áurea a razão de suas formas. A coleção se intitula Art Brut ,com o apoio da Vicunha, inspirado no movimento artístico criado por Jean Dubuffet em meados dos anos 40. Movimento esse que teve o intuito de dar visibilidade a artistas marginais ou completamente fora dos circuitos das academias e museus, e que acabou por fim encontrando seus grandes mestres em instituições psiquiátricas. Evocando nomes da Art Brut como Bispo do Rosário, Judith Scott e August Walla dentre outros, a proposta da coleção é se entregar ao processo destes artistas que tinham a criação como escape da alma. As peças fogem das construções tradicionais, a alfaiatarias se desconstrói, as costuras se trespassam assim como as modelagens. Listras enfatizam dobras e recortes e obrigam o olhar a percorrer a peça como um todo. A cartela, sóbria, tem tons de cinza e off.

rcae_i20_009rcae_i20_013rcae_i20_015

Para o Inverno 2020, com o apoio da Vicunha, o Rafael Caetano, buscou inspiração no livro de artes gráficas e digitais chamado Precursor. Assim como no livro, a cor assume o papel de protagonista da coleção e se dissolve entre peças construídas em bases que totalizam 70% de algodão, com apoio de tecelagens como Focus e Vicunha Têxtil! O trabalho de tie dyes aparece novamente em nuances bem mais claras e com maiores respiros que na coleção anterior. A novidade fica por conta da coleção de sungas, uma aposta do estilista para o alto verão, confeccionadas com artigos da tecelagem Santa Constanzia com fios da Rodhia, e que será apresentada junto com o desfile - além de divertidas, são a cara da marca. As cores transitam entre o branco, o preto, magenta, rosa chiclete, púrpura, violeta, hortênsia e azul celeste. A beleza é composta pela equipe do Bruno César e a trilha sonora assinada pelo jovem cantor Escarião. O casting de modelos é compostos apenas por meninos gays.

rept_i20_001rept_i20_014rept_i20_005

A segunda coleção da Reptilia para a Casa de Criadores contou com o apoio da Vicunha e  foi inspirada nas criaturas que habitam regiões abissais, as profundezas das águas, e irradiam luz própria para compensar as trevas ao seu redor. Num paralelo às inspirações cotidianas da designer Heloísa Strobel, em que pessoas com esse poder de luz nos guiam para além das sombras que pairam sobre o mundo, a marca traz para passarela no dia 28, um jogo de volumes, tons de branco e preto com inserção de pigmentos químicos que brilham no escuro. “Cada peça desfilada foi desenvolvida em seus mínimos detalhes e carrega costuras especiais, inserções e detalhes que fazem dela uma obra por si só”, conta a designer. A marca recebeu novamente apoio das tecelagens brasileiras Lunelli e Vicunha Têxtil e também o apoio inédito da Lupo. Os calçados são uma parceria entre a Opium.cc + Baderna.

rdog_i20_021rdog_i20_012rdog_i20_038

Roberto Dognani - Entre todas as personas da noite, uma é unanimidade em drama, fervo e absurdo. Na noite há muito tempo, já viu clube fechar e clube abrir, já dançou em muitas festas. Elloanigena nasceu na Sound Factory no século passado. Seca, exótica e com looks à la Marilyn Manson, era a soberana da montação dos cybermanos, fez os shows mais insanos que alguém poderia sonhar.

rcan_i20_002rcan_i20_012rcan_i20_020

Rocio Canvas extrai a beleza do cotidiano.“Casa é uma máquina de morar”. A frase dita pelo arquiteto francês Le Corbusier parece fazer mais sentido do que nunca, quase um século depois. Com a internet evoluindo a ponto de concentrar no lar as variadas atividades da vida, o privado se torna um oásis na era da hiperexposição. Refletindo nesse retorno “para dentro” — e tudo que ele pode representar do ponto de vista comportamental e estético –, o designer Diego Malicheski concebeu suas Narrativas cotidianas para o inverno 2020. A coleção RC07, com apoio da Vicunha, conta novamente com a indispensável parceria com a TexPrima e foi inspirada no registro das belezas não-óbvias, que faz a arqueologia de objetos, cores, texturas, formas e sentimentos do cotidiano do próprio criador. Partes da ambientação e arquitetura da casa, itens que formam manchas gráficas, sombras, coisas conceituais e “estranhas” ao senso comum. Sua mulher, que já tem o mundo e a cidade na palma da mão, agora monta-se “para ir a lugar nenhum”. “A coleção fala sobre o conforto de estar em casa, o cotidiano visto de dentro para fora”, anuncia. A atmosfera elegante decadente criada como pano de fundo obviamente é um artifício para mostrar que se arrumada e confortável em casa, arrumada e pronta para a vida. Neste laboratório criativo, que rompe com os códigos de vestir, a roupa para ficar em casa é um look conceitual e de ir à padaria um vestido longo para a noite. Modelagens descoladas do corpo, formas exageradas e detalhes esculturais se combinam com texturas aveludadas inspiradas por tapeçarias macias. Os vestidos volumosos têm um ar extravagante quando usados em casa, combinados com sapatos suntuosos e lenços de pescoço. O tricot com pegada vintage é um item-chave porque é a tradução da palavra conforto. E a transparência com recortes e camadas fazem o contraponto contemporâneo de resgate da feminilidade. A alfaiataria oversized reforça a proposta da roupa multiuso, de estar arrumada para todas as ocasiões. Os acessórios tem assinatura RC e exploram curvas, arcos e argolas.

