22ª edição do DFB Festival 2022

worldfashion • 03/05/22, 15:11

praiaclaudio-silveira-credito-foto-thais-gadelha-1-11Idealizado por Cláudio Silveira (foto à direita de Thaís Gadelha), o mega evento chega à 22ª edição, consagrando-se pela programação diversa e reforçando a vocação do Ceará como epicentro para a fomentação da moda, da cultura, da formação e da valorização do turismo. Com a retomada, a palavra inovação vai definir a principal abordagem das ações do DFB, e é, também, o pressuposto criativo que deve inspirar curtas-metragens que orbitam em torno do universo da moda, contemplados no Concurso Move Moda.

O público vai conferir as criações das marcas, nas duas salas com passarelas de 40 metros, além da passarela externa, instalada na areia da Praia de Iracema, que receberá as coleções do DFBeach Club, com foco em beachwear. Neste ano, terá um desfile de moda Upcycling, com reaproveitamento de materiais, em parceria com a Enel Brasil.

A apresentação complementa e as ações do novo espaço do evento, o Factory, terá  instalações gigantes de players do setor de eventos do Ceará e até um palco para os shows, com 28 metros de altura e cenografia 100% feita em sucata.

photo-output-2photo-output-1As marcas confirmadas são:  Olé Rendeiras por Catarina Mina e QAIR Brasil, Kallil Nepomuceno, Hand Lace, Vitor Cunha, Almerinda Maria, Rendá, Ivanildo Nunes, Senac Richelieu por Ivanildo Nunes, Marina Bitu, Baba, Lindebergue, Bruno Olly, Banana Urbana, Sherida, Alix, Theresa Montenegro, Manuel Bessa, David Lee, Vi Lingerie, Sau Swim, Sand Blue e Rio de Jas, além do desfile Enel Upcycling e do Projeto 100% CE por Cláudio Silveira.

Para valorizar a formação terão ações multidisciplinares em diálogo com a cultura de moda do país, que contará com desfiles das Instituições Faculdade Farias Brito (CE), photo-output-4photo-output-7Faculdade Santa Marcelina (SP), Senac Sergipe (SE), Universidade Federal do Ceará, Unifor (CE) e Universidade Potiguar (RN), que foram selecionadas no edital do Concurso dos Novos.

O DFB Festival 2022 criado em 1999 e realizado anualmente em Fortaleza, é um dos mais relevantes eventos multidisciplinares que entra em diálogo com a moda autoral, cultura e ações formativas da América Latina – é, portanto, uma poderosa e notória plataforma para o desenvolvimento da cultura de moda no país e, também, para o fortalecimento da indústria de têxteis e confeccionados no Ceará.

Será apresentado pelo Governo do Ceará, através da Secretaria de Cultura, com agradecimento à Enel Brasil e Realização da Artesanias do Ceará.

da redação com informações da Capuchino Press  imagens: fotos/divulgação

IPI - IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS

worldfashion • 02/05/22, 10:47

ipi-1024x629

ABIT

6fc14003-c054-453e-b717-d4fc5091475dFernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salienta ser correto o aumento do desconto de 25% para 35% no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (29/04). “O corte de alíquota estimula o consumo e a competitividade da indústria. É oportuno e terá impactos positivos para a sociedade, ao contribuir para a recuperação econômica, barateando o que é produzido e conferindo mais poder de compra à população”.

O presidente da Abit considera que o ideal seria a extinção do IPI, pago apenas pela indústria, para que a competitividade do setor fosse ampliada a um patamar mais próximo do observado em outros países. “No entanto, cada redução é um avanço para a manufatura, a economia, os trabalhadores e os consumidores”.

Pimentel defende que o Brasil precisa manter os passos para que a carga de impostos seja menor em relação ao PIB, reiterando serem prementes as reformas tributária e administrativa. “Essa mudança estrutural teria impactos bastante positivos, proporcionando mais estabilidade e crescimento econômico, com mais investimentos e geração de empregos”, conclui.

da redação com infomações da Ricardo Viveiros & Associados Oficina de Comunicação  imagem: foto/divulgação

ASSINTECAL

silvana-dippA Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal) comemorou, nesta sexta-feira (29), a ampliação da redução no Imposto de Produtos Industrializados (IPI) de 25% para 35%. A medida, publicada no Diário Oficial de hoje, passa a valer a partir de 1º de maio e abrange o setor de componentes para calçados.

A superintendente da Assintecal, Silvana Dilly, destaca que a redução do IPI é um “alívio tributário em setores da indústria altamente prejudicados pela alta carga de impostos”. Segundo ela, a medida tem impacto importante para segurar a inflação em determinados produtos, dando mais fôlego para a cadeia produtiva do setor por meio da redução dos custos de produção. “É uma medida importante em um cenário de mercado ainda bastante volátil”, conclui. Conforme a entidade, os principais materiais impactados pela medida devem ser laminados sintéticos (que atualmente pagam 15% de IPI) e embalagens para calçados (que atualmente pagam 7% do imposto).

da redação com informações da DCR - Assessoria de Imprensa  imagem: foto/divulgação

AQUISIÇÃO

worldfashion • 29/04/22, 10:11

singer-jaguar-imagemA SVP Worldwide, que faz negócios por meio da SVP-Singer Holdings, Inc. e suas afiliadas, é a maior empresa de máquinas de costura de consumo do mundo, respondendo por mais de uma em cada três máquinas de costura vendidas globalmente. São três marcas icônicas, SINGER®, HUSQVARNA VIKING® e PFAFF®, que têm encantado coletivamente os consumidores há mais de 460 anos.

