dicas de respostas à crise

worldfashion • 01/04/20, 11:44

O surto de COVID-19 declarado pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), diferentemente dos cenários sazonais de gripe, estima-se que essa crise seja um evento autossustentável, que dure pelo menos um ano ou mais.

credit-crunch-1-1237440-1920x1440As organizações provavelmente precisarão desenvolver uma estratégia de resposta a crises que vão muito além do plano de resposta existente, adaptando os protocolos vigentes à crise atual. Isso deve incluir os meios para monitorar continuamente o bem-estar dos funcionários e comunicar efetivamente os acontecimentos, para proporcionar confiança aos colaboradores.

A seguir, diretrizes e dicas da BlackBerry que as organizações podem adotar ao trabalhar para atualizar as estratégias de resposta existentes.

• Revise seus planos atuais de resposta a doenças pandêmicas ou infecciosas para determinar se há alguma divergência com os conselhos de saúde locais sobre o COVID-19 e atualize os pontos principais o mais rápido possível.

• Comunique esses planos a todos os funcionários, fornecedores e clientes da sua organização. Se as informações já estiverem no portal online da empresa, faça um resumo rápido e comunique os principais pontos novamente.

• Inicie uma campanha de comunicação sustentada e determine a frequência dos principais pontos/lembretes. Exceções seriam “notícias de última hora” ou comunicações “com efeito imediato”.

• Revise os acordos legais dos fornecedores e clientes atuais e ative seus respectivos planos de continuidade de negócios, especialmente quando o fornecimento de bens ou serviços precisar ser interrompido ou adiado.

• Se um pré-arranjo tiver sido feito, aumente a quantidade de seus equipamentos de proteção individuais (EPIs), como máscaras faciais, desinfetantes para as mãos e termômetros para além do estoque atual, que pode ter sido baseado em antigas premissas de planejamento. No entanto apenas os disponibilize com base na recomendação da autoridade de saúde local.

despair-work-falure-computer-1494555• Inicie uma abordagem equilibrada para trabalho remoto, reuniões virtuais, adiamento de eventos não críticos e/ou não essenciais, bem como práticas de distanciamento social.

• Como o COVID-19 exigirá a segregação do local de trabalho e as rotas designadas a serem seguidas nas instalações, caso a equipe precise ser transportada para o hospital, determine se essas medidas afetarão os processos de outros planos de cenário de segurança física.

• Analise as iniciativas de aconselhamento da equipe, a fim de garantir que a organização esteja preparada para apoiar as necessidades de bem-estar dos funcionários.

• Pense na pós-recuperação, quando sua empresa poderá retomar os negócios normalmente e até prosperar. Analise as habilidades da equipe atual da organização e invista em treinamento; considere quais iniciativas de tecnologia facilitarão não apenas a situação atual do COVID-19, mas também farão parte do aprimoramento da resiliência organizacional durante a normalidade ou crises futuras.

• Continue a monitorar, de perto, os acontecimentos e a adaptar seu(s) plano(s) de acordo. Acima de tudo, mantenha a calma, mas não seja complacente.

Para mais informações e atualizações sobre a situação do COVID-19, visite o site da Organização Mundial da Saúde (OMS) .

Sobre a BlackBerry - a empresa fornece softwares e serviços de segurança inteligente para empresas e governos em todo o mundo. Ela assegura mais de 500 milhões de endpoints, incluindo 150 milhões de carros na estrada hoje. Sediada em Waterloo, Ontário, Canadá, a empresa utiliza inteligência artificial e aprendizado de máquina para fornecer soluções inovadoras nas áreas de segurança cibernética, proteção e privacidade de dados, e é líder nas áreas de gerenciamento de segurança de terminais, criptografia e sistemas integrados.

da redação com informações da Ketchum imagens: fotos/divulgação

Cuidados ao trabalhar de casa

worldfashion • 01/04/20, 10:57

wireless communication networkCom as medidas de reduzir a circulação de pessoas, para frear a propagação do novo coronavírus, muitas empresas aderiram ao “home office”, evitando assim a aglomeração dentro de escritórios, salas de reuniões e coworkings de funcionários, clientes e prestadores de serviços,

De acordo com Fellipe Guimarães, CEO da Codeby, empresa de tecnologia a implementação de um plano eficaz e suporte para funcionários que trabalham remotamente é essencial para garantir que as empresas sejam capazes de manter as operações mesmo com adversidades como, por exemplo, epidemias e doenças contagiosas.

fellipe-codeby-640x427“Existem alguns fatores que influenciam o trabalho “home office”, dentre eles: muitos trabalhadores em home office tendem a usar seus próprios dispositivos ou usar o computador da empresa (que geralmente está logado em uma rede segura), ambos cenários implicam riscos potenciais à segurança”, esclarece Guimarães.