reva_i20_009reva_i20_014reva_i20_020

A coleção “CASA ROSA” apresentada na 46a edição do evento Casa de Criadores contou com o apoio da Vicunha e é inspirada em minha origem latina. Rosa é um dos meus sobrenomes, advindo da família do meu pai, de El Salvador (América Central). Tendo em vista o atual momento sóciopolítico que vivenciamos, quero aproveitar a plataforma para chamar a atenção para importância dos imigrantes e para discutirmos assuntos como xenofobia e intolerância. As peças terão as cores e volumes inspirados na flor que dá nome à coleção, assim como em vestimentas de origem latina e referências da cultura pop.”

algo_i20_008algo_i20_009algo_i20_026

Na passarela um desfile oferecido pela Sou de Algodão - patrocinadora do evento, que convidou estilistas já conhecidos pela Casa para apresentarem um look com tecidos da Vicunha.

vper_i20_016vper_i20_045vper_i20_087

Vicente Perrotta - Em meio ao caos do país tropical, travestis resplandecem, não-bináries espalham a palavra decolonial, boycetas são resistência e mulheres cis negras são o único caminho para o futuro da nação. A coleção que foi apresentada nesta edição é o resultado de uma imersão artística no processo de costura com técnicas de reaproveitamento de materiais descartados, por meio do Instituto Tomie Ohtake direcionada pela estilista Vicente Perrotta, com mulheres TRANS e CIS que são atendidas em espaços de acolhimento, dentro do Galpão de Costura no Instituto Federal São Paulo. Além disto, a passarela recebe criações de 7 estilistas TRANSvestigêneres selecionades por Perrotta, cada um apresentou 3 looks upcycle, emergindo em todas as etapas da criação de uma performance/desfile na principal semana de moda criativa do país.

viv_i20_003viv_i20_007viv_i20_029

Vivão - Marca de streetwear, criada em 2019, com o objetivo de trazer uma perspectiva de moda através da arte e seu constante movimento de mudança, inspirado pelo crescimento e readequação dessa indústria que nos oferece milhares de possibilidades e formas de expressão. Vivão levou para a passarela uma grande festa onde o tema era a arte de nossas vivências - a arte de existir e se expressar de maneira única, entendendo a nossa jornada, conquistas e história para prosseguir. Uma celebração sobre quem somos. A coleção Vivão Project 2020 exalta cores e personalidade com peças pintadas à mão, imprimindo o conceito de que corpos são telas. O desfile contou ainda com a direção de Dudu Bertholini.

wsil_i20_005wsil_i20_011wsil_i20_039

A coleção de inverno 2020 de Weider Silveiro, é inspirada na alfaiataria inglesa e nas vestes e ornamentos africanos, contudo essas referências são suavizadas ao extremo no intuito de construir uma imagem de moda moderna é uma roupa muito urbana e confortável!!! A marca destaca nesta estação o trabalho de upcycling em bottons garimpados em brechós especializados em alfaiataria masculina. Os tecidos vão de malhas de poliamida fluidas, jacquards , algodão de camisaria indo até sarjas com elastano.

Para esta edição, o Projeto Lab apresentou Boutique Venenosa, Rainha Nagô, Thear e Priscilla Silva.

bven_i20_017bven_i20_015bven_i20_002

Criada por Fernanda Cerântola e Gabriela Andrade, Boutique Venenosa traduz em roupas a atitude selvagem e elegante. Tendo como base todo o exagero da década de 80, resgata a essência de poder expressar sua identidade através da roupa. A coleção com o apoio da Vicunha, e denominada como “A SAGRADA E PROFANA MULHER DE NEGÓCIOs” fala sobre o fato de que ao longo da história, mulheres foram ensinadas a terem medo e vergonha de si mesmas, reprimindo seus instintos e desejos. Sabemos que até hoje, queimamos na fogueira de diferentes formas. A década de 80 foi marcada pela ascensão da mulher no mercado de trabalho, abandonaram o posto de “dona do lar” para darem mais um passo em direção a sua independência, onde antes exerciam apenas cargos secundários, se tornaram chefes e grandes empresárias. Reféns de uma sociedade capitalista patriarcal agora em outros moldes, não tiveram alternativa a não ser batalhar no mundo dos homens enquanto reprimiam seus instintos e sentimentos.