jaguar-dqs-401-sewing-machine1A SVP Worldwide, anunciou a aquisição das operações da JICH - Jaguar International Corporation ( empresa japonesa fundada em 1949, na produção de máquinas de costura ziguezague domésticas). O acordo fortalecerá ainda mais a cadeia de suprimentos da SVP Worldwide, contribuindo para o crescimento e desenvolvimento da Singer, da Husqvarna Viking e da PFAFF, outras marcas pertencentes ao grupo.

foto-mpd_lt2De acordo com Marcio Daniel, head da Singer do Brasil, a SVP teve um crescimento significativo nos últimos anos, desencadeado, principalmente, pela pandemia, em que muitas pessoas começaram a buscar alternativas de renda e até uma mudança de carreira, com foco em artesanatos e outros trabalhos manuais. Com isso, houve um forte crescimento no mercado de máquinas de costura doméstica.

“A aquisição, além de expandir a nossa capacidade de produção, também contribuirá com a otimização dos processos da nossa rede e, com isso, conseguiremos introduzir no mercado novos modelos de máquinas de costura inovadoras, como máquinas de costura com inteligência artificial, sistemas operacionais baseados em nuvem e controle de voz para mais produtos do nosso portfólio. Tudo isso com ainda mais eficiência nos processos”, reforça o executivo.

A SVP Worldwide tem explorado muitas oportunidades nos últimos anos para fortalecer ainda mais a base de fabricação para a marca Singer com foco em crescimento. A JICH é estrategicamente atraente, pois é uma instalação moderna e de custo competitivo com uma forte base de fornecimento local. Com isso, eles fornecem à SVP o controle total do roteiro de produtos para máquinas de costura de nível básico/médio, além de estar localizada em uma região isenta de impostos de importação na maioria dos países onde vendemos máquinas de costura.

A aquisição inclui a fábrica e o armazém associado, todos os funcionários atuais, cerca de 700 colaboradores, bem como a equipe de engenharia completa no Japão. Além disso, engloba todo o portfólio de produtos fabricados na unidade e a propriedade intelectual associada. Atualmente, a fábrica fornece à Jaguar International Corporation e a uma série de clientes terceirizados e continuará a fazê-lo sob a propriedade da SVP Worldwide.

As operações adquiridas incluem uma operação de fabricação de máquinas modernas e econômicas, estrategicamente localizada no norte do Vietnã. A fábrica produz máquinas de costura computadorizadas, mecânicas e peças de reposição.

concheta-feliciano_diretora-de-marketing-singer-gente-divDe acordo com a Concheta Feliciano - Diretora de Marketing para América Latina, esse movimento colaborará para o aumento do segmento do mercado de máquinas eletrônicas, principalmente no Brasil, que é o maior mercado, seguido do México.

260786_0A Singer do Brasil tem 170 anos de atuação como líder mundial na fabricação de máquinas e acessórios de costura domésticos e industriais. Seus produtos estão presentes nas maiores lojas do varejo, lojas especializadas em máquina de costura, comércio 718f72l5ful_ac_sl1500_eletrônico e ateliês de costura e artesanato de todo o País. A companhia, por meio de sua forte presença global, desenvolve competências dentro de uma organização de alto desempenho, com o objetivo de gerar o mais elevado nível de valor agregado aos seus clientes, colaboradores, acionistas e sociedade transformando a vida das comunidades em seu entorno, uma vez que estimula o empreendedorismo, o empoderamento feminino e a geração de empregos, além de dinamizar a economia e promover uma nova cultura, mais moderna e dinâmica entre os funcionários e seus familiares.

A SVP Worldwide tem a sede corporativa global nas proximidades de Nashville, no Tennessee, nos EUA, e conta com 171 lojas de varejo em 36 estados dos EUA e vários centros de serviços localizados em todo o país. Internacionalmente, a empresa tem sedes regionais e escritórios comerciais em Milão na Itália, e na Cidade do México no México.

da redação com informações da Trama Comunicação   imagens: fotos/divulgação

TECNOLOGIAS LENZING E NILIT

worldfashion • 28/04/22, 14:37

GRUPO LENZING(*)

11Alinhadas em boas práticas sustentáveis, o Grupo Lenzing e a FARM fecham parceria para lançar uma Coleção Cápsula cheia de frescor, totalmente desenvolvida com a fibra de viscose LENZING™ ECOVERO™.

025a4688025a4771Esta fibra segue um novo padrão em viscose eco, responsável por ser derivada de fontes renováveis de madeira que geram até 50% menos emissões de CO2 e impacto na água em comparação com a viscose genérica. Ela também é certificada com o rótulo ecológico da UE para produtos têxteis (licença nº AT/016/001) - um selo de excelência ambiental, concedido a produtos e serviços que atendem a altos padrões ambientais ao longo de seu ciclo de vida: desde a extração da matéria-prima até a produção, distribuição e o descarte.

editada1“Nós entendemos que a natureza é finita e usar apenas os recursos que realmente precisamos, com a máxima eficiência, é garantir uma produção de alta qualidade em um ambiente ecologicamente saudável. Sabemos o quanto a FARM também tem esta preocupação com o meio ambiente e estamos muito felizes com a parceria, pois ambas as empresas se importam com o planeta e em proporcionar uma moda mais sustentável”, declara Juliana Jabour, gerente de desenvolvimento e novos negócios na América do Sul do Grupo Lenzing.