Para ajudar os empresários e funcionários que estão organizando as atividades do trabalho, algumas dicas para ter um “home office” tranquilo e seguro.

São elas:

Dica 1 - Rede: Caso sua casa seja movimentada e muitas pessoas tenham acesso a sua senha do wifi, vale ressaltar que, é importante trocá-la periodicamente. “Com a senha passando de boca a boca é difícil avaliar se sua rede é segura.”, menciona o sócio da Codeby, Victor Almeida.

Dica 2 - Responsabilidade com a empresa: mantenha os sistemas atualizados, não deixe de atualizar os dispositivos. Mantenha sempre o antivírus atualizado e ativo, pois ele pode evitar um ataque e a perda de dados sigilosos da empresa. Use o antivírus com frequência, fazendo “varreduras” e atualizações, caso tenha que atualizar alguma frente ou excluir algum programa, faça a permissão via antivirus e depois reinicie o computador.

Dica 3 - Backups: “Não se esqueça de ter backups do seu trabalho em caso de qualquer problema. Aqui caímos em uma contradição, pois fazer o backup em casa pode ser um assunto controverso, pois você estará mantendo cópias de dados da empresa em um ambiente que ela não controla. No entanto, perder todos os dados pode ser pior. Nesse caso, é importante pedir para que sua empresa determine o que fazer com relação ao assunto.”, alerta Almeida.

Dica 4 - Bloqueio de tela: Outra medida necessária é a de bloquear a tela do computador, caso você divida o espaço com outros membros da família. Os dados da empresa são sigilosos e não dizem respeito a mais ninguém, além de você que é funcionário. Então bloqueie o computador ao se afastar dele.

Dica 5 - Roteador: É importante manter o sistema do seu roteador sempre atualizado, ou seja, muitos fabricantes publicam periodicamente atualizações que corrigem problemas de segurança.

Dica 6 - WPA2: Ativar a configuração WPA2 que dificulta bastante a captura da senha de sua rede em caso de ataque externo.

Dica 7 - VPN: Muito importante pois cria uma espécie de túnel em que, dependendo da configuração, só permitirá a comunicação do computador com a sua empresa. Nesse caso, é necessário que a área de TI da organização configure o mecanismo em seu computador corporativo.

Essas dicas são fundamentais para o combate e prevenção de cibercrimes, onde criminosos virtuais se aproveitam de momentos delicados e vulneráveis para conduzir golpes nas empresas e em seus funcionários. Ou seja, o ataque pode vir via e-mail, SMS, ligação, aplicativos de mensagem (se passando por alguém da equipe).

Além disso, fique atento ao seus e-mails, envio de links suspeitos, domínios inexistentes, e as famosas fake news. “Importante o funcionário ficar em alerta, evitar compartilhar senha do wifi, e-mail, banco, evitar transferências bancárias ou expor informações da empresa via e-mail, telefone, ou mensagens suspeitas.”, finaliza Guimarães.

Sobre a Codeby - a empresa atua há mais de 6 anos no mercado de tecnologia, o Grupo Codeby contribui diariamente para o crescimento de negócios online de diversos segmentos e portes, e se orgulha de ser uma empresa criativa e sempre desenvolvendo produtos e funcionalidades inéditas no mercado. O seu principal objetivo como empresa de tecnologia, é desenvolver ambientes online que não só expresse o que o cliente inspira, mas que seja uma experiência incrível para os clientes também.

da redação com informações da PS Comunicação   fotos: divulgação

ABIT

worldfashion • 30/03/20, 16:03

31A Associação Brasileira da Indústria têxtil e de Confecção (Abit) informa que o parque manufatureiro do setor, quinto maior do mundo e integrado, desde a produção de fibras naturais e sintéticas, passando por fiações e tecelagens, design e tecnologia, até a fabricação de roupas, está mobilizado no sentido de procurar atender às demandas mais urgentes em decorrência da pandemia da Covid-19.