psil_i20_003psil_i20_008psil_i20_011

A estilista Priscilla Silva se apaixonou por moda ainda criança observando sua vó na época modelista costurar, ali começou a criar roupas de bonecas, nunca imaginou que esse hobby se tornaria sua profissão, há seis anos trabalha com moda, e há um ano e meio lançou sua marca de roupas. Com o apoio da Vicunha a coleção origem foi inspirada em uma mulher cosmopolita, com a alma indígena, que busca exclusividade e valoriza a simplicidade dos detalhes. A coleção retrata tribos pela visão da estilista Priscilla Silva. Na cartela de cor, os tons terrosos como terracota nude, coral e verde se sobressaem com o tingimento natural feito com raízes folhas e cascas. Os detalhes do (Cromê) técnica criada a partir do crochê e macramê ganham força e trazem a expertise do Handmade. Vestidos, calças, capa e colete estão entre as peças chave da temporada. Entre os tecidos, destaque para o algodão cru e viscose com ar contemporâneo e para alfaiataria uma das apostas da estação. Para os acessórios, índios brasileiros foram convidados para desenvolver uma coleção exclusiva para marca. Entre as peças estão colares, pulseiras, tiaras e alguns adornos como arco-flecha, borduna e aljava contam a história do povo.

rnag_i20_005rnag_i20_008rnag_i20_020

Rainha Nagô surgiu em 2014 fundada por Diego Soares e Camila Oliveira com objetivo trazer ao mercado da moda Afro e plus size não apenas roupas mas sim uma experiência de poder encontrar em uma grife acolhimento e saber que tudo que é feito aqui é pensando em vários corpos e não apenas em um tabela única de medida. Fui buscar especialização não apenas em cursos mas realizando um estudo de corpos onde desenvolvi tabelas específicas para melhor atender seu público. A temática do desfile, com apoio da Vicunha, é “Xangô a Beleza dos filhos do Rei”. Em tempos difíceis homenagear o orixá da justiça nos traz a coragem de seguir em frente. A coleção traz as características do orixá e de seus filhos que são imponentes e belos.

thea_i20_002thea_i20_005thea_i20_007

A Thear é uma marca goiana, nascida com o propósito de fazer moda responsável, duradoura e atemporal. Aliando design e afetividade, buscando valorizar as relações humanas e os processos manuais. A coleção Den(in), feita toda em eco jeans, celebra a trajetória de quinze anos de moda autoral do designer Théo Alexandre, mergulhando em experimentações, técnicas e trabalhos artesanais.

da redação com informações da Agência Lema e fotos de Marcelo Soubhia Fotosite

46ª EDIÇÃO DA CASA DE CRIADORES

worldfashion • 12/11/19, 11:08

11Para esta edição, o veterano ovacionado pela platéia na edição anterior, Rober Dognani, abre o primeiro dia de desfiles. Além do estilista, outros nomes já conhecidos da Casa de Criadores irão apresentar suas coleções, entre eles, Igor Dadona, Heloísa Strobel, da Reptilia, Estileras e Fernando Cozendey.

dlee_v20_008-200x300fcoz_v20_016-200x300O time de estreantes é bem grande e diverso nesta edição, com CHO.PROJECT - marca de Josephine Cho, ex-assistente da estilista Juliana Jabour, Gui Amorim com o Estudio Traça, Coetânees, coletivo composto por Renan Soares, Novíssimo Edgar e Priscila Mastro. Também desfila Mateus Cardoso, vencedor do concurso Sou de Algodão, que aconteceu na 45º edição. A direção do evento convidou ainda Dario Mittmann e Rodrigo Evangelista, segundo e terceiro colocados no concurso, rdog_v20_021-200x3001rept_v20_009-200x300respectivamente. Além deles, três marcas também fazem seu primeiro desfile dentro do Projeto Lab: Boutique Venenosa, Priscilla Silva e Thear.