A Coleção Cápsula Farm X LENZING™ ECOVERO™, que usa o fio ECOVERO™ produzido pela fiação Têxtil Carmem (*) — parceira da LENZING™ no Brasil - é composta por nove peças entre vestidos longos e midi, bermuda, cropped e kimono.

marcello-bastos“É importante ressaltar que a cada coleção a porcentagem de produtos feitos com matéria-prima responsável aumenta. Esta é uma meta constante da FARM. A gente sabe que ainda há muito o que fazer, mas a se existe uma maneira de ser mais responsável, você pode apostar que a gente está trabalhando para isso.”, conta Marcello Bastos, Sócio-Fundador da FARM (*).

(*) O GRUPO LENZING - Com sede na Áustria e 70 anos no mercado de fibras têxteis é reconhecido por sua solidez, qualidade, inovação em sustentabilidade e por contribuir ativamente para enfrentar os problemas causados pelas mudanças climáticas. Em 2019, assumiram o compromisso estratégico de reduzir suas emissões de gases de efeito estufa por tonelada de produto em 50% até 2030, tendo como meta ser carbono neutro para o clima até 2050. Suas fibras formam a base para aplicações têxteis no setor de vestuário, incluindo jeans e peças esportivas. Devido a alta qualidade, biodegradabilidade e compostabilidade, as fibras também são utilizadas para produtos de higiene e agrícolas.

(*) Sobre a Têxtil Carmem

Criada em 1988 pelo patriarca João Moises, a Têxtil Carmem é uma indústria fabricante de fios têxteis para malharia, tecelagem e decoração, tendo como compromisso a qualidade e agilidade no atendimento dos seus clientes. Localizada na cidade de Itapira (SP), a empresa é referência no mercado de fiação por desenvolver, criar e transformar materiais têxteis em produtos inovadores de qualidade, visando atender o mercado têxtil e proporcionar as melhores soluções. São produzidas anualmente mais de 3.500 (Três mil e Quinhentas) toneladas de fios, que geram mais de 170 (Cento e Setenta) empregos diretos.

(*) Sobre a FARM

Inovação na estamparia brasileira, projetos de sustentabilidade, parcerias de sucesso, vendas para o mundo inteiro… Prestes a completar 25 anos em 2022, a FARM celebra o sucesso como uma das maiores marcas do segmento de moda do Brasil e mira espalhar o orgulho de ser brasileira por todo o globo.

Criada em 1997 pelos amigos Katia Barros e Marcello Bastos, a FARM rapidamente ganhou destaque. As cores e estampas conquistaram o coração das clientes!

Tendo o Rio e o Brasil como inspiração, a marca rompeu os limites do Rio de Janeiro e teve seu estilo de vida difundido Brasil afora durante os últimos anos. Atualmente a FARM está presente em todos as regiões do país, com o total de 85 lojas — incluindo as lojas conceito, como FARM Harmonia e Casa FARM.

Em 2019 a FARM inaugurou ao mesmo tempo um e-commerce global e sua primeira loja fora do Brasil, no SoHo, em Nova Iorque. Hoje, além do Soho, a marca conta também com uma loja na Flórida — além das popups estrategicamente posicionadas em grandes varejistas dos Estados Unidos e da Europa.

Nos últimos anos, além da expansão internacional, os olhos da FARM se voltaram para a sustentabilidade. Há dois anos, todas as coleções da marca são 100% carbono neutro. O uso de matéria-prima responsável cresce a cada lançamento, e o programa de reflorestamento da FARM que planta mil árvores por dia, todos os dias, já bateu a marca de meio milhão de árvores plantadas.

da redação com informações da Tastemakers Brasil  imagens: fotos/divulgação

NILIT (*)

screen-shot-2022-04-28-at-93428-amLíder global em Nylon 6.6 premium, tem o orgulho de apresentar SENSIL® ByNature, um produto revolucionário que melhora significativamente o perfil de sustentabilidade do vestuário, o ciclo de vida do produto e o impacto ambiental. ilan-melameds-2“SENSIL® ByNature é uma inovação revolucionária e chega para reduzir significativamente a pegada de carbono, ao mesmo tempo em que fornece uma fibra da mais alta qualidade para vestuário. Este é o tipo de desenvolvimento disruptivo de produtos que a indústria têxtil precisa para reduzir de forma eficaz e rápida seu impacto ambiental e passar para uma posição mais responsável no mercado global.”, diz Ilan Melamed, Gerente Geral da NILIT.

SENSIL® ByNature é a poliamida 6.6 premium desenvolvida através de um processo produtivo inovador, o Biomass Balance (BMB), que possui certificação ISCCplus1 e permite que a NILIT reduza o uso de matéria-prima fóssil substituindo por matéria-prima renovável, possibilitando a redução das emissões de gases de efeito estufa e diminuindo a dependência de recursos não-renováveis.

frank-reil“Estamos muito animados em trabalhar com a NILIT para expandir nosso biomaterial BMB (*) para o setor de vestuário”, diz Frank Reil, Head de Marketing, Desenvolvimento de Novos Negócios e poliamidas sustentáveis da BASF. “A NILIT compartilha do nosso compromisso com a sustentabilidade e juntos criaremos novos produtos inovadores que alavancam substancialmente a indústria de vestuário têxtil e reduzem a pegada ambiental.”

Além de ser a escolha ambiental mais inteligente, os engenheiros da NILIT se preocuparam também em garantir que os tecidos SENSIL® ByNature também ofereçam o conforto,

funcionalidade e caimento que os designers esperam da sua poliamida premium. Com essa inovação, o consumidor encontrará maior bem-estar ao escolher peças de alta qualidade e

longevidade, em linha com seus valores e buscas individuais, aliando a melhor experiência de consumo de moda a um menor impacto nos recursos do planeta.