“Nesse sentido, nossa indústria, buscando superar os desafios presentes, está trabalhando, nos locais onde as fábricas podem funcionar, para converter seu processo de fabricação à produção de máscaras, aventais, abrigos e outros produtos, muitos dos quais vinham sendo importados, para atender às necessidades prementes geradas pela pandemia do novo coronavírus”, salienta o presidente da entidade, Fernando Valente Pimentel.

fernando-pimentelA Abit está mobilizada integralmente no sentido de contribuir para coordenar essa ação nacional, junto com os sindicatos e lideranças locais, dada a capilaridade geográfica das fábricas, de reposicionamento da produção na maior rapidez possível, para atender a uma demanda urgente do País, informa Pimentel, acentuando: “Com esta ação, estamos procurando oferecer aos médicos e profissionais de saúde materiais importantes para seu trabalho e proteção na luta contra a Covid-19, bem como à sociedade como um todo”. Esta conversão, porém, depende das características das fábricas, da disponibilidade de matéria-prima que atenda às especificações técnicas, da possibilidade das fábricas poderem trabalhar face a restrições existentes em estados e municípios, bem como da logística e mobilidade possíveis no contexto das medidas restritivas de circulação que vêm sendo adotadas.

O quanto a pandemia afeta a indústria têxtil e de confecçõesimg-8084-640x450Na enquete realizada até sexta feira 27 de março, pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) revela que, 97% dos empresários do setor revelam já estar sentindo impactos negativos da paralisação da economia provocada pelo novo coronavírus. No pequeno grupo de 3% dos empresários ainda não sentem os efeitos da pandemia.

img-8085-640x437Dentre as empresas negativamente afetadas 98% apontam o cancelamento ou adiamento dos pedidos por parte dos clientes, devido ao receio de queda em suas vendas, e 2% dizem que não ocorreram cancelamentos até o momento

img-8086-640x445Em 56% das fábricas, há problemas para o escoamento da produção e entrega dos produtos e negociações de prazos de pagamentos e 41% indicam dificuldades para conseguir insumos. Estes também já estão tendo seus preços alterados, conforme percepção de 28% dos entrevistados.

img-8088-640x447A grande maioria, 96%, prevê impactos inevitáveis à frente e 4% não acreditam nisso. Sete por cento revelam que está crescendo a demanda doméstica pelos produtos que fabricam.

img-8087-640x451No que diz respeito somente ao número de pedidos, 98% das empresas informam que houve alterações e 2% indicam que houve aumento.  Porém, 23% dos entrevistados revelam que houve queda acima de 50%. Em 15% das empresas, diminuição variou entre 10% e 25%.

Medidas de enfrentamento da crise

img-8089-640x4501Para fazer frente à presente conjuntura, 62% dos empresários ouvidos colocaram os colaboradores em férias coletivas e 34% estão recorrendo à aplicação de banco de horas. 30% mantêm funcionários em home office, sem anuência dos sindicatos, 14% com concordância das entidades laborais, e 22% iniciaram a demissão de trabalhadores. A opção de redução de jornada e salários foi apontada por 5%. E 1% está contratando.

img-8090-640x441Por outro lado, praticamente todas as empresas, indicam adoção de medidas de orientação e prevenção ao contágio, visando à proteção dos trabalhadores.

15

da redação  com informações da Ricardo Viveiros & Associados Oficina de Comunicação, assessoria da ABIT    imagens: divulgação

INSPIRAMAIS

worldfashion • 27/03/20, 10:23

876-preview-do-couroO evento previsto para o mês de julho, acontecerá nos dias 5 e 6 de AGOSTO 2020, no Centro de Eventos Pró Magno, em São Paulo. a nova data garantirá a todos mais segurança e conforto.

877-preview-do-couroO salão terá como tema “Free Spirit”, discutirá a existência de uma reorganização na forma de pensar e fazer moda, nos orientando por um espírito livre e uma consciência ecológica, coerente com novos princípios, propondo uma reinvenção por meio da criatividade e o Inspiramais será, mais uma vez, um espaço de otimismo e força.

875-preview-do-couro-1A proposta surge com o desenvolvimento de um pensamento responsável em meio a um cenário em que a mudança é necessária e urgente. Em um movimento fluido frente aos caos, propondo um despertar para um caminho que conduz à fluidez, transparência, valores humanos e sustentabilidade. Tópicos importantíssimos especialmente para os novos consumidores.