A Casa de Criadores ocorrerá entre os dias 26 e 30 de Novembro e apresentará 34 desfiles. Nesta temporada o evento acontece na Alameda Olga, 197 - Barra Funda, SP.

fcoz_v20_070-768x512Confira abaixo o line-up

26 de novembro - terça-feira  início às 20h30

Rober Dognani

CHO.PROJECT

Alex Kazuo

Jorge Feitosa

David Lee

Martins

27 de novembro - quarta-feira  início às 20h30

Koia

NotEqual

Bispo dos Anjos

Weider Silveiro

Diego Fávaro

Rocio Canvas

Felipe Fanaia

28 de novembro - quinta-feira início às 20h30

Igor Dadona

Reptilia

Diegogama

Rafael Caetano

Estúdio Traça

Fernando Cozendey

29 de novembro - sexta-feira início às 20h30

Alguns desfiles desta noite são oferecidos pelo movimento Sou de Algodão em parceria com a Casa de Criadores.

Estilistas já conhecidos da Casa terão a oportunidade de apresentar um look na passarela.

Desfile Sou de Algodão

Mateus Cardoso

Estamparia Social

Jal Vieira

Dario Mittmann

Boldstrap

Rodrigo Evangelista

30 de novembro - sábado início às 20h30

Projeto Lab: Boutique Venenosa, Rainha Nagô, Thear e Priscilla Silva

Vivão

Estileras Fudidamente Insertas

Coetânees

Vicente Perrotta

da redação com informações da Agência Lema   imagens: fotos divulgação de Marcelo Soubhia

ISSEY MIYAKE

worldfashion • 06/10/19, 15:10

whatsapp-image-2019-09-30-at-173543-2O fotógrafo, especialista em moda, Yuri Graneiro foi convidado, para cobrir com exclusividade a apresentação do desfile do icônico designer japonês Issey Miyake, na Paris Fashion Week,  que apresentou seu novo designer chefe, Satoshi Kondo. O fundador da marca Miyake, que pode ter se aposentado da casa que fundou em 1970, mas continua a exercer grande influência sobre a casa franco-japonesa, declarou que faz questão de dar a jovens designers talentosos a oportunidade de desenvolver suas habilidades.

yuri-graneiro2Graneiro explica que modelos com técnicas acrobáticas giravam em um pé, enquanto eram içadas por cabos rodopiando. Outras modelos com skates elétricos passavam sorrindo pelos convidados da primeira fila. whatsapp-image-2019-09-30-at-173543-1whatsapp-image-2019-09-30-at-173543E ainda um círculo de cinco modelos dançavam de mãos dadas remetendo a obra-prima de Henri Matisse, de 1910, “The Dance”, comenta o fotografo que é um whatsapp-image-2019-09-30-at-173749-2whatsapp-image-2019-09-30-at-173543-3estudioso a mais de 20 anos em Moda.

Mas o destaque foi exatamente no momento dos bambolês pendurados no teto que desceram com vestidos de tecido elástico,whatsapp-image-2019-09-30-at-173749-31vestido as modelos que estavam estáticas. O vestido deslizou sobre a cabeça de cada modelo - provocando suspiros e euforia na platéia.

A apresentação de tecidos techno foi o ponto alto na tecelagem, apresentada com designs ricos em cores e com frescor que a estação precisa com muitas ideias forte para a silhueta da primavera. Também foi apresentado uma série de jaquetas compridas que foram fechadas quase completamente, praticamente cobrindo o rosto de cada modelo, e outras peças que se whatsapp-image-2019-09-30-at-1737491dobravam ao redor do corpo como origami. Tudo isso feito para evidenciar a poeticamente “sentimento de alegria essencial e instintivo” ao usar roupas. Cada peça de roupa vista no desfile Primavera / Verão 2020 será vendida em abril por preços entre R$ 6.000 e  R$ 9.000 porém a marca só tem loja na Europa, Tokyo e Nova York.

da redação com informações da VHAssessoria  imagens: fotos/divulgação Yuri Graneiro

São Paulo Fashion Week N48 - line-up

worldfashion • 03/10/19, 16:19

img_4372-640x480Apresentada pelo Banco Santander, o banco da moda, a próxima edição do São Paulo Fashion Week – N.48, acontece de 13 a 18 de outubro e volta ao Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque do Ibirapuera, onde foi realizado o evento SPFW N.45.  O evento é uma co-realização da IMM e IN_MOD – Instituto Nacional de Moda e Design.

pauloborgeschilli_alo_alo_bahia“O São Paulo Fashion Week celebra a potência da criação como expressão viva e afetiva das pessoas em sintonia com o tempo presente.” afirma Paulo Borges, Diretor Criativo do SPFW. Duas marcas fazem sua estreia na temporada: Ângela Brito e Isaac Silva. Interpretando raízes afro de maneiras distintas, ambos trazem em seu discurso a pluralidade e a liberdade através da moda, com muita sensibilidade. “É exatamente esta riqueza de criações e visões que buscamos na curadoria de marcas quando pensamos o evento”, comenta Borges.