Como líder em soluções sustentáveis de poliamida, ou Nylon 6.6, a fibra mais nobre produzida pelo ser humano, a NILIT tem produtos como o SENSIL® BioCare, aprimorado com uma tecnologia especial que ajuda a diminuir a persistência de resíduos têxteis na água do mar e em aterros sanitários; o SENSIL® EcoCare feito com poliamida reciclada; e a poliamida pré-tingida e o SENSIL® WaterCare, que economiza 100% da água utilizada no tradicional processo de tingimento úmido, sendo todo o portfólio de produtos SENSIL® fabricado de acordo com os critérios de Total Product Sustainability da NILIT - International Sustainability & Carbon Certification

(*) NILIT® é líder global na produção de fibras de moda e desempenho de Nylon 6.6 premium e sustentáveis. A empresa, fundada em Israel em 1974, possui quatro instalações de fabricação verticalmente integradas e escritórios globais atendendo sua base de clientes na EMEA, Ásia, América do Norte e América Latina. E SENSIL® é a marca premium sustentável de Nylon 6.6 da NILIT para vestuário. Criado por mestres da precisão, é o novo padrão de qualidade para roupas íntimas, legwear, roupas esportivas, jeans, roupas para atividades ao ar livre e outros produtos. SENSIL® é uma marca registrada da NILIT. www.SENSIL.com

(*) BMB - OPPANOL® B 12 BMBcert™ Biomass Balanced é o primeiro poliisobuteno derivado de matéria-prima 100% renovável e proporciona economias de CO2 mensuráveis. Os produtos certificados contribuem assim para o desenvolvimento sustentável, poupando recursos fósseis e reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa. Essa solução exclusiva permite que os clientes diferenciem seus produtos da concorrência e ajuda a atingir suas metas de sustentabilidade. Os produtos balanceados de biomassa resultantes oferecem uma oportunidade de diferenciação, como uma pegada de CO2 quantificável e economia de recursos fósseis.

da redação com informações da AG Três Comunicação   imagens: fotos/divulgação

TECNOLOGIA

worldfashion • 25/04/22, 14:32

1401A Delta Máquinas Têxteis (*), empresa de Pomerode (SC) referência em tecnologia, pode  potencializar a produção da industrial têxtil, com desenvolvimento de máquinas, equipamentos e softwares. Com o foco no conceito 4.0, alinha automação, gestão de dados e padronização de processos inteligentes, com clientes não apenas no Brasil, mas em toda a América.

1341A Malharia Brasil, ao adotar soluções da Delta Máquinas Têxteis (*), indústria com produção mensal de 300 toneladas agregou maior qualidade aos seus produtos, além de ter ganho agilidade no processo e redução de custos com insumos e otimizou a produção com automação no tratamento e no processo de embalagem  Fundada em 1979 em Tietê (SP), a Malharia Brasil é uma indústria especializada na produção de rolos de malhas para a confecção de uniformes profissionais e escolares. Atualmente, conta também com unidade em Brusque (SC) e atuação nacional. Com capacidade produtiva de 300 toneladas ao mês, ela resolveu apostar em automação para otimizar o processo fabril, reduzir perdas e aumentar a qualidade do produto final.

0231Durante a consultoria, surgiram algumas ideias para melhorar ainda mais o trabalho da Malharia Brasil e o seu diretor Beto Mazer não exitou em fazer o investimento. Foram então adquiridas duas Estações Hidro Aspersoras, que concentram-se no processo de acabamentos diferenciados das malhas, e uma Embaladeira Automática, que não só reduz a perda de plástico, como também automatiza a pesagem e etiquetagem do produto.

Para Mazer, seu produto ganhou muito em qualidade após passar pela estação hidro aspersora. “Com o acabamento diferenciado, a malha fica mais fácil de manusear durante a costura, isso evita quebras de fios e peças de segunda linha. Além disso, o toque tem mais maciez. Toda a cadeia sai ganhando, é sem dúvidas um item diferenciado no mercado”, afirma.

fabio_sala-de-reuniaoO diretor da Delta, Fabio Kreutzfeld, destaca que este é um desafio comum nas malharias. “A malha acaba perdendo parte da sua composição durante o processo e necessita de novos acabamentos para agregar volume e maciez garantindo a qualidade final do produto”, explica.

Resolvido o problema relacionado a qualidade do produto, entrou a necessidade de agilizar a embalagem. “Com a embaladeira automática de rolos integrada as estações hidro aspersoras resolvemos um grande gargalo, em que não obstante, ocorriam erros de registros nas pesagens e colocação das etiquetas. Agora, com a qualidade tecnológica da Delta, o processo é todo automatizado, sem a necessidade de interferência humana, com a redução de quaisquer erros nesta etapa”, salienta Mazer.

Somente em 2021, um levantamento da ABIT - Associação Brasileira da Indústria Têxtil apontou que empresas do segmento investiram 315,6 milhões de dólares em equipamentos. O resultado é impulsionado pela expectativa de retomada das vendas dentro e fora do país e a otimização será crucial para a competitividade, uma vez que o setor dá sinais de otimismo: a receita do setor foi de R$ 194 bilhões no ano passado, 20% maior do que em 2020.