O evento tem entrada gratuita aos profissionais do setor.

da redação com informações da assessoria de imprensa da Assintecal - C Comunica  imagens: fotos/divulgação

Riva de Split,

worldfashion • 25/03/20, 10:50

photo-2020-03-24-18-04-06Slow fashion é o melhor jeito de definir a Riva de Split, novíssima marca de moda feminina criada pela estilista paulistana Sandra Falci. “É uma moda feita pra atender a mulher contemporânea, executiva, que trabalha e tem inúmeros compromissos no seu dia a dia”, avisa a criadora, que prima pelo conforto, praticidade e muita elegância na hora de idealizar a sua linha.

photo-2020-03-24-18-04-07A marca tem o nome inspirado no balneário chiquérrimo da Croácia, na Europa do Leste, e traz para o seu DNA essa sofisticação, unida a um toque de brasilidade. Para isso, a estilista coloca atenção em detalhes, como a cartela de cores. “Trabalho com o preto, o branco e o off-white como base, usando também alguns tons de nude, de azul, fendi, salmão, ocre e outros que lembram as especiarias”, revela Sandra, que coloca o mesmo cuidado na escolha da padronagem. Assim surgem alguns geométricos de tons esmaecidos, folhagens em branco e preto, sem contar efeitos especiais de superfície no próprio tecido.

A modelagem é outro segredo. Saias retas feitas com malha de viscose, com toque suave e muita fluidez; regatas ultrapráticas; tops curtos ou alongados e bem desestruturados, vestidos que envolvem a silhueta, ao lado de blusas feitas pra combinar com tudo já mostram que a Riva de Split ama o clima casual.

Para o lançamento, a marca chegou com uma coleção enxuta, composta por 15 modelos que “conversam” muito bem entre si. E deu match! “Peças práticas, confortáveis, permitem a formação de diferentes looks, e isso faz com que a proposta seja, de certa forma, sustentável”, destaca Sandra Falci, almejando que o pilar da sustentabilidade esteja sempre presente na Riva de Split.

sandra-falci-riva-de-splitCom 30 anos de experiência na moda, a charmosa Sandra foi modelo, produtora de moda, trabalha há anos com desenvolvimento de produto em tecelagens e agora dá vida ao sonho de lançar a marca própria. “Meu trabalho com as tecelagens permite que, depois de muita pesquisa sobre matérias-primas e tecidos, o meu olhar possa escolher aquilo que é melhor e mais bacana pra Riva de Split”.

Riva de Split, aliás, tem um “algo mais” que a criadora quer que esteja diretamente associado ao nome. “As ações sociais vão fazer parte dessa história, não só como marketing, mas como desejo verdadeiro de levar boas ideias e formação profissional para pessoas em condição vulnerável”, informa Sandra, que tem trabalhado – “sempre!” – com diferentes ONGs. “A ideia agora é atuar com mulheres ex-presidiárias, que buscam uma nova oportunidade de trabalho e podem mostrar, por meio da moda, um talento associado ao resgate da cidadania”, revela, acrescentando que não faltarão desfiles para mostrar essa proposta.

photo-2020-03-24-18-04-05A Riva de Split tem seu show room na Pompeia, “para receber as clientes, amigas e, cada vez mais, lojistas que abraçam essa proposta”, diz Sandra Falci.

da redação  por  Eleni Kronka   imagens: fotos/divulgação

COMUNICADOS: C&A / RIACHUELO / RENNER

worldfashion • 24/03/20, 15:04

image17-1A C&A Brasil fecha todas as suas lojas físicas no país por tempo indeterminado em função da evolução da pandemia do COVID-19. Desde o início, a companhia adotou um plano de contingenciamento conduzido por uma equipe multidisciplinar que vem implementando uma série de medidas preventivas para evitar a proliferação do novo coronavírus entre seus associados, clientes, fornecedores e parceiros comerciais em linha com as recomendações e determinações das autoridades de saúde do país, Organização Mundial da Saúde (OMS) e governos estaduais e municipais.

Com a paralisação da operação, todos os associados de loja passam a seguir a recomendação da companhia de ficarem em quarentena, além de contarem com todas as orientações necessárias. A C&A criou uma hotline de atendimento 24 horas com médicos e enfermeiros para que os associados tirem suas dúvidas. A empresa disponibilizou ainda, junto aos seus parceiros de plano de saúde, exames para detecção do vírus para todos os seus colaboradores que apresentarem sintomas de COVID-19.

Como alternativa aos seus clientes, a C&A mantém o seu e-commerce ativo e aumento da frequência de higienização — medidas preventivas já adotadas desde o início da pandemia. As entregas do e-commerce funcionarão com rígida operação de higiene e com prazo de troca estendido de 30 para 60 dias, válido também para os consumidores que compraram nas lojas físicas, nas últimas semanas.

Também por tempo indeterminado, a C&A também suspendeu o Click & Retire, serviço de compra online e retirada em loja física. Para os clientes que, recentemente, efetuaram compras por meio desta modalidade a empresa pede para que entrem em contato com serviço de atendimento ao consumidor no site cea.com.br para que seja combinada uma nova data e forma de entrega.