Ao todo, serão 26 marcas lançando suas coleções na temporada. O evento abre no domingo à noite (13), com o desfile da Ellus ocupando a Praça Antonio Prado em frente ao Farol Santander, no Centro Histórico de São Paulo - endereço contemplado pelo Projeto Triângulo SP, iniciativa da Prefeitura de São Paulo para revitalização e valorização da região como pólo internacional de turismo. O dia 14 é reservado para encontros e eventos com imprensa e mercado.

Confira o calendário de desfiles:

13 DOMINGO

ELLUS 20h00

15 TERÇA

BOBSTORE às 09h30

REINALDO LOURENÇO às12h15

KORSHI - PROJETO ESTUFA às15h00

AO - PROJETO ESTUFA às15h15

FABIANA MILAZZO às17h00

LILLY SARTI às19h00

MODEM às 21h00

16 QUARTA

PATBO às 13h00

VICTOR HUGO MATTOS - PROJETO ESTUFA às 14h00

MIPINTA - PROJETO ESTUFA às 14h15

BEIRA às16h00

ANGELA BRITO às18h00

CAVALERA às 20h00

17 QUINTA

GLÓRIA COELHO às12h00

ALUF - PROJETO ESTUFA às14h00

LUCAS LEÃO - PROJETO ESTUFA às14h15

JOÃO PIMENTA às16h00

FERNANDA YAMAMOTO às18h00

LINO VILLAVENTURA às19h30

AMAPÔ às 21h00

18 SEXTA

ANOTHER PLACE às11h00

APARTAMENTO 03 às14h00

ISAAC SILVA às17h00

NERIAGE às19h00

HANDRED às 21h00

Sobre a SPFW

Com 24 anos de história, o São Paulo Fashion Week (SPFW) é a maior plataforma de divulgação de moda, design e criatividade do Hemisfério Sul. Reconhecido pela ONU como um case mundial, o SPFW é um dos mais completos exemplos de como a economia criativa pode ser usada como estratégia de desenvolvimento para a cidade e o país. Somando 47 edições realizadas até abril de 2019, o evento cumpre um papel articulador e provocador, transcendendo o mundo da moda e estabelecendo-se como ponto de convergência de diversas redes criativas. Com investimentos que superam 1 bilhão de reais, o SPFW já recebeu mais de 3 milhões de pessoas e a transmissão de seus conteúdos pela TV e Internet alcançou mais de 1 bilhão de pessoas em cerca de 100 países. Mais que evento e mais que moda, o São Paulo Fashion Week é uma experiência relevante, estimulante, inspiradora e transformadora para todos os que se conectam à plataforma.

Sobre a IMM

A IMM é uma empresa brasileira que atua nas áreas de esporte, entretenimento e venda de ingressos. Na área de Esporte, a empresa produz eventos de grande porte e que fazem parte do calendário do país, os destaques são: Rio Open (maior torneio de tênis da América do Sul), o UFC, os jogos da NBA Global Games realizados no Brasil em 2013, 2014 e 2015, os eventos de montarias em touro da PBR (Professional Bull Riders) e possui

da redação com informações da  MktMix Assessoria de

À La Garçonne Coleção 02-2019

worldfashion • 08/09/19, 17:04

Neste sábado 07 de setembro, no Centro Cultural São Paulo, desfile da coleção 02-2019 da À LA GARÇONE com Direção Criativa   de Fábio Souza, Estilo de  Alexandre Herchcovitch

Beleza - Celso Kamura

Casting - Fábio Souza

Trilha - Max Blum

Direção geral - Bill Macyntire

Fotos desfile - Zé Takahashi

Alta malharia - À La Garçonne + Hering

Alta Bijuteria - À La Garçonne + Hector Albertazzi

Apparel - À La Garçonne + Olympikus

Couro- À La Garçonne + Kalline

Sapatos - À La Garçonne +Vera Rollof

Sneakers - À La Garçonne +Olympikus

Fitness Apparel- À La Garçonne + LaBellaMafia

Apoiadores - Andrade Máquinas, Carmelo, Dalila Têxtil, Estrela, Focus, Galpão Fashion, Haco Lonati, Pelican, Salotex,  Texprima, Visionari.

Patrocinadores - Olympikus, Sensil, LabellaMafia.

da redação com informações da MKTMIX Assessoria de Comunicação e Marketing imagens: fotos/divulgação  de Zé Takahashi

UNDERTOP NA NEW YORK FASHION WEEK

worldfashion • 06/09/19, 21:44

5c369083-868b-4924-a86c-3e5a13d19bcbNa passarela do line-up oficial da New York Fashion Week, a Undertop, lançou hoje a sua coleção primavera-verão 2020 na New York Fashion Week. os looks total white, propondo produções inspiradas na leveza fresh do verão, complementadas com as  sandálias da designer brasileira Paula Torres.