123(*) Fundada em 2007 em Pomerode (SC), a Delta Máquinas Têxteis é referência em tecnologia para otimização da produção industrial têxtil através do desenvolvimento de máquinas, equipamentos e softwares. São mais de 50 produtos em seu portfólio, aplicados aos processos de tecelagem plana, malharia circular, estamparia, acabamento e confecção. A Delta desenvolve ainda projetos de automação exclusivos, de acordo com a necessidade de seus clientes. Com foco na indústria 4.0, alinha automação, gestão de dados e padronização de processos inteligentes, possui mais de 300 clientes localizados no Brasil, Argentina, Paraguai, Peru, Equador, Colômbia, El Salvador, Honduras, Guatemala e México.

da redação com informações da Trevo Comunicação  imagens: fotos/divulgação

27ª edição do Minas Trend Preview

worldfashion • 20/04/22, 11:28

img-1484Na abertura da 27ª edição do Minas Trend Preview, a segunda pós pandemia, foi realizado a coletiva de imprensa que contou com a presença de Flávio Roscoe, presidente da FIEMG - Federação das Indústrias de Minas Gerais e Afonso Rocha, superintendente do SEBRAE MG. Anunciaram os estudos de projetos para as próximas edições do evento. Após duas edições sem eventos presenciais, afetaram os grandes eventos, porém o evento mineiro, tem uma tradição e o fluxo de grandes compradores nacionais e internacionais.

img-14802O evento realizado num momento de grande e significativo impacto econômico, sendo esta, a segunda edição presencial, foi  construido analisando e estudando as diversas possibilidades.Considerando as novas formas de comercialização, o digital, veio para ficar, e as várias marcas tiveram acesso e contatos com os lojistas, e até direto com o consumidor,  todo o mercado passou por uma grande transformação.

Mas obviamente nestes novos caminhos, os eventos ainda são relevantes e muito importante para fortalecimento dos laços de forma tradicional, no tête-à-tête, tanto que a primeira edição presencial foi um sucesso, com a presença de muitos compradores. E para o novo projeto está sendo considerado um espaço mais adequado e diferente para a atual  realidade, e o Expominas, apesar do contrato que a FIEMG tem para os próximos anos, poderão ser utiluizado para atender a outros segmentos da entidade.

img-14795Na nova repaginação,  há um projeto de levar pílulas do MINAS TREND, a eventos de outros estados e as percepções e os novos formatos, com certeza estão sendo considerados na renovação do evento, inclusive com uma plataforma digital - 360 graus - num formato  para atender as marcas nas coleções atemporais, fora dos lançamentos.

“Tudo isso é possível com o apoio de  parceiros como o SEBRAE MG, que acompanha o evento desde as primeiras edições, apoiando as micro e pequenas empresas individuais”, pontuou Flávio Roscoe. O img-1482segmento é grande e forte, com presença nas indústrias e comércios da moda, considerando o vestuário, calçado e acessórios.

Afonso Rocha do SEBRAE MG, considerou que o evento MINAS TREND, tem uma história e tradição ligado à moda, e recolocou o Estado no circuito brasileiro da moda. E neste momento importante, não faltarão com apoios às empresas, e reiteram o compromisso da parceria, tão relevante para o setor, para os próximos projetos a serem definidos.

da redação com imagens do nosso acervo

TECNOLOGIA

worldfashion • 19/04/22, 15:37

nova-pautaCom inversores de frequência e os Soft Starters: automatização, segurança e flexibilidade em processos industriais, consegue-se uma economia de até 50% no consumo de energia na indústria, com otimização de máquinas e maior proteção.

Os equipamentos estão presentes não apenas em máquinas simples, mas também em maquinário pesado, como na mineração, sendo primordiais em qualquer equipamento que gere demanda do controle de energia elétrica.

“Os inversores de frequência são importantes para as máquinas, pois reduzem o pico da corrente de partida evitando desgaste mecânico do motor e aumentando a vida útil deles. E em aplicações como bombas, ventiladores e exaustores, é possível ter uma economia de energia de até 50% (de acordo com o perfil de consumo)”, diz Gustavo Batista, promotor técnico da Reymaster Materiais Elétricos, distribuidora com sede em Curitiba (PR) e unidade em Joinville (SC), e que atende todo o Brasil.

Além dos inversores de frequência, outro equipamento muito utilizado nas indústrias são as Soft Starters, que suavizam a partida e a parada do motor, sendo principalmente utilizadas em centrífugas, ventiladores, bombas, compressores, transportadores, trituradores, misturadores, elevadores de carga, moinhos e prensas.

Entre os exemplos destes produtos está a linha Altistart 48 da multinacional francesa Schneider Electric. Entre seus benefícios está a proteção de máquinas e motores, pois as funções de partida e parada suaves atuam em alto nível de desempenho, graças ao Sistema de Controle de Tração (TCS), que permite que o torque nominal da aplicação seja atingido em um tempo pré-definido pelo usuário.

gustavo-souzaGustavo Batista ainda reforça que, para facilitar, o equipamento vem parametrizado de fábrica para partida imediata do motor. “Equipamentos de alta performance custam muito caro, e para que eles valham a pena, precisam estar em ótimo funcionamento. Quem investe em um equipamento como o Altistart 48 estará com um produto top de linha que, além de não dar problemas de funcionamento, aumentará a vida útil das máquinas em muito tempo”, conclui. Para conhecer os produtos, visite o site: https://www.reymaster.com.br/

da redação com informações da Engenharia de Comunicação  imagem: foto divulgação

MODA DO NOVO MUNDO(*)

worldfashion • 18/04/22, 16:50

mostra-modadonovomundo Semana de arte moderna de 1922 nos enche de orgulho. Seu legado comprova que é possível construir conexões verdadeiras, e essa Mostra é inteiramente inspirada em seus feitos.

Assim  #ModaDoNovoMundo se apresentará como instalação coletiva, uma coleção multiplural, como uma soma de profecias estéticas do presente-futuro, com toda a liberdade que lhe é devida, desde a ambientação, elaborada com estruturas orgânicas coletadas na Mata Atlântica e Cerrado [do ecótono da Cuesta Paulista], até as próprias peças, cada uma com conceito construtivo, fundamento, técnicas e matérias-primas próprias, riquezas vindas de todas as regiões do Brasil, desde o Xingu até Santa Catarina, passando pelo Acre e Minas Gerais, até o Maranhão.