A C&A lançou ainda o projeto C&A em Casa. Criado especialmente para este momento de quarentena, em que os brasileiros ficarão mais distantes uns dos outros para conter a disseminação do COVID-19. Com esta iniciativa a companhia transformará as suas redes sociais em uma grande plataforma de conteúdo, onde serão oferecidas aulas e bate papos online sobre temas variados. Para isso, a empresa abrirá espaço em suas redes para pequenos empreendedores e influenciadores que terão a oportunidade de divulgar o seu trabalho de forma remunerada e ajudar a todos a cuidar do corpo e da mente neste período.

****************************************************************************************************************************

irhvA Riachuelo suspendeu as atividades nas fábricas do Grupo Guararapes, localizadas em Fortaleza e Natal como uma medida de prevenção ao avanço do novo coronavírus COVID-19, e deu férias coletivas a todos os funcionários. A decisão passou a valer ontem para o parque fabril de Fortaleza e hoje para Natal, e foi comunicada diretamente às equipes por seus gestores e através de um vídeo institucional publicado pelo CEO Oswaldo Nunes na rede social corporativa Workplace.

Com mais de doze mil colaboradores em ambos os parques fabris, a medida visa impedir a aglomeração de pessoas no mesmo ambiente, a utilização de equipamentos coletivos e evitar expor seus funcionários a maiores riscos como o uso do transporte público, em que ainda circulam milhares de pessoas por dia.    Além do fechamento das fábricas, a Riachuelo também suspendeu as atividades em todas as 323 lojas espalhadas pelo Brasil como uma medida de prevenção ao avanço do novo coronavírus (COVID-19). A decisão é para todas as unidades fora do estado do Rio de Janeiro e São Paulo, que já estavam fechadas seguindo decretos das autoridades locais. Reduziu o quadro de funcionários e os centros de distribuição e centro de atendimento ao cliente, concedeu regime de home office a colaboradores com a possibilidade de realizar suas atividades de forma remota, reforçou rotinas de limpeza e higienização e afastou funcionários pertencentes ao grupo de risco, seguindo as recomendações das autoridades de saúde.

A varejista ainda produziu e doará mais de dez mil aventais hospitalares para associações e órgãos de saúde.

****************************************************************************************************************************

12A Lojas Renner, por meio de seu braço social, o Instituto Lojas Renner, irá apoiar instituições hospitalares para atender às suas necessidades mais urgentes no combate ao coronavírus no Brasil. O apoio, no total de R﹩4,1 milhões, servirá para custear a aquisição de suprimentos básicos e fundamentais no tratamento da doença e conter sua disseminação. A companhia também vai dar suporte para comunidades na região sul do país, onde fica localizada a sede da empresa e estão concentrados boa parte de seus fornecedores. A decisão foi tomada a partir do mesmo posicionamento que levou a companhia a ser a primeira grande empresa de varejo a fechar 100% de suas lojas em todo o território nacional: a responsabilidade de todos para frear o avanço do Covid-19 no país.

“Queremos reafirmar o compromisso em agir, dentro do que estiver ao alcance da companhia, em um esforço coletivo, para a contenção e enfrentamento da pandemia”, afirma Fabio Faccio, diretor presidente da Lojas Renner. “Estamos presentes em todo o Brasil e nossa principal preocupação neste momento é com a população. Este é o ponto de partida da nossa contribuição para a saúde o bem-estar dos nossos colaboradores, clientes, parceiros de negócio e para a comunidade em geral”, diz. As iniciativas serão reavaliadas constantemente e poderão ser ampliadas nas próximas semanas.

O apoio é destinado para a compra de insumos para hospitais responsáveis por unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), tidos como importantes centros de tratamento no combate à doença. As instituições são os hospitais São José, em Criciúma, São Donato, em Içara - ambos de Santa Catarina, os hospitais Conceição e Clínicas, de Porto Alegre, além de unidades de saúde referência em São Paulo, como o InCor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP). “Estamos em contato direto com os hospitais, entendendo quais são suas maiores urgências. Nosso objetivo é mobilizar os recursos que temos e apoiar a sociedade de forma contínua”, reforça Faccio.

“Teremos um resultado ainda melhor se atuarmos em rede e unirmos esforços em uma grande corrente de solidariedade, com o objetivo de cuidar daqueles que mais precisam de nós neste momento. Por isso, estamos à disposição das autoridades e de outras empresas que queiram construir em conjunto outras alternativas de apoio”, diz Fabio. “À medida que as entidades privadas e públicas colaboram entre si para um objetivo único, que é combater o avanço da doença no país, teremos muito mais chances de atravessar este momento e vencer essa luta”.