57cf7ed5-2a92-40db-9018-27f727fdf605“See now buy now”, a coleção estará à venda na multimarcas Flying Solo, em Nova York e na flagship store da marca no Shopping Iguatemi São Paulo e  no e-commerce.

A marca de allwear, da Juliana Mansur, também  diretora criativa da marca, está cada vez mais engajada em criar uma moda cool, inclusiva e com propósito social

61871e4d-6c5f-41fd-937c-008590441a8879133433-c06d-4c18-b2d2-dc122d5bceddInspirada no caos da Babylonia, nasceu uma coleção com misturas coesas e geométricas em tecidos e cores, que causam choque sem perder a harmonia.

Cada vez mais democrática com shapes variados, a Undertop transitou entre cores sólidas e um leve brilho para compor os icônicos bodies e tops, e as peças complementares como vestidos e saias. A coleção éversátil com peças que se transformam em diferentes looks, como o macacão com zíper na cintura, podendo virar uma calça pantacourt. O mix and match das texturas e os traços geométricos representam o verão da marca, com a missão cumprida de trazer para o mundo uma mulher globetrotter, com vontade de ser ela mesma e empoderada.

3ef05d74-4da0-4952-bf21-8f9abeac676cPela primeira vez, coleção intitulada Babylonia traz uma grade ampliada com numeração até o GG. “Estamos sempre pensando no bem-estar da mulher e sentimos a necessidade de ampliar a nossa grade para que mais mulheres possam vestir a marca. É um work-in-progress e buscamos evoluir a cada temporada”, explicou Juliana.

c1efc42a-27db-48e6-b529-4c030c524103Nesta coleção a Undertop se uniu a Sensil®, marca de poliamidapremium da NILIT, para trazer inovação no tule utilizado que dá um altíssimo padrão de qualidade nas peças com  extrema suavidade e ao mesmo tempo mais resistencia.

Sobre a NILIT® cria, produz e comercializa globalmente fibras de nylon 6.6 de alta qualidade para tecidos de vestuário e outros produtos. A empresa foi fundada há mais de 40 anos em Israel e cresceu para ser a maior produtora de Nylon 6.6 do mundo, com presença em regiões-chave como a Europa, EUA, Turquia, América Latina, Ásia-Pacífico e China.

da redação com informações da AgTres assessoria    imagens: fotos de Andrea D’Andrea/divulgação

David Lee estreiou na 45ª edição da Casa de Criadores

worldfashion • 05/07/19, 14:56

dlee_v20_004dlee_v20_022Entre as marcas estreantes desta edição, com certeza David Lee, promissor e jovem estilista cearense, com passagens recentes pelo International Fashion Showcase, programa de mentoria promovido pela British Fashion Council, em Londres, e Dragão Fashion Brasil, realizado em Fortaleza em maio, é um brilhante construtor da moda masculina. Uma das principais características de seus trabalhos é o crochê, que está presente de maneira marcante em suas criações e é uma referência a sua cultura de origem e também é um diferencial no universo masculino, que compõem as suas peças.

dlee_v20_008dlee_v20_014David Lee desfilou a coleção “Um Lugar Seguro”, que explora sensações de conforto e hospitalidade, associadas a elementos de proteção e segurança, como a intimidade do ambiente do quarto, suas texturas e imagens, que são incorporadas a partir do imaginário deste ambiente receptivo. As sensações de proteção e segurança provêm da estética poderosa dos uniformes utilizados em serviços públicos, com seu universo de cores vivas empregadas na sinalização urbana.

dlee_v20_0161David Lee utilizou o fio Charme, que faz parte do mix de produtos da Círculo S/A, a maior fabricante de fios para dlee_v20_0361trabalhos manuais da América Latina, e é parceira do estilista, que apresentou no crochê as cores vibrantes que foram executados com uma rica variedade de pontos. Na cartela de cores entram preto, caramelo, branco, amarelo, vermelho, laranja e azul celeste misturados a listras em tonalidades da camisaria clássica masculina. A dualidade entre força e delicadeza, entre o que é íntimo e público, atravessa e sustenta a coleção. A silhueta é utilitária, potencializada por pontos de cores e modelagens, em sua maioria de linhas retas, a partir da mistura de técnicas contrastantes como o crochê e a alfaiataria. Foram usados tecidos em algodão, malha circular e sarja, com aplicações e detalhes que reforçam o aspecto de urbanidade, como cadarços resistentes e etiquetas de borracha.