1-willi-de-carvalho1Estarão expostas trinta peças, sendo uma de cada participante, profissionais com atuações peculiares em diferentes frentes: pintura, bordado, tecelagem, tricô, crochê, trançado com fibras naturais, tramas com retalhos, rendas manuais, tingimentos artesanais, naturais e botânicos, upcycling, customização, restauração; diversas aplicações e intervenções, com estamparias tanto conceituais quanto tradicionais.

2-lizziSão peças modernas com memórias, que misturam várias linguagens de arte, como poesia, literatura, música e audiovisual, e trabalham inovação, como experimentações em construção de biotêxteis e não-tecidos alternativos, e comunicação eletrônica experimental.

3-aline-martinezSão produções embasadas nos critérios da moda do novo mundo, diretamente conectadas com a nossa potência criativa aplicada ao segmento da moda, gerando um guia prático 5-luciano-pinheirofuncional sobre o muito que somos e podemos.

Participam da Mostra: Aline Martinez, Brechó da Poppi, Coelho Gavião, Coletivo de Dois, Feito por Gita, Grão, Gustavo de Carvalho, H-AL, Jô de Paula, Júlia Novaes, Kátia Fagundes – Da Tribu, Las Chicas Tienen Fuego, Leila Bahia, Linhas pontos e panos, Lizzi, Luciano Pinheiro, Made in Acre, Maria com chá, Mylena Uhlig, Naná - moda comunitária, Noeme Gomes, Otake, Refazenda, Susana Fernandez, Ventana, Vermelho Flô, Verson Souto, Watatakalu Yawalapiti, Willi de Carvalho, Xilo Shirt.

monicahorta_oMônica Horta, curadora e realizadora do evento, afirma: “existe um grande sentido de identidade na cena cultural da moda autoral brasileira, uma vez que a criatividade, para nós, é um recurso infinito, nosso bem coletivo mais precioso. Essa Mostra será uma documentação estética/conceitual, um registro histórico da democracia do estilo da legítima moda que a gente inventa”.

A abertura será no dia 19 de abril, no CCSP - Centro Cultural São Paulo, a partir das 16h, na Sala Adoniran Barbosa, uma roda de conversa com grandes nomes que atuam em sintonia com os modernistas, para trocar ideias sobre “A Semana de arte de 22 e a moda do novo mundo” são eles: Jurandy Valença - diretor da Biblioteca Mário de Andrade; Néli Pereira - comunicadora e pesquisadora de brasilidades; Baixo 6-h-alRibeiro - curador e galerista, proprietário da Choque Cultural, e ainda Naná Oliveira - criadora sergipana, além de performances de marcas participantes. Já no dia 1 de maio, em seu encerramento, acontecem duas performances/desfiles, nas rampas da Praça das bibliotecas, a partir das 17h.

Paralelamente à Mostra, o Instagram @_modadonovomundo realizará a “Semana de moda moderna”, de forma híbrida, com a publicação de conteúdos diários inéditos de marcas convidadas, como visitas guiadas, filmes de moda, lives, rodas de conversas e oficinas. Como já bem disse Oswald de Andrade, “só a antropofagia nos une”.

(*) Sobre a Moda do novo mundo

A moda do novo mundo é moda vivida com respeito, comprometida com esses conceitos:

7-ventana1☞ Moda autoral - é inspirada no autoconhecimento e na própria cultura

☞ Moda humanizada - é conectada com o seu entorno e com a natureza

☞ Moda acessível - estabelece harmonia entre preço e valor

☞ Moda diversa - se comunica com diferentes corpos

☞ Moda libertária - é independente das tendências do mercado

☞ Moda ancestral - se empodera com tradições artesanais e é focada no processo

☞ Moda colaborativa - compartilha a sua potência e atua coletivamente

☞ Moda atemporal - investe na qualidade e é feita com calma, pra durar

8-julia-novaes☞ Moda questionadora - incentiva mudanças estruturais

☞ Moda inovadora - tem como fundamento a economia da experiência

Serviço:

Mostra “#ModaDoNovoMundo”

De 19 de abril a 1 de maio de 2022

Centro Cultural São Paulo | CCSP e @modadonovomundo

Acesso livre e gratuito para todes

da redação com informações de Mônica Horta imagens: fotos/divulgação

Collab: Horizonte

worldfashion • 14/04/22, 15:13

1As marcas Linus, de lifestyle sustentável, e Psicotrópica, que produz estampas com obras de arte de usuários da rede de saúde mental, lançaram no último dia 12 de abril, a “Horizonte” com as peças estão disponíveis nas lojas físicas e e-commerce das marcas, a coleção conta com uma sandália Linus e seis peças de roupa da Psicotrópica com estampas inspiradas em formas da natureza: terra, montanhas e sol.

O nome horizonte se refere ao objetivo de trazer um novo horizonte na maneira de se vestir, incentivando a moda sustentável e confortável. A sandália da Linus é a primeira sandália de plástico vegana nacional, 100% reciclável, composta por 70% de fontes renováveis e livre de metais pesados. Enquanto as roupas da Psicotrópica para a collab são feitas em tecido 100% algodão, com estampas digitais e grade de tamanhos que vão do PP ao G2. Ambas as marcas com produção 100% nacional.