Além disso, o Instituto Lojas Renner direcionará parte do valor à comunidade do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, próximo à sede administrativa da companhia, onde vivem aproximadamente 35 mil pessoas. O foco, neste momento, é dar assistência aos grupos familiares com crianças e adolescentes atendidos por nove organizações da sociedade civil na Bom Jesus e os serviços da Assistência Social que atendem famílias na mesma região. Outra iniciativa será assegurar a renda mínima de recicladores do Centro de Educação Ambiental (CEA) e costureiras, que já eram apoiadas pelo Instituto.

O Instituto Lojas Renner desenvolve projetos de longa data com os moradores do bairro Bom Jesus, sendo um deles o Empreendedoras da Moda, que capacita mulheres para atuação no setor têxtil, com conhecimentos de gestão e empreendedorismo. Desde sua fundação, em 2008, o braço social da Renner apoiou quase 900 projetos com foco na mulher, beneficiando mais de 200 mil pessoas.

da redação com informações da  Máquina Cohn & Wolfe (C&A); da FSB Comunicação (Riachuelo) e da PresPass (Renner)  imagens: fotos/divulgação

COVID-19

worldfashion • 20/03/20, 15:28

metropolejpgÀ partir de 20 de março a 30 de abril 2020, só funcionarão os varejos como supernercados, farmácias, lojas de conveniências, padarias, restaurantes, lanchonetes, postos de gasolinas e feiras livres em São Paulo e demais estados seguem as orientações estaduais e ou municipais.  Com certeza, esta pausa incomum na economia nacional e internacional afetará de uma maneira inimaginável  todos os segmentos da imensa cadeia têxtil e de moda.  Não haverá uma única solução para os problemas decorrentes desta situação. Como será a solução de cada um dos segmentos desta grande cadeia têxtil ?  Ninguém tem a resposta única e correta, apenas que cada segmento terá tempo e possibilidade para repensar, recriar, reorientar e  replanejar o seu negócio.

E neste momento, a união do segmento mais necessário, já está em ação:  Operadoras somam forças para ajudar no combate ao coronavírus

logosAs empresas de telecomunicações do Brasil estão trabalhando de forma conjunta e coordenada para atender a população brasileira neste momento de isolamento social por conta da crise pandêmica que estamos vivendo. Algar Telecom, Claro, Nextel, Sercomtel, Oi, TIM e Vivo atuam para garantir plena conectividade, acesso em tempo real a todas as informações seguras (dos órgãos oficiais) e para ajudar toda a população nos compromissos de trabalho e estudo, nas interações à distância e momentos de lazer com programação de TV, streaming, músicas e games. Tudo isso com tecnologia de ponta e uma rede confiável.

Durante todo o período em que essa restrição de circulação persistir, as redes e serviços das operadoras – que já vêm sendo a principal estrutura para a acelerada transformação digital do país – passam a ter uma importância ainda maior para o funcionamento remoto da sociedade brasileira. No cenário atual, cresce, ainda, a demanda por uma variada gama de serviços digitais, capazes de atender a rotina de empresas, governos, instituições, e também as atividades cotidianas dos cidadãos.

Para que toda a conectividade exigida aconteça de forma rápida e segura, as operadoras passaram a adotar uma série de medidas emergenciais, que abrangem diferentes aspectos na operação crítica de seus negócios e na relação com seus clientes. São elas:

GESTÃO DE CRISE

• Estabelecimento de comitês individuais de gestão de crise em cada empresa, responsáveis por tomada de decisões e avaliação contínua de impactos nos negócios, nas redes e nos serviços;

• Criação de um comitê supervisor integrado, com gestão do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal – Sinditelebrasil. Em situações de crise é fundamental total alinhamento das prioridades de Estado e por isso é necessária a interação com o ente regulador do setor e demais entes governamentais. O objetivo é garantir planejamento adequado das ações e que todas as melhores práticas e medidas emergenciais sejam imediatamente replicadas, além de possibilitar pleno acesso aos órgãos oficiais para comunicação direta com a sociedade brasileira por meio da soma das redes e das bases de clientes das operadoras.

OPERAÇÃO DE REDES E SERVIÇOS ESSENCIAIS

• Atenção e cuidado redobrado na operação das redes fixas e móveis, garantindo que milhões de brasileiros continuem tendo acesso à internet com qualidade e confiabilidade;

• Plantão permanente de equipes de implantação, instalação, reparo e manutenção de rede e serviços, que vão operar de forma contínua para assegurar a continuidade dos serviços, resguardadas situações de risco à saúde de funcionários e clientes.

INFORMAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO

• Acesso gratuito aos canais de notícias para oferecer informação e conscientizar a população a respeito dos cuidados necessários que devem ser tomados neste momento;

• Acesso gratuito também aos aplicativos oficiais do Governo e autoridades sanitárias, com isenção do uso da franquia de dados móveis; envio de mensagens de texto com informações das autoridades para os usuários, de forma gratuita;

• Comunicação direta com clientes, informando sobre uso sensato e responsável das redes e serviços, evitando sobrecarga em um momento em que toda a sociedade exigirá conexão para manter suas atividades mínimas, essenciais e necessárias; e sobre o uso racional de todos os demais recursos, incluindo remédios, máscaras, papel higiênico e itens de alimentação, de forma a garantir abastecimento a todos, principalmente a população mais carente e grupos de risco.

ENTRETENIMENTO E CULTURA

• Oferecer junto com as programadoras e detentoras de direitos, a abertura de mais canais de TV para os clientes das operadoras.

ATENDIMENTO E CANAIS DIGITAIS

• Redução gradual dos pontos de venda, com fechamento de lojas e atendimento reduzido seguindo orientações do poder público e de controle sanitário.

• Ampliação de divulgação e expansão das funcionalidades e meios de acesso aos canais de relacionamento digital de cada operadora, garantindo mais agilidade no atendimento de demandas relacionadas à emissão de segunda via e pagamento, recarga de serviços pré-pagos, solicitação de serviços e reparos emergenciais.

GESTÃO DAS PESSOAS

• Adoção de medidas de proteção aos nossos colaboradores, como suspensão imediata de viagens domésticas e internacionais, proibição de comparecimento a eventos e encontros, além de limitação de participação em reuniões presenciais, priorizando trabalho a partir de casa;

• Criação do comitê de comunicação e conscientização, com esclarecimento sobre medidas preventivas que devem ser adotadas;

• Esvaziamento de prédios e lojas onde forem diagnosticados casos de contaminação pelo vírus.

As empresas de telecomunicações estão permanentemente reavaliando e alinhando todas as medidas com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), com a Anatel, que é o órgão regulador do setor, com os demais entes governamentais, que serão importantes no diálogo institucional, e cumprindo também com todas as recomendações e orientações das autoridades de saúde nacionais e internacionais, de forma a que este esforço conjunto possa contribuir para a mitigação da propagação e dos efeitos do coronavírus.

O setor é estratégico e fundamental neste momento, para a apoiar a população que está em distanciamento social, as empresas que necessitam seguir operando para minimizar os impactos na economia e, principalmente, para viabilizar a continuidade dos serviços essenciais do país.

Estamos vivendo um cenário sem precedentes, no qual temos que concentrar esforços na continuidade das atividades da sociedade, com estabilidade das redes e conexões, uso responsável de todos os recursos, preservação dos serviços, e, principalmente, proteção da saúde de nossa população.

Nesse momento, as empresas de telecomunicações estão deixando a competição em segundo plano, e têm o compromisso de atuar de forma conjunta para seguirem juntas na implementação ágil dos serviços de telecomunicações necessários para o enfrentamento dessa crise de forma segura e efetiva.

fonte: Sinditelebrasil - Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal

26ª edição minas trend

worldfashion • 17/03/20, 11:56

COMUNICADO

48947277137_0acafcd4b0_c

Diante da situação atípica que vive o Brasil e o mundo, com o aumento dos casos de Coronavírus (COVID-19) e visando garantir a segurança e preservar a saúde e o bem estar de todos, a 26ª Edição do Minas Trend, que aconteceria entre os dias 21 e 24 de abril, está suspensa.

A medida está alinhada com as orientações do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do estado.

A FIEMG – Federação das Indústrias de Minas Gerais, realizadora do Minas Trend,  e suas entidades, SESI-MG, SENAI-MG, IEL-MG e CIEMG, estabeleceram medidas preventivas para evitar o contágio do novo Coronavírus. As instituições passam a avaliar individualmente todos os eventos, encontros empresariais e reuniões que tenham expectativa de público superior a 50 pessoas. A decisão baliza-se no cuidado com a saúde humana e no compromisso estabelecido com a sociedade de promoção do desenvolvimento sustentável de Minas Gerais e do Brasil. Sendo assim, os organizadores do evento entendem que, neste momento, a redução do contato social é fundamental para garantir o cuidado com a saúde humana.  A possibilidade de uma nova data será avaliada.