da redação com informações da Oficina das Palavras  fotos: divulgação de Marcelo Soubhia/Fotosite

CASA DE CRIADORES 45ª EDIÇÃO

worldfashion • 02/07/19, 16:48

rdog_v19_048-1-640x427De amanhã 03 a 06 e no dia 08 de julho a Casa de Criadores promete muitas novidades. O line up começa com a Ahlma, que abre o primeiro dia de desfiles, com styling de Dudu Bertholini. Para esta temporada, a Casa de Criadores recebe também o Brechó Replay, os veteranos Isaac Silva e Rober Dognani, além das marcas estreantes: Estamparia Social, Silvério, Reptilia, Re-roupa, BOLDSTRAP, CISÔ, DAVID LEE, ESTILERAS, VIVÃO e o PROJETO LAB (BISPO DOS ANJOS, JAL VIEIRA, RAINHA NAGÔ e KOIA).

david-lee-collection-photographer-thais-mesquita-2-640x427Confira abaixo o line-up

03 de julho (quarta-feira)

Sala de desfile: 20h30

Ahlma

Cisô

Diego Gama

D-AURA

Igor Dadona para Blaze Supply

Brechó Replay

04 de julho (quinta-feira)

Sala de desfile: 20h30

Renata Buzzo

David Lee

Martins

Reptilia

Jorge Feitosa

Weider Silveiro

05 de julho (sexta-feira)

Sala de desfile: 20h30

Notequal

Re-roupa

Diego Fávaro

Rocio Canvas

Boldstrap

Rober Dognani

06 de julho (sábado)

Escadaria 16h:

POTE

Sala de Desfile: 18h

Projeto Lab - Bispo dos Anjos | Jal Vieira |Rainha Nagô | KOIA

Vivão

Estileras

Rafael Caetano

08 de julho (segunda-feira)

Sala de desfile: 20h30

Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores

Fernando Cozendey

Heloisa Faria

Silvério

Alex Kazuo

Isaac Silva

Ken-gá

Escadaria: 20h30

Vicente Perrotta

_mg_7176-cc2a6pia-640x423O evento conta também com o 1º DESAFIO SOU DE ALGODÃO, concurso que incentiva estudantes de moda de todo o Brasil a exibirem suas criações em mini-desfiles, em que o vencedor fará parte da line-up da 46ª edição do evento, em novembro de 2019, em parceria com o movimento Sou de Algodão.

Os seis finalistas, com seleção feita em abril, levarão para as passarelas suas coleções completas de 10 looks, sendo na abertura de cada desfile exibido vídeos curtos que contarão a inspiração e a identidade de cada jovem estilista. A premiação será realizada no último dia do evento, em cerimônia que premiará os três primeiros colocados, e contará com renomados especialistas da moda para julgar os trabalhos.

milton-garbugio-ampa-22-copiaPara Milton Garbugio, presidente da Abrapa - Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, é gratificante fechar a semana de moda com o primeiro ciclo de inspiração e orientação voltado ao público que estará no mercado, daqui a pouco, construindo a moda deste país.

“Estamos muito animados em estimular a criatividade dos estudantes e sermos uma ponte para o ingresso destes ao evento. O vencedor será um dos estilistas a apresentar sua coleção na próxima edição, e estamos ansiosos para saber quem será o novo talento da moda. Agradecemos a todos que nos apoiaram nesta jornada”.

O movimento segue em constante crescimento e no fortalecimento da presença do algodão para a indústria da moda e seus consumidores, em que Milton ressalta que “a terceira participação neste importante evento traz para a moda autoral brasileira uma fibra com tantos significados para a economia do país e para a expressão do design”.

De acordo com a Abrapa, o Brasil é o 4º maior produtor de algodão e o 2º maior exportador da fibra nesta safra, sendo 80% da produção certificada em sustentabilidade pelo programa ABR – Algodão Brasileiro Responsável – e 70% licenciada pela BCI – Better Cotton Initiative, chancela internacional que atesta o algodão produzido de forma responsável, utilizada por diversas marcas de varejo de moda internacional e nacional.