A collab apresenta uma edição especial da sandália Linus em tom laranja e seis peças de roupas da Psicotrópica, entre elas camisa, calça, kimono, camisão, vestido longo e camisa de manga longa. isabela-chusid“Assim como os elementos da natureza, somos seres únicos, poderosos e feitos de ciclos. Esta coleção chega para trazer um novo horizonte na maneira de se vestir, celebrando a beleza e a liberdade de ser quem somos e ressaltando a importância de estarmos em equilíbrio com o planeta”, conta Isabela Chusid, CEO e fundadora da Linus, eleita uma das seis jovens mais influentes do Brasil em moda, pela lista Under 30 da Forbes.

“A estampa horizonte em collab com a Linus vem para nos lembrar da leveza e da suavidade que devemos ter com a vida, 3assim como quando vemos um pôr do sol e nos reenergizamos com a natureza.” Afirma Raiana Pires, diretora criativa da Psicotrópica, une arte e saúde mental dentro da moda com propósito, acredita que o encontro das duas marcas celebra a produção consciente, responsável e autoral.

Sobre a Linus - uma marca de lifestyle sustentável que existe para transformar o bem-estar em um estilo de vida presente na relação das pessoas com elas mesmas, com os outros e com o planeta. O cuidado se inicia com a criação da primeira sandália de plástico vegana nacional, confortável, atemporal e versátil, projetada por designers, engenheiros de material, especialistas em palmilha e ortopedistas e reflete no planeta por meio do cuidado com o meio ambiente. A marca compensa a emissão de carbono e 200% de todo o plástico que produz, possui os selos Eu Reciclo e Carbon Free, além de ser certificada pela organização internacional de direitos dos animais PETA. Criada por Isabela Chusid, eleita entre os jovens mais promissores do Brasil abaixo dos 30 anos pela Forbes, na lista Under 30 de 2021, a marca cresceu 700% na pandemia e, em setembro de 2021, esteve presente na New York Fashion Week, uma das principais semanas de moda do 4mundo. Em fevereiro de 2022, a marca anunciou o início da operação na Europa por meio do e-commerce internacional.

Sobre a Psicotrópica - Desenvolve um projeto dentro da Rede Saúde Mental Brasileira chamado Surto Criativo. Através dele, buscamos por artistas usuários da rede e transformamos suas obras em estampas que trazem vida à nossa principal linha de roupas, que leva o mesmo nome do projeto. O Surto Criativo, enquanto projeto, tem como principais objetivos dar visibilidade e remunerar os artistas dentro de sua própria plataforma, o site surto criativo, onde as obras ficam à disposição para venda. Assim criamos uma ponte entre os consumidores e os artistas! Além da linha Surto Criativo, são desenvolvidas estampas exclusivas e autorais com artistas mulheres. Priorizamos esse trabalho autoral para fortalecer o cenário feminino.

da redação com informações da ScalePress  imagens: fotos divulgação de Julia Pavin

JAPAN HOUSE (*)

worldfashion • 11/04/22, 15:12

impares-na-jhsp-creditos-ding-musa-13A mostra apresentará a estética japonesa por meio de 75 criações inovadoras, entre colares, pingentes, brincos, anéis, pulseiras e broches a ocupar o térreo da instituição na Avenida Paulista, entre 5 de abril e 12 de junho.

natasha-barzaghi-geenen“Realizar uma exposição sobre a produção de joias e adornos japoneses era um desejo que vinha desde 2018. Depois de alguns anos de amadurecimento, pesquisas e descobertas, [ím]pares reúne uma amostra dessa produção atual, destacando mulheres designers que são pares em suas profissões mas completamente únicas e distintas em suas criações, que incluem elementos e materiais tradicionais com estéticas extremamente atuais e fascinantes”, comenta a curadora e diretora cultural da Japan House São Paulo, Natasha Barzaghi Geenen.

O conceito de adorno e o costume de se enfeitar assumiram diferentes significados ao redor do mundo com o passar dos anos. No Japão, foi após a Era Meiji (1868-1912) que a produção e a indústria de joias começaram a se desenvolver seguindo os padrões ocidentais, evolução que resultou na estética atual.

naho-okamoto-creditos-ding-musa-31Para além das associações mais imediatas sobre design japonês no Brasil – predominância de linhas retas de estilo minimalista – as obras selecionadas pela curadoria, 15 de cada artista, exuberância das formas, escala, texturas, cores, de peças articuladas ou ainda de uma estética lúdica. “Cada uma das designers de joias traduz, à sua maneira, a sutileza e força de um adorno. Acessórios são, por definição, não-essenciais, porém podem atuar de maneira extremamente decisiva e pessoal na construção da representação identitária para transmitir diferentes mensagens de acordo com o uso e combinação feita por cada pessoa”, comenta Natasha.

impares-na-jhsp-creditos-ding-musa-12O nome da exposição, [ím]pares, reflete a dualidade entre os estilos únicos das cinco designers e o fato de todas serem pares na profissão, área onde muitas mulheres são atuantes junto com designers homens que criaram marcas de joalherias de luxo internacionalmente reconhecidas. A expografia é do escritório Metro Arquitetos.

impares-na-jhsp-creditos-ding-musa-8Na exposição estão Mariko Kusumoto (cujo trabalho com tecido moldado para lembrar flores e corais já chamou a atenção de Jean Paul Gaultier) e Naho Okamoto, dona da SIRI SIRI (uma das grandes marcas de joalheria japonesa, que desenvolve um trabalho de economia sustentável junto a artesãos locais), dois nomes cujos talentos e projeções já ganharam o mercado internacional. A seleção também destaca artistas como Miki Asai (reconhecida por seu trabalho delicado inspirado no conceito do wabi sabi – busca do belo na imperfeição), Emiko Suo (com duas séries de trabalhos em metal expostas na exposição, uma dedicada às linhas e outra às malhas de metais, que ganham aparência de tecido por serem revestidas com cerâmica) e Nahoko Fujimoto (seu trabalho com estruturas metálicas móveis e ímãs dá origem a peças inspiradas na natureza que se abrem e ganham volume).