A FIEMG realiza, ainda, campanha entre as indústrias mineiras para a adoção de medidas de prevenção, visando a saúde dos trabalhadores e da população. A entidade incentiva a adoção das seguintes ações: realização de campanhas de sensibilização para os industriários para medidas de higiene pessoal; melhorar a ventilação dos locais de trabalho; intensificar limpeza e desinfecção dos locais e superfícies com contato frequente como corrimões, maçanetas de portas, botões de elevadores, entre outros; evitar eventos com aglomeração de pessoas.

FIEMG- Federação das Indústrias de Minas Gerais

Rede Comunicação, Júnior de Castro,

Vicunha 2020

worldfashion • 13/03/20, 10:47

2-640x427A empresa referência global em soluções jeanswear, firmou seu protagonismo em 2019: ano que anunciou o novo modelo de negócios one stop shop; apresentou o posicionamento “Jeansidentity”, firmando a sua identidade jeanswear; e reforçou seu pioneirismo em inovação e sustentabilidade através de projetos como o Pegada Hídrica Vicunha.

Seguindo as orientações, em 2020, a Vicunha deixa de ser uma indústria que vende e passa a ser uma “empresa comercial que também produz”, fortalecendo a união das estratégias de marketing e comercial, com o objetivo de se aproximar do consumidor final e aumentar a importância estratégica para seus clientes, permanecendo relevante em um mercado globalizado cada vez mais conectado e imprevisível.

43Parte desse movimento é a nova periodicidade de lançamentos das coleções, que deixam de ser lançadas apenas em duas temporadas e passam a acontecer mais vezes ao longo do ano. Outro grande projeto dentro do modelo one stop shop é a V. Academy, centro de excelência em lavanderia que pretende capacitar pessoas no setor, seja a força de vendas da companhia, como representantes; assim como seus clientes.

O investimento na sustentabilidade, é irreversível no ano passado mapeou pela primeira vez no Brasil o volume médio de água necessário na produção de uma calça jeans, a partir da metodologia Water Footprint Network, com o propósito de diminuir o impacto ambiental da indústria da moda e promover a transparência, unindo os players do setor.

ampa_selo_guardiao_segestacc83o_post_1-640x640A concretização desta união é a iniciativa - A Moda Pela Água : uma plataforma que teve início a partir da Pegada Hídrica e que abre debate entre empresas, consumidores e ONGs a fim de buscar soluções para o desperdício de água na cadeia.

No mês de março de 2020, em homenagem ao Dia Mundial da Água, as empresas Guardiãs da Água, como a Vicunha, promovem o Summit AMPA para o debate da Água na Moda, onde apresentarão as suas soluções para a gestão responsável deste recurso pela indústria.

Por estas e outras iniciativas pioneiras, a companhia vem sendo reconhecida pelo setor, como a homenagem na categoria Destaque Empresarial na Medalha do Mérito, premiação promovida pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), destinada a condecorar empresas que realizaram ações de impacto durante 2019.

A companhia também aparece em evidência na última edição do anuário Empresas Mais Estadão, entre os destaques no setor Têxtil e Vestuário, colocada em quinto lugar como a única tecelagem do ranking; nas publicações 1000 maiores do jornal Valor Econômico e no ranking Melhores & Maiores da Exame; além do anuário Época Negócios 360, classificada entre as 500 maiores empresas do país.

5“Queremos ser a one stop shop modelo da cadeia têxtil mundial, com a consciência de que as relações são interdependentes e que ao compartilhar nosso conhecimento, construiremos as bases para melhores resultados, cada vez mais sustentáveis” comenta o diretor-presidente da Vicunha, José Maurício D’Isep. “Desta forma, enxergamos um grande potencial para a Vicunha de capturar mais valor em nosso mercado e impactar positivamente a sociedade. Assim, assumimos o propósito de estimular a cultura do Jeanswear com toda a sua funcionalidade, diversidade e beleza para permitir que cada pessoa no mundo encontre seu jeansidentity”, conclui.

da redação com informações da PressPass   imagens: fotos/divulgação

COMUNICADO SPFW - COVID-19

worldfashion • 13/03/20, 09:39

logo2Em função da nova classificação de pandemia do coronavírus (COVID-19), o São Paulo Fashion Week comunica o cancelamento dos desfiles previstos de 24 a 28 de abril. Diante do cenário atípico e visando preservar a saúde e bem estar de todos, a programação do Festival SPFW+ e a conferência internacional anunciada para o dia 27 de abril serão replanejadas.

A temporada SPFW N50, celebrando os 25 anos do São Paulo Fashion Week, está mantida entre os dias 16 e 20 de outubro.

da redação informações da assessoria MKT MIX