Os finalistas serão seis estudantes de faculdades de moda de todo o Brasil, escolhidos entre mais de 400 inscritos. Esses jovens talentos terão a oportunidade de desfilar para um corpo de jurados, composto por renomados profissionais da área, que escolherá o vencedor.terão como apoiadores de seus desfiles tecelagens parceiras do Sou de Algodão e para os três primeiros colocados, além do prêmio de R$ 30 mil ao vencedor, serão oferecidos metros de tecidos e horas de orientação e mentoria por meio dos apoiadores do Movimento.

finalistas-flavia-pommianosky-andre-hidalgo-4-640x480Finalistas

•Dario Mittmann – UEM/PR

•Assumpta (Denis Mathias, Eduardo Augusto e Gabriela Camazzola) – Santa Marcelina/SP

•Era Brand (Alan da Silva Dantas, Lays Santos e Patrick Langkammer) – UVA/RJ

•Fellipe Campos e Fernando Carvalho – Santa Marcelina/SP

•Mateus Cardoso – Santa Marcelina/SP

•Rodrigo Evangelista – IED/SP

Tecelagens parceiras: Canatiba | Cedro Têxtil | Jolitex | Paranatex | Santista Jeanswear | Urbano Têxtil

Apoiadores do Movimento:  Abrapa | Abvtex | Casa de Criadores | Etiqueta Certa | Ernna Cost | Fashion Innovation Bureau | Fashion Innovation Bureau | Leandro Pires Consultoria

Sendo o maior patrocinador desta edição da Casa dos Criadores, o Sou de Algodão contará com programação cultural durante todos os dias como oficinas, talks e exposição. As oficinas serão realizadas em parceria com a Re-roupa, reconhecido laboratório de produção de roupas e ideias que preza pelo ambiente criativo e criação de cultura visando intervir na lógica do sistema produtivo da moda, com o objetivo de promover a reflexão sobre o ciclo de vida da roupa e a criação de novos significados para a peça ou retalho em desuso.

As oficinas também contarão com o apoio de grandes marcas: Cataguases, Farm, G. Vallone, HC Brasil, Vicunha e Zune. Serão 40 vagas abertas, por dia, e os participantes poderão levar para a casa a peça que confeccionarem. Já os talks serão temáticos e interativos, com 80 vagas por dia. As inscrições podem ser feitas a partir deste link: bit.ly/soudealgodao

Sou de AlgodãoE ainda, como reconhecimento aos ricos trabalhos dos semifinalistas do 1º Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores, será realizada exposição no átrio da Praça das Artes, com os looks de 19 estudantes selecionados, aberto ao público durante os dias do evento à partir das 16h.

Confira aqui a agenda da programação das ações e ativações do Sou de Algodão, durante o evento.

Serviço:

- exposições: dias 03, 04, 05, 06 e 08 de julho, das 16h às 20h (aberta em todo o período do evento)

- oficinas: dias 03, 04, 05, 06 e 08 de julho, das 16h30 às 18h30

- talks: dias 03, 04, 05, 06 e 08 de julho, das 18h30 às 19h30

- desfile Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores: 08 de julho, 20h.

Sou de Algodão - É um movimento criado para incentivar o uso da fibra natural na moda e na indústria têxtil, que tem como propósito unir a cadeia do algodão, em torno da sustentabilidade e da atuação responsável de todos os agentes.

A 45º edição da Casa de Criadores acontece na Praça da Artes, numa parceria entre a Secretaria Municipal de Cultura. O secretário Alê Youssef está otimista com o evento e complementa afirmando que “a Casa de Criadores mantém-se há mais de duas décadas como um celeiro de novos estilistas e artistas da moda. A Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo apoia esta iniciativa e incorpora o evento ao Agendão, calendário cultural integrado do programa São Paulo Capital da Cultura.”

__________________________________________________________________________________________

Há mais de duas décadas lançando grandes nomes da moda no Brasil, a Casa de Criadores chega à sua 45ª edição como hub da  nova moda brasileira.

vicunha-kingpins-4A parceira da Vicunha - maior produtora mundial de índigos e brins – com o evento é de longa data, e a empresa fortalece sua conexão com o universo criativo da moda, tecnologia e sustentabilidade por meio do apoio a 24 talentos criativos nesta temporada. A atual edição do evento conta com estreias promissoras como Vivão Project, Igor Dadona para Blaze Supply, Rainha Amagô e Boldstrapp, que também recebem o suporte da gigante têxtil em seu début na casa.

Entre os artigos Vicunha presentes, o Tech Rippel segue como o grande highlight da semana de moda, por seu acabamento em coating que confere visual esportivo, tecnológico e moderno aos looks. Sarjas com toque de elegância, como Kidman, que traz visual refinado e brilho especial, e Vic Max, com aspecto diferenciado e nobre proporcionado pelo acabamento special touch, também figuram entre as apostas dos estilistas para a temporada. No denim, o destaque fica por conta da linha Athletic, composta por artigos que trazem o visual de denim por fora e o toque e o conforto do moletom por dentro; além do índigo 100% algodão Iago Royal, com diagonal bem marcada e visual authentic, ideal para interpretar looks mais vintage.

da redação  com informações: da Agencia Lema (Casa de Criadores e Sou de Algodão). da PressPass (Vicunha)     fotos: divulgação