Sobre as designers:

peca-de-miki-asai-na-japan-house-sp-creditos-wagner-romano-7Miki Asai

As peças de Miki Asai buscam a beleza por meio da imperfeição, explorando e exemplificando o conceito do wabi sabi. Para isso, ela usa materiais como casca de ovo, pequenos metais, laca japonesa e até pequenos pedaços de conchas e papéis, na criação de superfícies feitas de pedras minerais em pó, cujos efeitos contrastam com sua solidez e permanência. Sua produção já foi premiada pela Japan Jewellery Designers Association (JJDA), em Tóquio, e pelo The Goldsmith’s Center (Londres), uma das instituições mais importantes no campo da produção artística em nível global.

peca-de-naho-okamoto-na-japan-house-sp-creditos-wagner-romano-51Naho Okamoto (SIRI SIRI)

Idealizadora e proprietária da SIRI SIRI, marca considerada uma das mais importantes da atualidade no setor de moda e design no Japão, Okamoto trabalha em colaboração com artesãos e produz peças com o máximo cuidado e atenção às técnicas tradicionais japonesas, como o estilo de faceta Kiriko e os trabalhos em vime que serão exibidos na exposição na Japan House São Paulo. Além da relevância comercial, qualidade e designs diferenciados, a empresa sediada em Tóquio possui políticas de sustentabilidade ligadas ao uso de materiais naturais e preservação do artesanato local, além de um programa de desenvolvimento e capacitação para jovens artesãos.

peca-de-mariko-kusumoto-na-japan-house-sp-creditos-wagner-romano-471Mariko Kusumoto

Trabalhando principalmente com tecidos, fibras, resina e metal, Kusumoto produz peças etéreas, mesclando referências japonesas com outras ocidentais para criar joias e obras de arte leves, delicadas e inspiradas pela natureza. Sua produção é inteiramente artesanal e se destaca por seu aspecto lúdico vindo das cores, texturas e formas exuberantes. Usando técnicas de termofixação, ela dá ao tecido uma nova identidade, remodelando-o em formas tridimensionais de uma delicadeza lúdica. Durante esse processo, a designer fica atenta ao acaso e possíveis imperfeições que possam aparecer, incorporando-as em suas criações, uma postura muito semelhante ao conceito wabi-sabi. Dentre os destaques de seu trabalho está uma colaboração com Jean Paul Gaultier para a Paris Fashion Week, em 2019, além de exposições nos Estados Unidos, Portugal e Alemanha.

peca-de-emiko-suo-na-japan-house-sp-creditos-wagner-romano-271Emiko Suo

Emiko Suo se destaca no trabalho com metal, utilizando fios metálicos extrafinos, materiais de malha, entre outros, para explorar suas propriedades de tensão e leveza. O domínio de técnicas sofisticadas e complexas de metalurgia, aprendidas com seu pai durante a infância, e posteriormente aperfeiçoadas na Tokyo University of the Arts, fizeram seu trabalho ser reconhecido tanto no Japão quanto internacionalmente desde a década de 1990.

peca-de-nahoko-fujimoto-na-japan-house-sp-creditos-wagner-romano-31Nahoko Fujimoto

Suas peças mostram um interesse pela tridimensionalidade, explorada utilizando papéis delicados e ímãs, que permitem que as peças, geralmente orgânicas e com referências diretas a elementos da natureza, como pássaros, conchas ou folhas, ganhem movimento.

SERVIÇO:

Exposição [ím]pares

Apoio: Japan Jewellery Designers Association (JJDA)

Período: de 5 de abril a 12 de junho de 2022

Local: Japan House São Paulo – Avenida Paulista, 52 (térreo)

Horário: terça a sexta, das 10h às 18h; sábados, das 9h às 19h; domingos e feriados, das 9h às 18h.

Reserva online antecipada (opcional): https://agendamento.japanhousesp.com.br/

A visitação é gratuita. e a exposição conta com recursos de acessibilidade.

(*) A Japan House é uma iniciativa internacional com a finalidade de ampliar o conhecimento sobre a cultura japonesa da atualidade e divulgar políticas governamentais. Inaugurada em 30 de abril de 2017, a Japan House São Paulo foi a primeira a abrir suas portas, seguida pelas unidades de Londres e Los Angeles. Estabelecida como um dos principais pontos de interesse da celebrada Avenida Paulista, a JHSP destaca em sua fachada proposta pelo arquiteto Kengo Kuma, a arte japonesa do encaixe usando a madeira Hinoki. Desde 2017, a instituição promoveu mais de trinta exposições e cerca de mil eventos em áreas como arquitetura, tecnologia, gastronomia, moda e arte, para os quais recebeu mais de dois milhões de visitantes. A oferta digital da instituição foi impulsionada e diversificada durante a Pandemia de Covid-19, atingindo mais de sete milhões de pessoas em 2020. No mesmo ano, expandiu geograficamente suas atividades para outros estados brasileiros e países da América Latina. A JHSP é certificada pelo LEED na categoria Platinum, o mais alto nível de sustentabilidade de edificações; e pelo Bureau Veritas com o selo SafeGuard - certificação de excelência nas medidas de segurança sanitária contra a Pandemia de Covid-19.

da redação  com informações da Suporte Comunicação   imagens: fotos divulgação de Wagner Romano